Foi por bem pouco, pouco mesmo, mas a Unión Española conquistou o Torneo Transición chileno, a sétima conquista nacional da história do clube de Santiago.

A Furia Roja é liderada no banco de reservas por um de seus maiores ídolos: José Luis Sierra, aquele mesmo que chegou ao São Paulo com pompas de craque e até pousou com um helicóptero em sua recepção. A dificuldade e a superação envolvidas na conquista deram mais sabor ao sétimo campeonato da UE.

Empatado em pontos com a Universidad Católica com 38 pontos, o time de Sierra venceu apenas no saldo de gols, numa margem estreita. A taça veio com uma vitória simples diante do Colo-Colo, por 1 a 0, afastando os fantasmas de 2012, quando perdeu o Clausura para o Huachipato nos penais.

Experiência e competência andam de mãos dadas

O elenco tem uma boa base e jogadores experientes que rodaram a América do Sul, como o volante uruguaio Diego Scotti, o meia argentino Matías Abelairas e Gustavo Canales, que teve boa passagem pela Universidad de Chile em 2011. A união fez a força da Furia Roja, que se recompôs da frustração em 2012 e veio com tudo para ser campeã nesta temporada.

Dessa forma, lideraram 10 das 17 rodadas, brigando sempre com a Universidad Católica pela ponta. O troféu é nada mais que um prêmio ao empenho em campo e a vontade de vencer. Patricio Rubio foi o artilheiro da UE na competição, com sete gols. Metade do que conseguiu Javier Elizondo, do Antofagasta, com 14.

O bom trabalho defensivo trouxe também uma grande revelação. A dupla de zaga formada por Matías Navarrete e Jorge Ampuero concedeu apenas 12 gols, um pouco longe dos 19 sofridos pelo Cobreloa, segundo time menos vazado no Chilenão.