A seleção de Andorra teve o gosto de viver o maior momento de sua história nesta sexta. A vitória por 1 a 0 sobre a Hungria no Estadi Nacional, com gol decisivo de Marc Rebés, foi a segunda do país na história das Eliminatórias para a Copa (em sua quinta participação na competição) e a segunda em jogos oficiais, algo que não acontecia desde 2004. Se por um lado a Hungria sofreu as consequências e viu sua torcida furiosa, pedindo até mesmo para que os jogadores tirassem suas camisas, os andorranos experimentaram um gosto raríssimo da glória. Enquanto os torcedores se abraçavam nas arquibancadas, em campo a celebração dos jogadores e membros da comissão técnica dimensiona bem a grandeza da ocasião.

Poucos andorranos não tinham um largo sorriso no rosto. As exceções eram feitas por aqueles que choravam copiosamente, diante da história que se completava. Fundamental para segurar a vitória magra, o goleiro Josep Gómez caiu com as mãos sobre o rosto, antes de se levantar e vibrar demais. O técnico Koldo Álvarez, jogador histórico do país, mal esboçou reação, como se não acreditasse. Mesmo os mais experientes derramaram lágrimas, como o zagueiro Ildefons Lima, outro bastião da seleção local. Em especial, o meio-campista Josep Ayala, que encerrava justamente na noite triunfante sua carreira internacional, com 81 aparições pelo país.

“Nós merecíamos isso. Lutamos contra tudo. Só nós sabemos o que isso nos custou. Foi uma jornada muito emotiva. Era uma partida especial, porque foi a primeira desde a morte de Emili Vicente [treinador do FC Andorra, que concentra diversos jogadores da seleção, falecido no último dia 25]. Alguns estavam particularmente tocados, ainda que todos o conhecessem e gostassem dele. Foi uma explosão de felicidade. Esse tipo de coisa você desfruta mais quando é uma equipe como a nossa, acostumada a perder”, declarou o capitão Ildefons Lima, em entrevista ao Sport. “Estamos na melhor sequência de nossa história, precisamos seguir em frente com ela. É a minha primeira vitória em um jogo oficial pela seleção, pois estava suspenso contra a Macedônia em 2004. Depois de 106 partidas, 20 anos, imagine isso!”.

Dificilmente Andorra conseguirá ampliar sua invencibilidade, visitando a líder Suíça na próxima rodada das Eliminatórias. Contudo, para quem fez tanto do nada nesta sexta, vencendo uma partida com apenas 44 passes certos, não há limite para o sonho dos andorranos. E eles estão em seu completo direito.