Marta não terá a chance de defender o seu título. Nesta quarta-feira, a Fifa anunciou a lista de dez nomeadas ao prêmio The Best, concedido à melhor jogadora do mundo na última temporada, sem a brasileira. A lista é dominada por quatro jogadoras da seleção americana, campeã da Copa do Mundo da França no mês passado: Julie Ertz, Rose Lavelle, Alex Morgan e Megan Rapinoe.

O período considerado pela premiação começa em 25 de maio de 2018 e termina em 7 de julho de 2019. As 12 indicadas foram escolhidas por um painel de especialistas no futebol feminino e, agora, torcedores, jornalistas, capitães e técnicos de seleções nacionais votarão para escolher as três finalistas e a vencedora, anunciada em 23 de setembro.

Marta não brilhou como de costume na Copa do Mundo, embora seja injusto dizer que jogou mal, e também não fez uma temporada particularmente brilhante pelo Orlando Pride. Em 2018, dentro do período considerado, atuou 16 vezes pela National Women’s Soccer League, marcando apenas dois gols e dando quatro assistências. O time foi sétimo colocado, entre nove integrantes. Este ano, até 7 de julho, fez três gols em oito jogos. O Orlando Pride ganhou apenas o último deles.

Outros destaques do Mundial também estão na briga, como a lateral Lucy Bronze, eleita a segunda melhor jogadora do torneio, e a atacante Ellen White, com seis gols marcados. Ambas defenderam a Inglaterra. A dona da casa França é representada pela zagueira Wendie Renard e a meia Amandine Henry.

Viviane Miedema, importante na trajetória da Holanda rumo à final, também foi mencionada, assim como a australiana Sam Kerr e a norueguesa Caroline Grahama Hansen. A única integrante da lista que não participou da Copa do Mundo é a também norueguesa Ada Hegerberg, vencedora da primeira edição da Bola de Ouro feminina e autora de uma tripleta na final da Champions League pelo Lyon.

Técnicos

A americana Jill Ellis, campeã do mundo, está naturalmente nomeada ao prêmio de melhor técnico ou técnica do futebol feminino, assim como a holandesa Sarina Wiegman, que comandou seu país à decisão da Copa pela primeira vez na história. Os semifinalistas Peter Gerhardsson, da Suécia, e Phil Neville, da Inglaterra, também foram lembrados. Milena Bertolini foi indicada por carregar a Itália a um Mundial pela primeira vez em duas décadas e chegar às quartas de final.

O prêmio de treinador coloca um pouco mais de foco nas categorias de base e nos clubes. Futoshi Ikeda está na lista pelo título do Mundial sub-20, com o Japão, e Antonia Is pelo da Espanha no Mundial sub-17. O australiano Joe Montemurro está na disputa por ter vencido a Superliga Feminina da Inglaterra no comando do Arsenal. O inglês Paul Riley, pelo título da NWSL pelo North Caroline Courage. E Reynald Pedros por ter dado mais uma Champions League ao Lyon.

Essas são as indicadas ao prêmio de melhor jogadora: 

Julie Ertz (EUA) – Chicago Red Stars (EUA)
Lucy Bronze (ING) – Lyon (FRA)
Caroline Graham Hansen (NOR) – Wolfsburg (ALE)
Ada Hegerberg (NOR) – Lyon (FRA)
Amandine Henry (FRA) – Lyon (FRA)
Sam Kerr (AUS) – Chicago Red Stars (EUA) e Perth Glory (AUS)
Rose Lavelle (EUA) – Washington Spirit (EUA)
Vivianne Miedema (HOL) – Arsenal (ING)
Alex Morgan (EUA) – Orlando Pride (EUA)
Megan Rapinoe (EUA) – Reing FC (EUA)
Wendie Renard (FRA) – Lyon (FRA)
Ellen White (ING) – Birmingham City (ING)

E estes são os indicados ao prêmio de melhor técnico ou técnica do futebol feminino:

Milena Bertolini (ITA) – seleção italiana
Jill Ellis (EUA) – seleção americana
Peter Gerhardsson (SUE) – seleção sueca
Futoshi Ikeda (JAP) – seleção japonesa sub-20
Antonia Is (ESP) – seleção espanhola sub-17
Joe Montemurro (AUS) – Arsenal (ING)
Phil Neville (ING) – seleção inglesa
Reynald Pedros (FRA) – Lyon (FRA)
Paul Riley (ING) – North Carolina Courage (EUA)
Sarina Wiegman (HOL) – seleção holandesa