A infindável discussão sobre o calendário do futebol brasileiro está longe de ter uma definição. Enquanto os principais clubes do país brigam contra o excesso de datas, o problema da grande maioria é justamente o contrário. O primeiro semestre segue recheado de jogos, com os estaduais, e a metade final do ano se esvazia. Para quem não está em alguma das quatro divisões nacionais, resta entrar em recesso ou disputar as copas estaduais, longe de atrair o mesmo interesse. Dentro deste cenário, o departamento de competições da CBF resolveu um dos maiores questionamentos sobre a organização da Série D. Mas que, com o cobertor curto do calendário, acaba gerando outros problemas.

VEJA TAMBÉM: Santa Cruz arrancou virada sobre Bahia na Fonte Nova e segue com sonho do acesso

A partir de agora, o time que se classificar para a quarta divisão nacional conquista a vaga apenas para o ano seguinte. Assim, para fazer a regra valer, os times presentes na Série D de 2016 disputarão o torneio também em 2017. A medida preenche uma lacuna preocupante, com o curto planejamento dos times para disputar a competição nacional. Os classificados nos estaduais ganhavam poucas semanas de preparação. Não à toa, muitos deles acabavam desistindo da vaga. Com a mudança, o tempo para se planejar fica maior.

Entretanto, há um grande porém. O comum para muitos clubes será conquistar a classificação no estadual, parar (ou praticamente isso) nos seis meses finais do ano, e só na temporada seguinte voltar com força, preparado para o novo estadual e para a quarta divisão. Os times que se saírem bem nos regionais e conquistarem a vaga tenderão a passar por desmanches, reformulando-se novamente apenas para o ano seguinte. Evita a pressa, mas causa um longo período ocioso. E nem de longe resolve o desemprego.

A solução do entrave está mesmo na reformulação do calendário nacional. Os estaduais não podem ser apenas um meio de enriquecimento das federações através dos principais clubes (que, por outro lado, quase sempre veem os torneios como empecilho), enquanto a maioria sofre. O caminho mais interessante que se sugere é o da integração total dos níveis estaduais com os nacionais, distribuindo mais as datas e mantendo os times em atividade durante todo o ano. Só que, por enquanto, as soluções costumam apontar para a perda de influência das federações. E sabemos que, quando se mexe nos privilégios, o futebol brasileiro não anda. No máximo, teremos medidas paliativas como a tomada pela CBF.

Abaixo, reunimos outras histórias da coluna Lado B de Brasil, publicada na Trivela todas as terças, com o melhor do futebol nacional além da Série A. Confira:

Série B

O símbolo da raça do Santa

Na Fonte Nova, Bahia e Santa Cruz fizeram o principal duelo da rodada da Série B. Um jogaço, que contou com a virada dos pernambucanos por 2 a 1 já no segundo tempo. E um dos personagens do triunfo foi o zagueiro Alemão, destaque do time na temporada. O defensor protagonizou dois lances peculiares para desestabilizar Souza, volante do Bahia. No mais importante, catimbou bastante em frente ao adversário, arrancando grama e amarrando a chuteira em frente à marca da cal, para atrapalhá-lo a cobrar um pênalti – que acabou acertando a trave. E tinha mais: em uma batida de falta perigosa para os baianos, Alemão bateu no peito e pediu que Souza enchesse o pé em cima dele. Aconteceu, mas não na mira correta: Grafite é quem levou a pior, tomando a bolada do adversário. Na volta para casa, após a vitória, uma multidão de torcedores recebeu o Santa no aeroporto. E, na confusão, Daniel Costa teve o celular furtado – e já reposto pela diretoria.

 

Fica para depois, Botafogo

O Botafogo está a uma vitória de confirmar o retorno à primeira divisão. Questão de tempo para os alvinegros, em festa que acabou adiada no último sábado. Os botafoguenses visitaram o Criciúma no Heriberto Hülse e acabaram surpreendidos pelo Tigre, que venceu por 1 a 0 – e somou três pontos importantes para se afastar da zona da degola. Os cariocas têm a chance de assegurar o retorno à elite nesta terça, outra vez fora de casa. Pegam o Luverdense, que, por sua vez, ainda tem esperanças de chegar ao G-4.

Bragantino e Náutico, as bolas da vez

Além do Botafogo, também devem confirmar o acesso em breve América Mineiro e Vitória, que seguem com folga sobre o pelotão intermediário. Já a quarta vaga do acesso conta com uma briga de foice: sete times seguem fortes na disputa, separados por apenas quatro pontos. O Santa Cruz atualmente ocupa a posição privilegiada, mas Náutico e Bragantino são os que vêm mais embalados. O Timbu acumula seis vitórias nos últimos oito jogos, enquanto o Massa Bruta chegou a ocupar a zona do acesso brevemente, com três triunfos consecutivos. Pior para Bahia, Paysandu e Sampaio Corrêa, que oscilaram demais e ficaram para trás, embora sigam colados na concorrência.

Depois de 28 rodadas, o Ceará respira

Durante boa parte da Série B, a queda do Ceará parecia inevitável. O Vozão conquistou a Copa do Nordeste, mas começou muito mal no nacional e não conseguiu recuperar o tempo perdido. As mudanças de técnico pareciam não surtir efeito, em uma temporada na qual o estado ainda vivia a expectativa do retorno do Fortaleza à Segundona. Porém, os tricolores não subiram e os alvinegros talvez não caiam. Após passar 28 rodadas no Z-4, o Ceará saiu da zona da degola neste final de semana. O time do técnico Lisca emendou a quarta vitória consecutiva, ao bater o ABC por 3 a 0. Jogou na zona vermelha o Macaé, que tem apenas três vitórias em todo o segundo turno. Depois da vitória sobre os potiguares, rolou uma grande comemoração do Vozão no Estádio Presidente Vargas.

Momento em que a torcida canta “Saiu do hospício, tem que respeitar, Lisca doido é Ceará”.

Posted by Eu Não Escolho, Fui Escolhido – CearáSc on Sábado, 7 de novembro de 2015

 

Os rebaixados

O Mogi Mirim foi o primeiro time a ter a queda para a Série C decretada. Já na última semana, a degola veio para o Boa Esporte. O clube mineiro não vence há 15 rodadas, com 13 derrotas neste intervalo. Assim, o rebaixamento tornou-se irreversível. O time, que se mudou de Ituiutaba para Varginha em 2011, estava na Segundona havia cinco temporadas, e por duas vezes chegou a brigar pelo acesso inédito à elite. Quem também caminha a passos largos para a Terceirona é o ABC. Já a quarta vaga deve ficar entre Macaé e Ceará, embora Criciúma, Oeste, Atlético Goianiense e Paraná ainda estejam ameaçados.

Casas cheias nesta terça

Aliás, a emoção na Série B deve contribuir com as médias de público nesta 35ª rodada. A promessa é de estádios lotados para alguns jogos que acontecem nesta terça. Sampaio Corrêa e Santa Cruz colocaram os ingressos a preços populares para encher Castelão e Arruda. Ainda no Nordeste, Bahia e Ceará também devem atrair bastante gente. Já o América Mineiro, bem próximo de subir, esgotou a carga inicial de entradas do Estádio Independência.

Série C

Londrina a um empate da taça

Jogando em casa, o Londrina contou com 11,2 mil pagantes no Estádio do Café e fez sua parte no primeiro duelo com o Vila Nova, pela final da Terceirona. Os paranaenses dominaram a partida e poderiam até ter aberto um bom placar. Entretanto, ficaram apenas no 1 a 0, graças a um chute forte de Zé Rafael aos 31 minutos do primeiro tempo. O jogo de volta, no Serra Dourada, acontece apenas no dia 21. Os londrinenses têm a vantagem do empate ou da derrota por um gol de diferença, caso balancem as redes pelo menos uma vez.

A cena da rodada

A chuva forte que caiu em Londrina no sábado pode ser colocada como um dos motivos que impediu o Estádio do Café de estar mais cheio. Em compensação, o temporal também proporcionou uma cena impagável. As crianças presentes se aproveitaram do “piscinão” que se formou nas arquibancadas para brincar. As imagens abaixo são do Esporte Interativo, transmissor oficial da competição:

O que o futebol nos proporciona é SENSACIONAL! Que momento! As crianças da torcida do Londrina Esporte Clube brincando na chuva na finalíssima da Série C! Fique ligado nos canais Esporte Interativo para ver mais do futebol de verdade e sentir a emoção que ele merece!

Posted by Esporte Interativo on Domingo, 8 de novembro de 2015

Série D

Jogaço no Santa Cruz

Já na outra final das divisões nacionais, o Botafogo de Ribeirão Preto fez valer o mando de campo e saiu em vantagem contra o River. E o segundo tempo da partida no Estádio Santa Cruz certamente foi um dos melhores que o futebol brasileiro teve em 2015, com cinco gols e vitória do Pantera por 3 a 2. Franci anotou os três tentos dos paulistas, que chegaram a abrir dois gols de vantagem. Entretanto, o River não pode reclamar tanto assim da sorte. Célio Codó e Alex Santos diminuíram o prejuízo, anotando os dois gols do time depois dos 37 minutos. Embora a vantagem do empate seja dos paulistas, o Galo Carijó poderá vencer por 1 a 0 ou 2 a 1 que levanta a taça no Albertão, no próximo sábado.

O árbitro viu o que ninguém mais viu

Já um lance curioso marcou o último gol do jogo, aos 44 do segundo tempo. Alex Santos cruzou bola na área que passou por todos os seus companheiros e tocou no braço do goleiro Neneca antes de entrar. Já na súmula, o árbitro marcou o tento para o zagueiro Amorim, que acabara de entrar. Detalhe: o defensor sequer estava na área durante o lance. Ganhou um presentaço em sua estreia pela Série D.

Pelo Brasil

Águia de Marabá termina o ano com título

O Águia de Marabá disputou a Série C do Brasileirão em 2015, sem sequer estar na elite do Paraense. E, depois de cair no nacional, o time ao menos conquistou o acesso na segundona estadual. O time subiu ao lado do São Raimundo, seu adversário na final deste final de semana. Favorito, o Águia fez valer o elenco mais forte e ficou com a taça, vencendo a decisão por 1 a 0. O atacante Chaveirinho marcou o gol decisivo.

São Carlos campeão

O acesso na quarta divisão do Campeonato Paulista já tinha sido definido. Sobrou a festa da taça, com a final entre São Carlos e Fernandópolis. E, depois de já vencer a ida, os são-carlenses bateram os rivais mais uma vez para erguer o troféu. Jogando em casa, o Sanca derrotou o Fefecê por 1 a 0. Além da dupla, Noroeste e Olímpia também subiram.

Zequinha perto da Série D

Atalho para a Série D no Rio Grande do Sul, a Supercopa Gaúcha teve o primeiro jogo de sua decisão neste domingo. E o São José está próximo de carimbar a classificação ao torneio nacional em 2016. O Zequinha bateu o Cruzeiro por 1 a 0 e ficou a um empate do título da competição. Diego Torres, ex-jogador cruzeirense, fez valer a Lei do Ex e anotou o gol decisivo.

* Agradecimento ao leitor Henrique Coelho, pelas dicas sobre o Santa Cruz. Valeu!