Nenhum dos jogadores que entraram em campo, na noite da última terça-feira, representando o Canadá havia nascido na última vez que a seleção derrotara os Estados Unidos, em 1985, em uma partida competitiva de futebol masculino, o que dá a magnitude da vitória por 2 a 0, alcançada com gols de Alphonso Davies e Lucas Cavallini, no BMO Field de Toronto, pela Liga das Nações da Concacaf.

O tabu de 34 anos, informa a Associated Press, englobava 17 partidas e há quatro, desde 2007, os americanos não haviam sequer levado um gol do vizinho do norte. O treinador do time canadense John Herdman havia identificado a oportunidade. No aquecimento, disse que trataria a partida como uma “final de copa” e que era o jogo que eles estavam esperando “há 10 ou 15 anos”.

Dificilmente um adversário poderia esperar um momento mais favorável para derrotar os Estados Unidos. Ainda lambendo as feridas da derrota para Trinidad e Tobago que a tirou da Copa do Mundo de 2018, a seleção americana ainda não encontrou um rumo. Gregg Berhalter, ex-treinador do Columbus Crew, foi contratado em dezembro do ano passado, e já está sob pressão.

Seu primeiro teste de verdade foi a Copa Ouro. Chegou à final, o que é mais ou menos obrigação aos Estados Unidos. Americanos ou mexicanos estiveram em todas as finais da competição, muitas vezes juntos. Perdeu do México, por 1 a 0, e dois meses depois, em Nova Jérsei, perdeu de novo, naquela vez por 3 a 0.

A goleada por 7 a 0 sobre Cuba fez pouco para passar confiança, especialmente porque Davies, aos 18 minutos do segundo tempo, apareceu na segunda trave para abrir o placar aos canadenses, depois de uma série de pixotadas da defesa americana. Nos acréscimos, Cavallini, jogador do mexicano Puebla, fechou o placar.

O resultado é importante para o Canadá além do simbolismo. Coloca-o em boa posição. A Liga das Nações da Concacaf tem três participantes por grupo e apenas o primeiro colocado passa à semifinal. Neste momento, esse lugar é ocupado pelo Canadá, com 100% de aproveitamento e nove pontos.

Os Estados Unidos têm três, com um jogo a menos, e precisam vencer o confronto direto de 15 de novembro, em casa. E depois, derrotar Cuba na rodada final, prestando atenção ao saldo de gols, que atualmente está em quatro a favor dos canadenses.

De qualquer maneira, a vitória valeu pontos importantes para o Canadá subir no ranking da Fifa, que será bizarramente utilizado para determinar os participantes do hexagonal das Eliminatórias da Concacaf para a Copa do Mundo de 2022. O país está atualmente em sétimo lugar no seu continente, muito próximo de El Salvador e Honduras e pode chegar à fase final pela primeira vez desde 1997.

.

.