A semana na Copa Libertadores começou em plena tarde de terça-feira. Mas não julgue pelo calendário, pelas camisas envolvidas ou pelo estádio vazio. Deportes Iquique e Zamora proporcionaram um jogaço em Calama. Favoritos, os chilenos abriram o placar  e pareciam prontos para uma vitória fácil. No entanto, cederam a virada aos venezuelanos no segundo tempo. Isso até que a loucura tomasse conta do Estádio Zorros del Deserto a partir dos 37 minutos da etapa final: foram quatro gols, com o empate do Iquique, o terceiro do Zamora e a virada dos anfitriões nos acréscimos. O triunfo por 4 a 3, no fim das contas, coloca os celestes na briga pela classificação no Grupo 8, perseguindo Grêmio e Guaraní.

Com uma avenida aberta à sua frente, Álvaro Ramos deixou o Deportes Iquique em vantagem aos 14 minutos do primeiro tempo. A equipe manteve a liderança no placar até o intervalo, com direito a um gol anulado e milagres do goleiro venezuelano Carlos Salazar. Contudo, o Zamora iniciaria sua reação aos cinco minutos do segundo tempo, em cobrança de pênalti de Ricardo Clarke. E a virada se consumaria em contra-ataque fulminante puxado por Erickson Gallardo. Pressionando, o Iquique só empataria aos 37, em cabeçada do volante Rafael Caroca, ex-Colo-Colo. Nada que durasse muito, diante do terceiro tento dos visitantes três minutos depois, em belíssimo lance de Anthony Uribe, tabelando e entortando a marcação.

Ainda assim, não seria o balde de água fria que acabaria com a vontade do Deportes Iquique. O resultado era mais do que necessário para manter as pretensões da equipe na Libertadores. Aos 47, Caroca apareceu outra vez, acertando um chutaço de fora da área. O Zamora tentou gastar o tempo, mas a cera dos venezuelanos forçou o árbitro a conceder um minuto a mais nos acréscimos. Tempo suficiente para a nova reviravolta no marcador, aos 50. Após acertar a trave, Diego Bielkiewicz aproveitou o rebote para anotar o quarto tento chileno.

O Iquique chega aos seis pontos no Grupo 8, um a menos que Guaraní e Grêmio. Embora tenha vencido apenas o adversário mais fraco da chave, a esperança se mantém aos celestes, que fazem papel digno também no Campeonato Chileno, ocupando a terceira colocação. Se a raça desta terça se repetir, dá para sonhar com os mata-matas, especialmente na disputa com os paraguaios.