Pela primeira vez em sua carreira, José Mourinho perdeu um jogo como mandante por três gols de diferença. Dentro de Old Trafford, o Tottenham anotou 3 a 0 sobre o Manchester United. E como era de se esperar, diante do clima atribulado de suas últimas semanas à frente do clube, a coletiva de imprensa dada pelo técnico foi tempestuosa. O português sustentou os elogios à atitude de seu time (que, de fato, melhorou em relação à derrota para o Brighton na rodada anterior), mas também negou certos elementos do jogo e atacou a postura crítica da imprensa. Além disso, deixou os repórteres falando sozinhos, pedindo respeito por “ter vencido três vezes a Premier League, contra apenas duas dos outros 19 treinadores da primeira divisão”.

“Trabalhamos a semana toda e, do ponto de vista estratégico, não fomos inferiores, mas perdemos o jogo. Trabalhamos muito bem nós últimos dias, estávamos preparados, os jogadores foram bem, tiveram atitude. No intervalo, poderíamos sair com uma diferença de dois gols. Então, o jogo mudou um pouco. Eles marcaram dois gols, mas o time seguiu ligado, achei que todos poderiam sentir que um gol nosso mudaria a direção da partida. O Tottenham percebeu isso, mas eles mataram o jogo com o terceiro gol”, apontou Mourinho, na saída de campo.

O português preferiu usar o reconhecimento da torcida como termômetro ao que aconteceu em Old Trafford: “Todos os nossos torcedores não leem jornais, não veem televisão. Nossos torcedores são mais inteligentes que isso. Eles responderam de uma forma fantástica. Não acho que é normal um time perder por 3 a 0 em casa e os torcedores reagirem dessa maneira. Apenas penso que ficou claro a quem viu o jogo a forma como esse time é unido. Um time não luta o que lutou e dá o que deu se não é unido. Perder em casa é muito difícil, mas acho que está claro isso. E não há união sem o técnico”.

Além disso, Mourinho também apontou que não houve falta de energia de seus jogadores, mas sim circunstâncias do jogo: “Gols são uma vitamina fantástica e, quando se sofre, eles oferecem uma overdose de fadiga. Quando você é o melhor time, chegando ao intervalo com a frustração de não estar vencendo e toma dois gols, é uma overdose de fadiga. Não estou dizendo que com um gol teríamos vencido ou empatado, mas estávamos no jogo. O placar destruiu a mentalidade do time, mas ainda vi os jogadores tentando com orgulho e dignidade até o fim, o que os torcedores aplaudiram. Acho que foi uma reação magnífica dos rapazes”.

Se o clima para Mourinho no Manchester United já era ruim, pelos questionamentos a jogadores importantes do elenco e pela insatisfação pública quanto ao mercado de transferências feito pelo clube, os resultados ruins nas primeiras rodadas da Premier League aumentam a pressão. Resta saber se a diretoria continuará confiando em uma reviravolta e engolirá os sapos ou fará mudanças mais drásticas diante das turbulências. A impressão é que o tempo se esgota cada vez mais ao português.


Os comentários estão desativados.