Um novo protocolo médico pode ser a chave para que a Serie A seja retomada na Itália. Segundo reportado nesta terça-feira, o comitê de especialistas técnicos e cientistas do governo italiano aprovou o plano enviado pela Lega Serie A, que modificou o modelo anterior. Com isso, o futebol poderá ser retomado na Itália no meio de junho. A FIGC (Federação Italiana) informou na noite de segunda que todas as competições de futebol na Itália estão suspensas até o dia 14 de junho. Caso o governo confirme a aprovação do protocolo, será possível retomar os campeonatos depois dessa data.

O governo queria estabelecer um isolamento de 15 dias para todos os envolvidos, algo que muitos clubes disseram que era impossível para organizar com um grande grupo de jogadores e funcionários. Em vez disso, serão feitos mais testes. De acordo com o jornal La Repubblica, serão feitos dois testes swabs nas primeiras 24 horas, depois outros quatro dias depois e exames de sangue a cada 14 dias.

Além do isolamento prévio, o governo queria que os clubes ficassem em quarentena por 15 dias em casos de testes positivos. Agora, a ideia é que se o jogador testar positivo, ele será individualmente isolado, enquanto o resto do grupo continuará a treinar e fará mais testes para determinar quem está infectado.

Com tudo isso, passa a ser possível que os times voltem a treinar em grupo. Para voltar a termos jogos, será preciso ficar de olho na situação do coronavírus na Itália e se a curva de contágio continua diminuindo, segundo Vincenzo Spadafora.

“Quando o campeonato poderá recomeçar com segurança? Nós esperamos que o mais cedo possível, mas no momento nós ainda não temos garantias, como o Primeiro Ministro Giuseppe Conte bem lembrou”, disse Spadafora.

“Se, como nós esperamos, as curvas de contágio continuarem a cair, então será possível confirmar a data para a retomada da Serie A. Contudo, nós temos que chegar lá gradualmente, nos movendo com prudência e responsabilidade, como fizemos até agora, com grande sacrifício dos italianos”, afirmou o Ministro do Esporte.

“Se um jogador testa positivo, eu entendo que isso é um problema para o esporte, mas também comprometeria a saúde daquele indivíduo e das pessoas próximas a ele”, continuou Spadafora. “É por isso que estamos considerando que todas soluções possíveis sejam validadas pelos médicos. O objetivo aqui não é apenas que a temporada da Serie A recomece, mas também garantir que possa chegar a uma conclusão”.

Os clubes tem se mostrado muito insatisfeitos com a atuação de Spadafora, que tem colocado muitas questões para que as atividades de treinamentos sejam retomadas. E isso mesmo depois de academias, piscinas e centros esportivos terem recebido autorização para abrirem ao público geral na Itália a partir do próximo dia 25 de maio.

“Nós iremos tentar recapturar o senso de normalidade um passo de cada vez, mas não podemos baixar a guarda, porque nós ainda não sabemos como o vírus irá evoluir. É por isso que escolhemos proceder gradualmente. Quando os dados forem mais encorajadores, nós podemos adotar menos medidas restritivas, ou vice-versa”, disse ainda o ministro do esporte.

A Itália tem um total de 225.886 casos confirmados da COVID-19, com um total de 32 mil mortes, mas com 129.401 recuperados. O país teve 162 mortes nas últimas 24h, além de 813 novos casos, segundo dados divulgados pelo governo italiano. O dado positivo é que 2.075 pessoas receberam alta após se recuperar da doença. Com isso, o número de casos ativos caiu para 65.129. São 9.991 pacientes hospitalizados com sintomas da doença, sendo que 716 destes estão na UTI. Os outros 54.422 estão em isolamento, em casa, com sintomas leves.