A torcida da cidade havia abraçado o novo clube. O representante tradicional do futebol de Guaratinguetá era a Esportiva, já em baixa no fim dos anos 1990. Por isso mesmo, quando o município do Vale do Paraíba recebeu um novo time, mesmo que fosse ligado a empresários, foi muito bem-vindo. Era a nova chance de viver as glórias, o que de fato aconteceu, sobretudo com o título do interior em 2007 e a participação nas semifinais do Paulistão. No entanto, como um clube-empresa, a reciprocidade não existiu. E a mudança para Americana, em 2011, quebrou essa ligação com os guaratinguetaenses.

O período longe da cidade durou pouco e a Garça logo voltou, mas não recebeu o mesmo amor. E, mesmo disputando a segundona do Brasileirão, não conquistou outros feitos. Pior, a fonte do dinheiro secou com a debandada dos empresários, tornando 2015 um ano melancólico, tornando-se satélite de Audax e Lemense. Em 30 jogos na temporada, o Guará venceu apenas um. Acabou rebaixado na segundona estadual e a queda na Série C também é questão de tempo. Presente insustentável, que levará o clube a seu mudar nas próximas semanas.

A Garça firmou uma parceria com o Atlético Paranaense, tornando-se uma filial do Furacão. Usufruirá dos jogadores e das estruturas, mudando-se para Curitiba, renomeada como “Atlético Guaratinguetá”. Neste final de semana, aconteceu a provável despedida do Estádio Darío Rodrigues Leite. Como não poderia deixar de ser, com mais uma derrota: 1 a 0 para o Tupi. Sinal do abandono evidente nas arquibancadas, diante de míseras 131 testemunhas do adeus. Guaratinguetá, ao menos, tem outra esperança: o Manthiqueira, fundado durante o período em Americana, que faz boa campanha na quarta divisão Paulista e goleou o Diadema por 5 a 0 neste final de semana. É o que resta.

>>> Diante de uma proposta tentadora, Leandrão preferiu a torcida do Brasil de Pelotas
>>> Juventus lotou a Javari e atraiu mais gente do que metade dos jogos da rodada na Série B
>>> Ele transformou a perda do pai em motivação para se tornar o goleiro mais jovem do Brasil

Série D

espera

O empate sem gols que durou quatro horas

Náutico de Roraima e Rio Branco do Acre fizeram um jogo de poucos atrativos em Boa Vista. Um empate por 0 a 0 que demorou cerca de quatro horas. Os problemas da partida infindável começaram pela falta da ambulância à beira do campo. O carro só chegou 30 minutos depois do horário marcado para o pontapé inicial, mas sem médico – o que levou a uma espera de mais meia hora. E ainda haveria mais no intervalo. A ambulância precisou atender a uma ocorrência na cidade e demorou mais uma hora para voltar, o que fez muitos torcedores irem embora e os jogadores (literalmente) esperarem sentados no gramado. Enfim, os 45 minutos aconteceram com o retorno da UTI móvel. E o mais cômico ficou para o final: o Rio Branco teve dois jogadores expulsos, ambos com o segundo amarelo, por trocarem palavrões entre si. Com três a menos em campo, já que o Náutico também teve um cartão vermelho, nem assim os gols saíram.

O Remo emenda a terceira vitória, e com emoção

Neste ano, o Remo aponta como candidato para voltar ao menos à Série C. Prova disso está no bom início na quarta divisão, com dez pontos em quatro rodadas. Nesta segunda, os paraenses disputaram um clássico da região norte contra o Nacional, na Arena da Amazônia. E arrancaram um triunfo emocionante por 1 a 0 já nos acréscimos finais. Após jogada de Eduardo Ramos, Levy anotou o gol decisivo. Justo ele, que foi preterido pelo técnico Cacaio para que um volante fosse improvisado na lateral direita, mas acabou tendo a chance de se redimir ao entrar no segundo tempo. Uma resposta para mudar a ideia do comandante.

 

A primeira vitória do Foz demite Pingo

O Foz do Iguaçu fazia a pior campanha da Série D. Perdeu os três primeiros jogos, sofrendo 12 gols só neles. Mas isso apenas porque ainda não tinha enfrentado o Metropolitano, outro que vai mal das pernas na competição. Com apenas uma vitória nas três primeiras rodadas, os catarinenses acabaram perdendo para o Foz por 2 a 0. Resultado? O técnico Pingo (aquele mesmo, ex-jogador do Flamengo) não resistiu no cargo e acabou demitido. Parece que ao menos a briga para saber quem será o pior do grupo será ferrenha.

O Botinha desencanta, e em grande estilo

O Botafogo de Ribeirão Preto não começou bem a Série D. Demorou quatro jogos para marcar o seu primeiro gol e para conquistar a sua primeira vitória. Mas, quando ela aconteceu, foi para botar abaixo o Estádio Santa Cruz. É verdade que o Villa Nova também faz campanha sofrível no torneio. Mesmo assim, não tem como tirar os méritos da equipe paulista na goleada por 5 a 1. O grande destaque ficou com o veterano centroavante Nunes, aquele mesmo, que marcou dois tentos.

天皇杯サッカー準々決勝・鹿島アントラーズ-名古屋グランパスエイト/アルシンドのドリブル

O filho de Alcindo dá a liderança ao Red Bull

Depois de uma boa campanha no Paulistão, o Red Bull Brasil também demonstra consistência na quarta divisão. Tanto que assumiu a liderança de sua chave, ao vencer o Ypiranga em Erechim. O gol do time foi anotado por Igor Sartori, de 22 anos. Reconheceu o sobrenome? O atacante é filho de Alcindo, o “careca cabeludo”, que marcou época especialmente no Kashima Antlers. Com passagem pela base do Flamengo, o jovem disputou o Paulista pelo Bragantino.

A homenagem do Inter de Lages foi a vitória

O final de semana marcou a emoção em Lages. O zagueiro Léo, de 17 anos, faleceu após sentir um mal súbito durante um jogo pela equipe sub-17 do Internacional. Recebeu as devidas homenagens antes da partida do time principal contra o Operário, pela Série D. Sua camisa foi estendida no gramado, rodeada por amigos e parentes. Já quando a bola rolou, os colorados honraram seu nome com a vitória por 1 a 0, gol de Robson. O grupo, aliás, está embolado: Red Bull Brasil e Operário somam sete pontos, enquanto Inter e Ypiranga somam seis.

O Gama teve um substituto de ouro

O melhor público da Série D na rodada aconteceu no Bezerrão. Quase 5 mil pessoas foram apoiar o Gama, ainda invicto neste início de torneio. Deu certo. Os alviverdes sofreram, mas venceram o Duque de Caxias por 2 a 0. E a estrela do jogo foi um substituto, Jonatan, que saiu do banco para definir o resultado. O atacante substituiu Grampola e anotou os dois gols depois dos 35 do segundo tempo.

Série C

fuma

Fumagalli, do inferno ao céu em 90 minutos

Fumagalli não abandona o Guarani. O veterano segue vestindo a camisa do clube onde se lançou para o futebol, e é um dos protagonistas do Bugre. Em especial nesta rodada, durante o empate por 2 a 2 contra o Londrina, no Estádio do Café. O camisa 10 perdeu um pênalti pouco antes do intervalo, o primeiro de sua carreira nos últimos 14 anos. Já a redenção dos campineiros e do meio-campista veio a partir dos 43 minutos do segundo tempo. Allan Dias diminuiu a diferença e Fumagalli tratou de igualar o placar nos acréscimos, justamente cobrando pênalti. O resultado deixou o Guarani a três pontos do Londrina e do G-4.

Fortaleza segura o Vila pela liderança

O Vila Nova tem feito boa campanha dentro e fora de campo na Terceirona. Vice-líder do Grupo A, também apresenta boa média de público. E neste final de semana os alvirrubros contaram com bastante apoio no Serra Dourada. Porém, os 13 mil pagantes não puderam comemorar um resultado melhor contra o Fortaleza. Os cearenses seguraram o empate por 0 a 0 e poderiam até ter vencido, acertando o travessão no segundo tempo. O empate, ao menos, serviu para os tricolores manterem os três pontos de vantagem sobre os goianos na liderança da chave.

Brasil de Pelotas segue como um trator

O Bento de Freitas viveu mais um show do Brasil, soberano na liderança do Grupo B. O Xavante segue com três pontos de vantagem, após passar por cima da Portuguesa por 4 a 1. Uma festa que teve a participação especial de Leandrão. Artilheiro da Série C, o centroavante recusou uma proposta financeiramente bem mais vantajosa do Ceará para continuar em Pelotas. Segundo suas próprias palavras, apostando no acesso e agradecendo o carinho da torcida – em especial, de um torcedor falecido nos últimos dias. O camisa 9 balançou as redes mais uma vez e chegou a 10 tentos em 10 jogos na Terceirona.

 

Max Carrasco salva o Asa aos 48 do segundo tempo

O Asa de Arapiraca mostra força para disputar os mata-matas da Terceirona. E conquistou um resultado importante para se manter a terceira colocação. Fora de casa, os alagoanos buscaram o empate por 2 a 2 contra o Botafogo, na Paraíba. Os donos da casa estiveram por duas vezes em vantagem, mas o Asa tirou a diferença. Na segunda vez, com um tento de Max Carrasco aos 48 do segundo tempo. Em 11 rodadas, o clube de Arapiraca só sofreu uma derrota, para o Vila Nova.

O artilheiro de dois estaduais no Cuiabá

Após conquistar a Copa Verde e quase surpreender o Vasco na Copa do Brasil, o Cuiabá não faz boa campanha na terceirona. Ocupa a oitava colocação no Grupo A, cinco pontos acima da zona de rebaixamento. E a expectativa para uma guinada na reta final recai sobre o atacante Cabixi, apresentado nesta semana. O nome pode não ser tão conhecido, mas o currículo é de respeito: neste ano, ele já conseguiu ser artilheiro de dois campeonatos estaduais: anotou oito gols pelo Poconé no Mato-Grossense, antes de ir para o Vilhena e anotar mais nove no Rondoniense. O problema é que sua estreia não animou muito. Ele saiu do banco e pouco fez na goleada do Confiança por 4 a 1, em Aracaju.

Série B

A classificação é relativa à rodada do final de semana, sem contar os jogos desta terça

Grafite reestreou pelo Santa Cruz com gol e vitória contra o Botafogo (Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz)

Grafite volta em grande forma e deixa Botafogo pelo caminho

O sábado contou com uma enorme festa no Arruda. Mais de 44 mil torcedores encheram as arquibancadas do estádio para apoiar o Santa Cruz e celebrar o retorno de Grafite, que recusou propostas da Série A para voltar ao clube no qual explodiu. E o veterano mostrou mesmo que é um grande reforço aos tricolores: seu gol definiu a vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, deixando os pernambucanos com 25 pontos, apenas cinco atrás do G-4. E enquanto o Santa ascende, o Botafogo para no tempo. Os alvinegros não vencem há quatro rodadas e deixaram a liderança, caindo para a quarta posição. Ricardo Gomes tentará a primeira vitória pelo clube nesta terça, em casa, contra o ABC.

Vitória e Ceará, de uma ponta a outra

Com a queda do Botafogo, quem assume a ponta da Série B é o Vitória, mas apenas pelos critérios de desempate. Os rubro-negros encararam o Castelão com bom público (23 mil pagantes) e superaram o lanterna Ceará, afundando ainda mais os alvinegros. Nem mesmo a demissão de Geninho ajudou o Vovô, com Escudero e Rogério encaminhando a vitória dos baianos em apenas 18 minutos. Já na segunda etapa, Júlio César diminuiu e encerrou o placar em 2 a 1. Treinado por Vágner Mancini, o Vitória não havia vencido os seus três compromissos anteriores.

O Bahia goleou e só não é líder por um triz

Se o Vitória está na ponta, é apenas por um gol a mais marcado do que os seus maiores rivais, já que tem o mesmo número de triunfos e o mesmo saldo de gols do Bahia. E olha que o tricolor bem que tentou passar ao topo da tabela. A equipe recebeu o Boa Esporte na sexta e goleou na Arena Fonte Nova, diante de 16 mil pagantes. Jaílton, Kieza, Eduardo e Souza anotaram os gols no atropelamento por 4 a 1, com três tentos anotados apenas nos 30 primeiros minutos. Quem também aparece igualado no topo com a dupla baiana é o América Mineiro, que venceu o Paraná por 2 a 0, mas possui dois gols a menos de saldo.

Neto Baiano faz milagre em Criciúma

Petkovic começou bem o trabalho no Criciúma e segue invicto no comando do Tigre. Entretanto, passou as últimas três rodadas da Série B sem vencer. A recuperação veio na última sexta-feira, com um triunfo emocionante no Heriberto Hülse. Lucca e Natan abriram dois gols de vantagem sobre o Oeste em apenas 20 minutos de jogo. Só que os catarinenses cederam o empate no segundo tempo. Até que, no quarto minuto dos acréscimos finais, Neto Baiano cobrou pênalti e buscou a vitória por 3 a 2. Valeu para o atacante encerrar sua seca de sete partidas sem balançar as redes. Além disso, outra notícia que agitou o Criciúma nos últimos dias foi o anúncio da contratação de Marcos Assunção, que estava no Figueirense.

O Atlético Goianiense vem aí?

Já destacamos na última rodada, mas vale ressaltar mais uma vez: o Atlético Goianiense vive um grande momento. O Dragão venceu suas últimas quatro partidas na segundona e se distanciam cada vez mais da zona de rebaixamento, assumindo a 14ª colocação. Neste sábado, a equipe treinada por Gilberto Pereira venceu um duelo difícil, fora de casa contra o Macaé. E o papel de herói, de novo, coube a Júnior Viçosa. O atacante recém contratado do Chiasso, da Suíça, anotou o seu terceiro gol em quatro partidas pelo clube.

A fome de gols de Rivaldinho

O Mogi Mirim só acordou na Série B depois que Rivaldo voltou a calçar as chuteiras. Desde a chegada do veterano, o clube passou a conquistar os resultados, ainda que tenha perdido forças e permaneça na zona de rebaixamento. Porém, quem também parece ter melhorado no período é Rivaldinho, mais confiante ao lado do pai. O jovem atacante marcou seis gols nos últimos seis jogos. Neste sábado, balançou as redes aos 43 do segundo tempo, buscando o empate por 2 a 2 contra o ABC.

Pelos estaduais

Ecus, o time mais desorganizado do Brasil

Suzano pode não figurar entre os principais centros do futebol de São Paulo, mas possui um clássico tradicional. Ecus e União Suzano fazem o dérbi sempre valendo pelos níveis de baixo do Campeonato Paulista. E, desta vez, o Usac terminou de enterrar os seus rivais na quarta divisão: goleada por 6 a 0, com todos os gols marcados apenas no segundo tempo. Entretanto, o Ecus pediu pela humilhação. A equipe escalou quatro jogadores irregulares, o que foi descoberto no intervalo. Já para o segundo tempo, voltou apenas com nove em campo, e acabou sofrendo o massacre. Esta, aliás, não é a primeira trapalhada do Ecus na campanha. O clube teve seis técnicos e chegou a ficar sem goleiros. Não à toa, passou 15 meses consecutivos sem vitórias, sequência horrorosa só encerrada no início de julho.