O Campeonato Brasileiro começa neste sábado, mas pela primeira vez em muitos anos alguns jogos não serão transmitidos. Desde que o pay per view surgiu e se popularizou, já na era dos pontos corridos, ter uma partida fora da TV se tornou algo raro. Na pior das hipóteses, o duelo estaria no sistema pago, o canal Premiere. Não desta vez. Alguns torcedores talvez precisem recorrer ao aposentado radinho de pilha para acompanhar os compromissos de seu time – ou talvez o rádio pelo celular mesmo.

Quem transmitirá o Brasileirão?

A Globo segue como detentora dos direitos de transmissão na TV aberta. Foi a única a fazer proposta nesse sentido. Na TV fechada, o Brasileirão será exibido por SporTV e Esporte Interativo, dentro do canal TNT. No pay per view, quem transmitirá é o Premiere, que também é do grupo Globo, como o SporTV.

Como funcionam as negociações dos direitos de TV?

No contexto de negociações individuais do Brasil, aconteceu algo que já era possível ao longo dos últimos anos: times fecharam com emissoras diferentes para o mesmo campeonato. É um problema muito sério ao Brasileirão, porque a partida só pode ser exibida se o canal possuir acordo com os dois adversários envolvidos. Alguns clubes acertaram com o Esporte Interativo, da Turner, no contrato de TV fechada, enquanto outros se alinharam com o SporTV. Isso, porém, é só parte do entrave.

Primeiro, é importante entender como são negociados os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro. São três modalidades: TV aberta, TV fechada e pay per view. Na TV aberta, a única proposta é da Globo; no pay per view, a única proposta é do Premiere, do grupo Globo; na TV fechada, contudo, o Esporte Interativo, da Turner, conseguiu fechar com sete dos 20 clubes que estão na Série A em 2019, enquanto outros 13 assinaram com o SporTV, do grupo Globo.

Como é necessário ter os direitos dos dois clubes para transmitir um jogo, essa divisão na TV fechada significa que o SporTV só pode transmitir os jogos entre os 13 clubes com quem possui contrato, assim como a Turner só pode transmitir os jogos entre os sete clubes com quem fechou. Partidas entre um time que tem contrato com o Esporte Interativo e outro que tem contrato com o SporTV não podem ser exibidas por nenhum dos canais.

Na TV aberta, 19 dos 20 clubes entraram em acordo com a Globo. Só um ainda não aceitou a proposta: o Palmeiras. Nesta semana, prestes começar o Brasileirão, Globo e Palmeiras se reuniram algumas vezes para tentar fechar o negócio, o que não aconteceu – e a diretoria já emitiu nota quanto ao assunto, confirmando a falta de acerto. Na prática, o que significa o Palmeiras não ter contrato com a Globo na TV aberta? Que nenhum jogo do time alviverde poderá passar na TV Globo enquanto não houver acordo.

No pay per view, dois dos 20 clubes não aceitaram a proposta do Premiere, único a fazer uma oferta: Athletico Paranaense e Palmeiras. Isso significa que o Premiere não poderá transmitir nenhum duelo que envolva qualquer um desses dois times (38 jogos dos rubro-negros, outros 38 dos alviverdes, totalizando 74, excluindo o duelo entre ambos).

Os outros clubes que acertaram com o Esporte Interativo na TV fechada já aceitaram proposta do Premiere. Por exemplo, o Bahia, que tem contrato com o EI na TV fechada, assinou com a Globo na TV aberta e com o Premiere no pay per view. Com isso, seus jogos serão integralmente transmitidos pelo Premiere, além de passarem eventualmente na Globo, quando a emissora escolher (como será neste domingo, no duelo com o Corinthians) e no Esporte Interativo, quando jogar contra times que também possuem vínculo com o canal – caso do Palmeiras, por exemplo. Se o Palmeiras entrar em acordo com a Globo e o Premiere em algum momento, a situação será a mesma do Tricolor de Aço.

Quem tem contrato com quem?

Com essa situação, o que está desenhado até agora é que teremos jogos no escuro, ou seja, sem qualquer transmissão na TV. Todas as partidas do Palmeiras contra os times que possuem contrato com o SporTV, listados abaixo, não podem ser exibidos por ninguém – nem TV aberta, nem TV fechada e nem pay per view.

Os contratos de TV em cada modalidade

Globo (TV aberta): 19 clubes. A exceção é o Palmeiras.

SporTV (TV fechada): Atlético Mineiro, Avaí, Botafogo, CSA, Chapecoense, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Goiás, Grêmio, São Paulo, Vasco.

Turner (TV fechada): Athletico Paranaense, Bahia, Ceará, Fortaleza, Internacional, Palmeiras, Santos.

Premiere (pay per view): 18 dos 20. Os que não assinaram são Athletico Paranaense e Palmeiras.

Jogos sem nenhuma transmissão: Todos os do Palmeiras contra times com contrato com o SporTV (26 no total) e todos do Athletico Paranaense contra times que são do SporTV, mas não terão transmissão na TV aberta (a depender da grade de programação escolhida pela Globo).

Como é a divisão do dinheiro da TV no novo contrato?

A concorrência entre Globo e Turner fez com que um pedido antigo fosse atendido: um modelo de distribuição dos direitos de TV que seguisse padrões de grandes ligas do mundo, como a Premier League. E assim aconteceu. O contrato de TV aberta e TV fechada proposto pelo Esporte interativo, da Turner, e pela Globo segue um modelo similar ao da Inglaterra. São R$ 600 milhões no total, que serão divididos em três partes.

Cota de TV aberta e fechada:

Total: R$ 600 milhões
Como é feita a divisão:
– 40% igual para todos
– 30% por número de jogos transmitidos
– 30% de acordo com a posição no campeonato

Só que há outra parcela importante do dinheiro dos direitos de transmissão, que é onde há maior crescimento e onde se concentra a maior discussão neste momento. Porque, se no modelo da divisão do dinheiro de TV aberta e fechada havia uma grita por uma distribuição que fosse mais justa e que levasse em conta aspectos técnicos, no pay per view essa questão é um pouco diferente.

Pay Per View

Valor total: R$ 650 milhões se chegar a 20 clubes, atualmente R$ 585 milhões com 18
Como será dividido: Cada clube recebe de acordo com o número de torcedores que declararem o seu time no Premiere. Aqueles que não declararem, por qualquer motivo, contribuem para o montante que será distribuído igualmente aos clubes.

O pay per view previsto para 2019 era de R$ 650 milhões. Se você estranhou o tempo verbal, eu explico: essa era a previsão caso os 20 clubes fechassem contrato. Como dois deles não aceitaram a proposta, ao menos até agora, esse total diminuiu para R$ 585 milhões. Ainda pode voltar ao valor original caso os dois clubes que ainda não aceitaram a proposta, Athletico Paranaense e Palmeiras, fecham contrato.

Para ter um cadastro mais preciso, o Premiere promove campanhas, já nos últimos anos, para que os assinantes declarem seus times. É possível fazer isso pela própria TV, através da operadora, pelo aplicativo do canal no celular ou tablet e pelo site do canal. Antes, essa pesquisa era realizada apenas nas capitais dos estados. Em 2019, a possibilidade chega a todos os assinantes, inclusive no interior.

O modelo de pagar mais a quem tem mais torcedores declarados beneficia os times de maior torcida, que são os que mais perdem com o novo modelo de divisão de direitos de TV aberta e fechada. Assim, clubes como Flamengo e Corinthians tendem a receber muito mais. Só que além disso, há uma polêmica.

Segundo Rodrigo Mattos, do UOL, tanto Corinthians quanto Flamengo possuem garantia em contrato para receber, no mínimo, 18,5% do total (o que representaria, no momento, R$ 108,2 milhões). A informação não é confirmada pela Globo, dona do Premiere, nem pelos clubes. Seriam os únicos times com um pagamento mínimo garantido em contrato.

Por que o Palmeiras não fechou com Globo e Premiere?

A principal razão para o Palmeiras não ter aceitado as propostas da Globo para TV aberta é uma espécie de multa que a emissora impôs àqueles que fecharam com a Turner na TV fechada. O valor da proposta é 15% menor para os clubes nessa situação, como o Palmeiras. Outros times já aceitaram a oferta, mesmo assim, porque consideraram que ganharam mais com o Esporte Interativo na TV fechada e, assim, valeria a pena. O Palmeiras não aceita.

No pay per view, a briga é um pouco diferente. O contrato com mínimo garantido para Corinthians e Flamengo é um dos principais entraves para o Palmeiras. O alviverde quer receber o mesmo que os dois clubes. A emissora, porém, não quer dar essa garantia – dependeria dos palmeirenses assinarem mais o Premiere, sem este percentual assegurado no acordo. A estimativa é que o Palmeiras tenha cerca de 10% dos assinantes, algo similar ao São Paulo, e, assim, a cota seria de algo como R$ 65 milhões por ano.

Tanto Palmeiras quanto Globo têm suas razões na disputa e buscam os seus interesses. Por um lado, o Palmeiras não considera justo ganhar menos sendo um dos principais times do país no momento, atual campeão brasileiro e que ganhou outro título recentemente, em 2016.

Por outro lado, a Globo não quer pagar mais para o Palmeiras, porque isso poderia gerar problemas com os outros clubes que já assinaram contratos com 15% a menos na TV aberta e que aceitaram receber, no pay per view, de acordo com o seu número de assinantes, com um mínimo garantido bastante inferior a Corinthians e Flamengo.

Há quem diga que a tal cláusula de mínimo garantido para Flamengo e Corinthians sequer existe e seja mais uma estimativa, baseada em uma pesquisa realizada ainda em 2018. Cássio Zirpoli, em seu blog, mostra um estudo que apontaria 23% de torcida para o Flamengo e 19% para o Corinthians. Números acima dos 18% supostamente firmados com a Globo. Se essas porcentagens se concretizassem, o Flamengo receberia R$ 149,5 milhões pelos seus 23% e o Corinthians receberia R$ 123,5 milhões pelos seus 19%.

Nesse estudo, o Palmeiras teria 9% dos torcedores, o que geraria uma cota de R$ 58,5 milhões, pouco abaixo do São Paulo, com 10% (R$ 65 milhões) e acima do Vasco com 6% (R$ 39 milhões). Santos e Grêmio teriam 4% (R$ 26 milhões), Atlético Mineiro, Cruzeiro e Internacional 3% (R$ 19,5 milhões), Fluminense com 2,4% (R$ 13 milhões) e o Athletico Paranaense teria 1% (R$ 6,5 milhões). Isso, é bom repetir, é uma estimativa. Os dados efetivamente serão feitos de acordo com o número de assinantes de cada clube, de fato, ao longo do ano.

O Palmeiras pode transmitir seus próprios jogos online?

Não pode. Como é preciso ter os direitos de transmissão dos dois times, o Palmeiras precisaria comprar os direitos do adversário para poder fazer isso, e todos os adversários já venderam seus direitos.

É possível que Palmeiras e Globo negociem jogo a jogo?

Sim, mas é improvável. Segundo Rodrigo Mattos, do UOL, essa possibilidade era ventilada pelo próprio Palmeiras, mas as duas partes não parecem chegar a um acordo e é, atualmente, pouco provável que aceitem negociar isoladamente os jogos.

Como ver os jogos do Esporte Interativo?

Os jogos transmitidos pelo Esporte Interativo você pode assistir pelo TNT, canal também do grupo Turner, ou pelo EI Plus (vendido separadamente). Algumas operadoras oferecem acesso ao EI Plus sem pagar a mais por isso, como a Vivo e a TIM. Além disso, é possível ter o EI Plus através do UOL Esporte Clube, plataforma com outros conteúdos do grupo UOL, como a Folha, bem como planos que incluem os canais ESPN.

Os jogos da primeira rodada

Sábado, 27/04

16h – São Paulo x Botafogo (Premiere)
19h – Chapecoense x Internacional (Premiere)
Atlético-MG x Avaí (Premiere e SporTV)
21h – Flamengo x Cruzeiro (Premiere)

Domingo, 28/08

11h – Grêmio x Santos (Premiere)
16h – Ceará x CSA (Premiere)
Bahia x Corinthians (Globo e Premiere) Athletico x Vasco (Globo)
19h – Palmeiras x Fortaleza (TNT, EI Plus)
Fluminense x Goiás (Premiere e SporTV)

Veja mais na Programação de TV