Ao longo de toda sua curta carreira, mas especialmente nos últimos meses, Marcus Rashford tem feito um esforço bacana para se conectar com suas raízes e reforçar a imagem de garoto local no Manchester United. A última ação do tipo, em especial, foi bastante elogiável: angariar fundos para bancar a alimentação gratuita de mais de 400 mil crianças na área da Grande Manchester.

Como é comum em diversos países, e como bem sabemos no Brasil, algumas crianças têm poucas refeições ao dia, e os pratos gratuitos que recebem em suas escolas são de grande importância à sua alimentação. Em Manchester, não é diferente, e isso acaba sendo um dos diversos problemas a serem enfrentados em meio à pandemia do novo coronavírus. Com as escolas fechadas, muitas crianças que precisam dessa comida acabam ficando sem uma de suas poucas refeições do dia.

Disposto a mudar isso, Marcus Rashford fez uma parceria com a FareShare, instituição de caridade que distribui comida na Grande Manchester, para tentar levantar £ 100 mil, o que seria suficiente para alimentar 400 mil crianças da região, segundo o jogador.

Rashford lembra de sua própria infância para estimar a importância dessas refeições escolares. E foi por meio dessa experiência que ele soube imediatamente que precisaria se mexer para oferecer uma alternativa à sua comunidade.

“No passado, já fiz muitos trabalhos em relação às crianças. E, quando ouvi sobre as escolas fechando, sabia que isso significava que algumas crianças não receberiam as refeições gratuitas da escola. Lembro que, quando estava na escola, eu recebia as refeições gratuitas, e a minha mãe não chegava em casa antes das 18h, então minha refeição seguinte era só por volta das 20h. Eu tive sorte, e existem crianças em situação muito mais difícil e que não têm refeições em casa”, ponderou, em entrevista à BBC.

O atacante de 22 anos avalia que sua geração teve “várias influências positivas e negativas”, e ele quer trazer o melhor lado de si para influenciar os mais jovens: “Estou apenas tentando impactar a próxima geração de forma positiva. Fizemos nosso melhor, com as pessoas doando. Chegamos à marca de £ 100 mil, o que significa que conseguimos alimentar 400 mil crianças, então tem sido (uma experiência) muito positiva”.

Como parte da mobilização que fez nas redes sociais, Rashford se comprometeu a participar de uma sessão de perguntas e respostas por meio do veículo Bleacher Report, algo que foi pedido por seus seguidores no Twitter.

Em uma outra entrevista, desta vez à Sky Sports, Rashford falou ainda sobre como anda sua recuperação. Lesionado e fora de ação desde janeiro por um problema nas costas, o atacante disse estar se sentindo muito melhor agora. “Em comparação com duas ou três semanas atrás, me sinto dez vezes melhor. Agora, é me preparar para voltar a treinar e a jogar com o time”, projetou, embora isso deva demorar um longo tempo, devido à paralisação.

O atacante recebeu nesta segunda-feira a liberação da comissão médica do Manchester United para intensificar sua reabilitação depois dos últimos exames que fez. Antes da lesão, o atacante era o destaque da equipe na temporada, tendo marcado 14 gols em 22 partidas na Premier League 2019/20.