O Vasco conseguiu fazer valer seu mando de campo para sair em vantagem contra o Lanús nas oitavas de final da Copa Libertadores. Com um gol de oportunismo de Alecsandro e outro de placa de Diego Souza, os cruzmaltinos asseguraram a vitória por 2 a 1, apesar do sufoco sofrido durante parte do segundo tempo em São Januário. O jogo de volta, em Buenos Aires, acontece na próxima quarta-feira e os vascaínos podem empatar que se classificam.

O início da partida contou com o Vasco mais solto em campo, se impondo no canto ofensivo. Entretanto, faltava maior criatividade aos cariocas na construção das jogadas, com as conclusões restritas apenas a chutes de fora da área. Aos 12 minutos, Juninho Pernambucano achou espaço e soltou a bomba para fora. Pouco depois, foi a vez de Diego Souza parar nas mãos de Agustín Marchesín.

Apostando em ataques rápidos, o Granate assustou aos 24 minutos. Diego Valeri saiu de frente para o gol e Fernando Prass conseguiu salvar o lance. E foi em um contragolpe na sequência que o Vasco conseguiu abrir o placar. Eder Luis avançou pela direita e cruzou na medida para Alecsandro, que completou de coxa para marcar.

O Lanús esboçou sair mais para o jogo depois do tento, mas não encontrava muitas brechas na defesa cruzmaltina. Aos 39, Alecsandro perdeu boa oportunidade, chutando em cima do goleiro. Mas, quatro minutos depois, Diego Souza exibiria o máximo de sua habilidade para anotar o segundo gol do Vasco. Após boa jogada coletiva, o meia dominou na entrada da área, aplicou um lençol no zagueiro e fuzilou para assinar a pintura.

Os cariocas passaram por um grande susto no início do segundo tempo, quando o árbitro marcou um pênalti e depois voltou atrás, quando percebeu o impedimento de Regueiro. Depois disso, os vascaínos seguiram mais perigosos, com Thiago Feltri e Juninho, cobrando falta, exigindo duas grandes intervenções de Marchesín.

Os argentinos conseguiram reduzir a diferença aos 17 minutos. Valeri cruzou da esquerda e Fagner deixou Mario Regueiro livre na área, com tempo para dominar no peito e chutar forte para vencer Fernando Prass. Pouco tempo depois, Regueiro ainda desperdiçaria o empate, errando o chute em lance no qual o goleiro vascaíno estava fora do gol.

Somente aos 23 é que o Vasco respiraria novamente, com Marchesín fazendo milagre em chute de Eder Luis. Ainda assim, o Lanús seguia insistindo, com Regueiro perdendo nova oportunidade clara, em arremate por cima do travessão. Em ritmo mais lento, os cariocas controlavam o andamento da partida e quase chegaram ao terceiro, em falta batida por Juninho, aos 35. Nos minutos finais, os argentinos tiveram mais duas oportunidades, ainda que a pontaria não tenha ajudado.