Raríssimas partidas já realizadas na Premier League são tão ricas em histórias e com tantas reviravoltas quanto o Brighton 2×3 Manchester United do Estádio Amex. O embate deste sábado poderia ser contado, a princípio, pela falta de sorte dos anfitriões. As Gaivotas acertaram CINCO bolas na trave ao longo do jogo, numa atuação claramente superior. Mesmo assim, os Red Devils foram mais eficientes e tinham a vitória por 2×1 nas mãos, graças a um gol deslumbrante de Marcus Rashford. O destino, a vinte segundos do fim, parecia fazer justiça ao conceder pelo menos o empate por 2×2 ao Brighton. Mas nem com os acréscimos estourados e o apito final já soado a partida se encerrou. O árbitro flagrou um pênalti ao United através do VAR e a cobrança, por incrível que pareça, foi efetuada depois do término do jogo. Foi então que Bruno Fernandes determinou a inacreditável primeira vitória da equipe nesta Premier League. Ole Gunnar Solskjaer extrapolou o Fergie Time, que ele tantas vezes concretizou em campo.

O começo do Brighton na partida seria excelente. As Gaivotas trancavam os espaços na defesa e maltratavam o United na base da velocidade, com a defesa vermelha bastante fragilizada. E o drama das bolas na trave começaria aos nove minutos, num passe de Solly March para Leandro Trossard, que carimbou a base do poste de David de Gea num chute cheio de efeito. O lance até recebeu uma resposta dos Red Devils, que tentavam infiltrar no paredão adversário e deram alguns sustos. Mas nada comparado ao que o Brighton fazia.

Aos 21, seria a vez de Trossard tentar o chute cruzado e triscar a trave. A aceleração dos anfitriões atordoava a defesa adversária, especialmente pela movimentação que existia das pontas para o centro da área. E a terceira bola na trave aconteceu aos 30, numa bola levantada. Adam Webster cabeceou e De Gea estava na bola, dando um leve desvio antes da batida no travessão. O desastre do Manchester United se adiava, e o time até comemorou indevidamente um gol, corretamente anulado por impedimento aos 33. Um breve respiro até que as Gaivotas merecidamente saíssem em vantagem.

O primeiro gol do Brighton aconteceu a partir de um pênalti cometido por Bruno Fernandes sobre Tariq Lamptey, aos 38. Neil Maupay cobrou com uma cavadinha marrenta e De Gea nem na foto saiu. A sorte, neste momento, voltaria a sorrir ao Manchester United. O empate saiu instantes depois. Bruno Fernandes cobrou uma falta lateral, Nemanja Matic evitou que a bola saísse e Harry Maguire disputou na pequena área para mandar às redes, apesar do desvio final ser de Lewis Dunk. Não era um placar imaginado por aquilo que se desenrolou em campo, mas os Red Devils iam um pouco mais tranquilos ao intervalo.

No segundo tempo, o Brighton teve um pênalti marcado a seu favor logo aos dois minutos, mas o árbitro Chris Kavanagh conferiu o lance no vídeo e corretamente anulou a marcação. E o VAR voltaria a intervir aos sete minutos, quando Rashford teoricamente anotou o gol da virada do Manchester United, mas estava impedido. Era só um aperitivo ao que seria a etapa complementar. Quando estava valendo, para não deixar dúvidas, Rashford anotou um gol soberbo para realmente decretar a virada dos Red Devils.

O lance começou com um passe cirúrgico de Bruno Fernandes, a partir do campo de defesa. Rashford dominou em velocidade e invadiu a área. A arte está na maneira como fez de bobo seu marcador, Ben White. O jovem zagueiro tomou dois cortes desconcertantes, antes que o atacante finalizasse com força rumo às redes. Não era uma boa atuação do United, mas a precisão dos Red Devils em suas chegadas fazia toda a diferença. Não dava para dizer o mesmo sobre o Brighton.

Aos 15, não perca a conta, o Brighton acertou a trave pela quarta vez. March buscou o canto em ótimas condições, mas de novo De Gea se viu salvo pelo poste. Por aquilo que vinha sendo o jogo e pelo próprio placar, as Gaivotas permaneceram em cima e davam as costas aos contragolpes, mas conseguiam travar o United. Além disso, aproveitavam muito bem a avenida pelo lado esquerdo. Faltava acertar o pé, e isso não acontecia enquanto a trave permanecia no caminho. De forma inacreditável, aos 30, Tossard estalou o metal pela quinta vez. A bomba estremeceu a meta de De Gea, mas não entrou.

Depois disso, o Brighton até exagerou na força em alguns arremates, em sua incessante tentativa de empatar. A perseverança precisou se manter até o último minuto dos cinco de acréscimos dados pela arbitragem. De Gea já tinha feito uma defesaça à queima-roupa contra Trossard, até que o gol finalmente saísse com March. Alireza Jahanbakhsh cruzou da esquerda e o ala apareceu livre do outro lado, apenas para escorar. Como o gol saiu no minuto final, o árbitro resolveu dar mais um de acréscimos. O United renasceu.

March salvou uma cabeçada de Harry Maguire que tinha endereço e o árbitro apitou o final da partida. Porém, houve um desvio no braço de Maupay na jogada. O VAR chamou para revisão e, como permitido pela regra se os jogadores ainda não tiverem saído de campo, o Manchester United pôde cobrar a penalidade. Bruno Fernandes pegou a bola e mandou para dentro. Os jogadores do Brighton ainda tentaram questionar o árbitro, mas sem razão na reclamação. Apesar de toda a confusão, Chris Kavanagh acertou em suas marcações.

O Manchester United volta para casa com uma vitória emocionante e inesquecível, mas que não deve reprimir as críticas a uma equipe que novamente se defendeu muito mal. Foi impressionante a maneira como a velocidade do Brighton desmontava a zaga vermelha. Um bocado de sorte fez toda a diferença. Já as Gaivotas, na sequência do bom trabalho de Graham Potter, mostraram muitos recursos. Trossard foi quem mais causou pesadelos aos adversários. Mas não irá dormir, depois de suas três bolas na trave, o mais infeliz da tarde.

O Manchester United vence a primeira, após a derrota na estreia, e chega aos três pontos na Premier League. A pontuação é a mesma do Brighton, que havia derrotado o Newcastle na rodada anterior, mas vê a tabela difícil atravancando seu início de campanha. Não é isso que deve atrapalhar a confiança das Gaivotas por aquilo que mostram.

Brighton x Manchester United (Fonte: WhoScored)

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore