Tempos Modernos marcou a história do cinema. Lançado há exatos 80 anos, o filme de Charlie Chaplin é considerado uma obra-prima, tanto pela linguagem visual quanto pela força da mensagem transmitida. Carlitos se depara com o mundo modernizado da industrialização, em roteiro escrito sob o fantasma da Grande Depressão. Uma leitura de mundo que permanece atual, sobretudo para contextualizar o momento vivido na década de 1930. Ainda que o londrino tenha outros tantos projetos aplaudidíssimos, nenhum se tornou mais clássico. Em especial, a cena na qual o protagonista se embrenha pelas engrenagens da máquina, considerada a mais emblemática do filme.

VEJA TAMBÉM: Habilidade de Daniel San e cenas lamentáveis: relembre os momentos boleiros de Karate Kid

Nascido durante uma época na qual o futebol eclodia na Inglaterra, Chaplin não tinha uma relação profunda com o esporte. Os registros de suas relações com a modalidade são raros. No entanto, o gênio da dramaturgia devia ter a sua parcela de gratidão ao futebol. Justamente uma peça de teatro sobre o tema ajudou a impulsionar a sua carreira em 1908, quando assinara o contrato com seu primeiro grande grupo teatral.

Por intermédio de seu irmão, Sydney, Chaplin ganhou uma oportunidade na companhia de comédia de Fred Karno, empresário importante do teatro. E seu primeiro papel veio em um dos esquetes de maior sucesso do grupo, ‘The Football Match’, em turnê a partir de dezembro de 1906. O novato cobriu a ausência de outro ator e, mesmo inexperiente, ganhou um papel relevante entre os coadjuvantes, fazendo o antagonista. Era o responsável por tentar subornar o goleiro Stiffy, o protagonista, interpretado pelo renomado humorista Harry Weldon. Torcedor fanático do Everton, o veterano era apaixonado por futebol e amigo de vários jogadores, a ponto de usar artigos doados pelos próprios craques do Campeonato Inglês – com as chuteiras do lendário Billy Meredith.

VEJA TAMBÉM: O autor do filme “Goal!” agora quer levar a história de Jamie Vardy a Hollywood

Charlie Chaplin ainda não tinha completado 20 anos quando recebeu o convite, e era um garoto bastante tímido. Ainda assim, se saiu muito bem. Em janeiro de 1908, atuou pela primeira vez, no Coliseu de Londres. Com o nariz pintado de vermelho, o garoto fez suas palhaçadas no palco, garantindo a risada do público e se destacando tanto quanto Weldon – o que lhe rendeu uma bronca, por ofuscar o papel principal. O sucesso foi tamanho que o jovem ator acabou contratado pelo grupo e foi convidado por Fred Karno para ser o protagonista da peça Mumming Birds. Tornou-se a grande estrela da companhia, pela repercussão estrondosa que gerou a partir de suas atuações.

A partir de então, Chaplin trilhou o seu próprio caminho, participando dos primeiros filmes a partir de 1914 e logo se tornando um sucesso global. Já a peça The Football Match também se eternizou. Em uma época na qual o futebol profissional permanecia marginalizado às classes operárias, a peça ajudou a quebrar barreiras. Além disso, também se colocou como uma das primeiras releituras artísticas do ambiente vivido no esporte, de seu fascínio aos seus problemas. Ainda que com uma participação mínima, Chaplin deu sua contribuição.