Com jogos ao mesmo tempo, rodada foi emocionante para os líderes (e ótima para o Palmeiras)

O Palmeiras venceu o Figueirense e, com a derrota do Flamengo para o Internacional, abriu quatro pontos na liderança

Podemos discutir se foi acertada a decisão da CBF de colocar os jogos dos três primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, os últimos que brigam pelo título, ao mesmo tempo. Se não seria melhor, ainda longe da reta final, separá-los para ter atrações em mais horários. O inegável é que a tarde deste domingo, com Palmeiras, Flamengo e Atlético Mineiro em campo e fora de casa, teve duas horas de muita emoção, das quais o torcedor palmeirense saiu mais feliz do que os seus concorrentes.

LEIA MAIS: Na sucessão de erros do Fla-Flu, difícil dizer de quem é o maior: de Meira Ricci, da CBF ou da Fifa

O Palmeiras sofreu, outra vez, mas venceu o Figueirense, em Florianópolis, por 2 a 1, enquanto o Flamengo foi derrotado pelo Internacional, pelo mesmo placar, e o Atlético Mineiro perdeu para o Botafogo, por 3 a 2. A vantagem alviverde na ponta da tabela, que havia caído para um único ponto, subiu para quatro. Faltam sete rodadas, e o Palmeiras ainda tem o luxo de descartar uma. Está bem posicionado para conquistar o troféu que não aparece no Palestra Itália desde 1994.

Mas ainda deixa a desejar quando o assunto é desempenho. O Palmeiras é um caso curioso. Começou o Brasileiro com um ataque arrasador e uma defesa que falhava constantemente, com um ótimo desempenho dentro de casa e dificuldades quando tinha que viajar. Isso se inverteu. Tem tido uma defesa sólida. Sofreu apenas seis gols nos últimos dez jogos do Brasileirão. Nesse mesmo período, marcou 16 e fez mais de três uma única vez desde a 13ª rodada, quando seu desempenho começou a cair. Está invicto há oito rodadas fora de casa, com seis vitórias, mas ganhou apenas duas partidas como mandante nessa mesma quantidade de duelos.

O primeiro tempo em Florianópolis representou isso. Correu poucos riscos contra o desesperado Figueirense, mas não conseguiu encaixar as jogadas no ataque. Toma decisões erradas e parece não ter um plano. Ou tem um plano e não o executa direito. De qualquer maneira, o placar não foi movimentado. A mesma coisa no Beira-Rio. Após uma oportunidade para cada lado, o Flamengo controlou a posse de bola, sem criar grandes situações de gol. O Atlético Mineiro, por outro lado, já havia sofrido dois gols do Botafogo e precisaria remar muito para arrancar um resultado.

Se os primeiros 45 minutos do pacote vespertino de jogos teve mais tensão que futebol, os últimos 45 foram repletos de altos e baixos. O árbitro Igor Benevenuto marcou pênalti em Gabriel Jesus – infração que, na minha opinião, não ocorreu, mas fiquem livres para discordar -, ao mesmo tempo em que o Flamengo abria o placar no Beira-Rio, em cobrança de falta completada por Réver. O clube carioca assumiu a liderança por aproximadamente dois minutos, apenas o tempo suficiente para Jean bater o pênalti e fazer 1 a 0 para o Palmeiras. No Rio de Janeiro, o Atlético Mineiro já havia descontado, com Fred.

Desesperado para não ser rebaixado à segunda divisão, o Internacional mostrou muita força ao não se abalar com o gol do Flamengo e tomar o controle da partida. Vitinho foi um monstro, assumindo a responsabilidade de participar de quase todas as jogadas ofensivas do Colorado, às vezes sendo até um pouco fominha. Mas deu resultado: Sasha empatou o jogo, aos 21 minutos do segundo tempo. Pouco depois, os refletores do Orlando Scarpelli apagaram, e o jogo do Palmeiras ficou cinco minutos paralisado. E o Galo empatou com Leonardo Silva.

A rodada já seria ótima para o Palmeiras que, com esses resultados, voltaria a abrir três pontos de vantagem na liderança – e sete para o terceiro colocado. Mas ficaria um pouco melhor com o gol de Vitinho, que deu a vitória ao Internacional, e, na sequência, o de Jean, praticamente assegurando o triunfo em Florianópolis. No entanto, outra reviravolta estava reservada: em falha de Jaílson, Rafael Silva descontou para o Figueirense, e o Palmeiras passou minutos finais de muito nervosismo para segurar o resultado. Dudu Cearense, por sua vez, voltou a colocar o Botafogo à frente do Atlético Mineiro.

Wilton Pereira Sampaio apitou o fim do jogo em Porto Alegre. Wagner Reway fez o mesmo no Rio de Janeiro. Alguns minutos depois, Benevenuto encerrou os trabalhos em Florianópolis. Depois de duas horas de tensão, reviravoltas e altos e baixos, os três primeiros colocados do Brasileirão completaram a 31ª rodada, que foi bem melhor para o Palmeiras do que para Flamengo e Atlético Mineiro.