O Paris Saint-Germain deu sequência a um mercado mais modesto em termos financeiros com outro bom negócio. Nesta terça-feira, anunciou a chegada do senegalês Idrissa Gueye, do Everton, por € 32 milhões, e acrescentou mais uma boa peça à reformulação do seu meio-campo.

Agora, são quatro jogadores que podem atuar por ali sem improvisações: Marco Verratti, Leandro Paredes, Idrissa Gueye e Ander Herrera. Todos esses, com exceção do italiano, foram contratados desde o último mês de janeiro, sublinhando a negligência imposta ao setor nas últimas janelas.

Desde o famoso mercado em que chegaram Neymar e Mbappé, o PSG perdeu Blaise Matuidi, Krychowiak (emprestado para West Brom e Lokomotiv Moscou antes de ser vendido em definitivo para os russos), Giovani Lo Celso (negociado com o Betis) e Thiago Motta, aposentado.

O único jogador contratado nos 18 meses entre as compras das duas estrelas e a chegada de Leandro Paredes foi o veterano Lassana Diarra, para quebrar um galho. Nesse período, os treinadores precisaram fazer improvisações deslocando jogadores como Marquinhos e Draxler para o meio-campo.

Nomes fortes como Allan, Paul Pogba e Christian Eriksen foram especulados, mas o novo diretor esportivo Leonardo tem adotado uma estratégia mais módica. Ander Herrera assinou ao fim do seu contrato com o Manchester United, sem exigir uma taxa de transferência, e Gueye custou pouco para cofres tão abastados quanto os dos parisienses, na mesma linha dos negócios por Diallo (€ 32 milhões) e Sarabia (€ 18 milhões).

Talvez eles ainda não resolvam o problema, mas já ajudam bastante. Gueye, especialmente, parece em grande forma, aos 29 anos. Desde que foi contratado pelo Everton do Aston Villa, três anos atrás, foi titular absoluto dos azuis de Liverpool, destacando-se nas ações defensivas. Fez uma boa Copa Africana de Nações pelo vice-campeão Senegal.

O treinador Marco Silva tentou convencer Gueye a permanecer no Everton, mas pesou a vontade do jogador de abraçar um novo desafio. “É uma honra e grane fonte de orgulho ser jogador do Paris Saint-Germain. Todo jogador sonha em defender um grande clube como este. Estou muito feliz e, acima de tudo, honrado de usar esta camisa”, disse. “Como todos sabem, sou um meia defensivo, um trabalhador duro, pronto para fazer sacrifícios para ajudar o time”.

Ao Everton, resta buscar uma reposição. Com aproximadamente duas semanas de janela ainda, um novo volante junta-se a um zagueiro, um atacante e um lateral direito na lista de compras de Marco Silva. O ponta que o português também buscava deve ser Moise Kean, da Juventus.

********

Estamos também no YouTube! Confira nosso último vídeo e se inscreva no canal para fortalecer o jornalismo esportivo independente em mais um meio: