No dia em que a seleção americana feminina foi campeã do mundo, a masculina ficou de mãos abanando. No estádio Soldier Field, de Chicago, o México contou com um golaço de Jonathan dos Santos para derrotar os Estados Unidos, na final da Copa Ouro, por 1 a 0, e conquistar a competição da Concacaf pela oitava vez. Os EUA têm seis títulos, e o Canadá foi campeão em 2000. 

Foi a primeira conquista de El Tri sob o comando do técnico argentino Tata Martino, que assumiu a equipe, no começo do ano, depois da saída de Juan Carlos Osório. Mas não foi fácil. Depois de passear na fase de grupos, o México precisou dos pênaltis para derrotar a Costa Rica e de um gol na prorrogação para passar pelo Haiti, na semifinal. 

Os EUA deveriam ter aberto o placar, no começo do primeiro tempo, mas falharam na hora das finalizações. Altidore deu um lindo passe para Pulisic, que entrou voando na área, Salcedo comendo poeira e, cara a cara com Ochoa, chutou em cima do goleiro mexicano. Aos oito minutos, Altidore recolheu o lançamento da defesa, deu um lindo drible em Héctor Moreno e, em ótima posição, chutou cruzado, fraco e rasteiro. Mas tirou demais do gol e mandou para fora. 

Apesar de ser a principal fonte de perigo dos EUA, Altidore foi substituído por Gyasi Zardes, por volta dos 20 minutos do segundo tempo, altura em que o México já dominava a partida. Terminou-a com 58% de posse de bola e mais finalizações, embora a maioria – 9 de 12 – tenha sido para fora. Os americanos bateram a gol sete vezes e acertaram a casinha apenas duas. Não foi um jogo de boa pontaria. 

O gol da vitória mexicana saiu aos 27 minutos da etapa final. E foi muito bonito. O passe veio da direita. Jiménez dominou e deixou de calcanhar para Jonathan dos Santos pegar de primeira. Com a canhota, o jogador do Los Angeles Galaxy enviou a bola no ângulo de Zack Steffen e balançou as redes pela única vez na partida. Bastou ao México resistir à leve pressão americana nos minutos finais para ganhar o direito de gritar campeão.