Sete gols em 45 minutos. Ou cinco gols em 20 minutos. O segundo tempo do clássico pernambucano entre Sport e Santa Cruz foi totalmente maluco. No fim, ficou feliz o dono da Ilha do Retiro, que esteve duas vezes atrás no placar e conseguiu a virada para vencer por 5 a 3, com direito a um golaço de Éverton Felipe, já nos acréscimos, para selar com chave de ouro a grande partida, válida pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

LEIA MAIS: A festa de quatro clubes de peso, unidos em um só grito: Que venha a Série C

A decepção de ter sofrido o gol de empate da Chapecoense, aos 42 minutos do segundo tempo, na última quarta-feira, ainda estava viva na mente dos torcedores do Santa Cruz quando começou o clássico na Ilha do Retiro. Mas os vice-lanterna do Campeonato Brasileiro começou muito bem, abrindo o placar aos 6 minutos de jogo, em um lance meio estranho. A bola bateu, rebateu e continuou com Keno. Como parecia que ninguém queria roubá-la dele, não sobrou outra alternativa ao jogador que não fosse acertar um belo chute da entrada da área.

O Sport teve três grandes chances para empatar ainda no primeiro tempo, mas esbarrou em defesas monumentais de Tiago Cardoso. A primeira veio em uma cabeçada de Neto Moura, em falta cobrada por Diego Souza. A segunda, em um chute cruzado de Rogério, da entrada da área. A terceira, em outra cabeçada, desta vez perpetrada pelo colombiano Luiz Ruiz. O rebote ainda ficou com o capitão Durval, que perdeu um gol feito.

Se a partida continuasse assim, o gol rubro-negro seria uma questão de tempo. Mas não é que, no quarto minuto da etapa final, o Santa Cruz marcou de novo? João Paulo bateu colocado de fora da área e ampliou a vantagem coral. Dois minutos depois, o Sport descontou, na redenção de Durval, que desviou de cabeça uma cobrança de falta. Os visitantes reagiram com um chute fraco de Keno, defendido sem problemas por Magrão.

O Sport, enfim, conseguiu o empate, aos 24, em boa jogada de Ruiz pela direita. O colombiano cruzou na segunda trave, onde estava Rodney Wallace, pronto para empatar. Poderia ser o começo da reação ou da virada, mas Bruno Moraes tinha outros planos. Dois minutos depois, apareceu entre os zagueiros rubro-negros para completar o cruzamento de Keno e voltar a colocar o Santa Cruz à frente no placar: 3 a 2.

O jogo, que já estava espetacular o bastante, sofreu outra reviravolta quando Diego Souza cruzou da ponta esquerda, na cabeça de Ruiz, que cabeceou por cobertura. Tiago Cardoso ficou parado em cima da linha e apenas assistiu à bola passar pelas traves. A um minuto do fim, Everton Felipe achou Ruiz – que partida do colombiano! – pela esquerda, com um passe de Trivela (agradecemos a propaganda). A bola chegou a Vinicius Araújo, livre na entrada da pequena área, com a simples missão de empurrá-la às redes.

A cereja no bolo de uma das melhores partidas do Brasileirão, que deixou o Santa Cruz a sete pontos de sair da zona de rebaixamento, e o Sport a três de distância da zona da degola, foi uma pintura de Everton Felipe. Tiago Cardoso saiu do gol para interceptar um lançamento, ficou no meio do caminho, e o jogador do Sport encobriu-o com muita categoria.