Com Camavinga, de apenas 17 anos, primeira convocação da França em 2020 traz rostos novos

Estamos já no final de agosto, mas, devido à pandemia do Coronavírus, apenas agora começamos a ver as primeiras convocações de seleções em 2020. Depois de a Espanha anunciar seu grupo para os primeiros jogos da Liga das Nações 2020/21, assim como a Alemanha, agora foi a vez da França. A exemplo da Roja e da equipe de Joachim Löw, a seleção francesa traz novidades em seu elenco, a principal delas Eduardo Camavinga, destaque do Rennes de apenas 17 anos.

[foo_related_posts]

Inicialmente, Paul Pogba ocuparia esta vaga na primeira convocação do ano, mas Didier Deschamps revelou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (27) que o jogador do Manchester United foi diagnosticado com Covid-19 e, portanto, estaria fora da lista. Este é também o caso de Tanguy Ndombele, do Tottenham.

É interessante ver que Deschamps tenha então direcionado seu olhar para um talento em ascensão, mas ainda tão jovem quanto Camavinga. Aos 17 anos, o meio-campista do Rennes tem apenas uma temporada completa com a camisa do Stade Rennais, mas já fez o suficiente para ter seu nome falado internacionalmente e especulado nos corredores de grandes clubes europeus, mais notavelmente os do Real Madrid.

Camavinga, no entanto, não é a única novidade na chamada de Deschamps. Dois outros atletas ganham suas primeiras chances na seleção principal: Houssem Aouar e Dayot Upamecano.

Houssem Aouar, uma estrela da base do Lyon: 22 anos e muito futebol (Twitter/Uefa)

O primeiro defende o Lyon e já tem aumentado sua reputação há algumas temporadas. Com a campanha de destaque dos lyonnais, chegando à semifinal da Champions League e sendo eliminados apenas pelo Bayern de Munique, que viria a ser o campeão, Aouar ficou ainda mais em evidência. Em uma equipe que, nesta reta final de Liga dos Campeões, avançou graças ao seu trabalho coletivo, Aouar é um dos nomes que se destaca também individualmente, com sua capacidade de driblar, se posicionar bem e encontrar espaços com criatividade.

Já Dayot Upamecano, mesmo com apenas 21 anos de idade, vem de alguns anos de consistência e destaque na Bundesliga, mas alçou seu nome ao grande público europeu também graças à campanha mais recente na Champions League. Mostrando-se um zagueiro seguro, de bom controle de bola, saída para o ataque e passes precisos para fazer avançarem as linhas, o defensor do RB Leipzig conquistou o entusiasta da Liga dos Campeões sobretudo por sua atuação irrepreensível contra o Atlético de Madrid, nas quartas de final.

Dayot Upamecano acumula passagens pelas seleções de base da França (Getty Images)

Embora não sejam exatamente novidades, outros dois nomes da lista de Deschamps revelada nesta quinta-feira merecem menção: Adrien Rabiot volta a ser convocado depois de mais de dois anos. O meia da Juventus, então no PSG, havia sido chamado para a lista de suplentes ao grupo principal da seleção francesa para a Copa de 2018 e recusou o convite, por ter achado que merecia estar já no elenco final que disputaria o Mundial.

“Seguimos o acompanhando, ele reencontrou um nível muito bom. O que aconteceu já está no passado, não podemos voltar atrás. Mas, vocês sabem, eu não gosto de tomar decisões radicais. Ele seguia selecionável, e tomei a decisão de trazê-lo de volta conosco”, explicou Deschamps em sua entrevista coletiva.

Assim como Rabiot, outro que não figurava na seleção francesa há mais de dois anos e que agora volta aos Bleus é Anthony Martial. O atacante jogou sua última partida pela França em março de 2018, ficando de fora das convocações desde então não por causa de algum problema de relacionamento, mas devido a algumas lesões e principalmente à alta concorrência por lugares no ataque francês. Entretanto, seu nível na temporada 2019/20 não pôde ser ignorado.

Martial vem de sua melhor campanha individual desde que se juntou ao Manchester United em 2015. No combinado de todas as competições, o francês balançou as redes 23 vezes, terminando como artilheiro do clube em 2019/20.

Anthony Martial, do Manchester United (Michael Regan/Getty Images/OneFootball)

Nome constante nas chamadas de Deschamps, Blaise Matuidi ficou de fora desta vez. O treinador explicou que sua ausência se deveu ao momento de transferência de clubes pelo qual o meia passa, indo da Juventus ao Inter Miami. Apesar disso, Deschamps reconheceu, sim, que agora “será mais complicado” para Matuidi ser chamado, devido ao menor nível de exigência técnica de seu novo campeonato, a MLS.

A lista completa com os 23 nomes convocados pode ser conferida a seguir. O grupo se reunirá a partir da próxima segunda-feira (31) para se preparar para as duas primeiras rodadas da fase de grupos da Liga das Nações 2020/21: a França enfrenta a Suécia em 5 de setembro e encara depois a Croácia, em 8 de setembro.

Convocação da França para primeiros jogos da Liga das Nações 2020/21

Goleiros

Hugo Lloris (Tottenham), Mike Maignan (Lille) e Steve Mandanda (Olympique de Marseille.

Defensores

Lucas Digne (Everton), Léo Dubois (Lyon), Lucas Hernández (Bayern de Munique), Presnel Kimpembe (Paris Saint-Germain), Clément Lenglet (Barcelona), Ferland Mendy (Real Madrid), Dayot Upamecano (RB Leipzig) e Raphaël Varane (Real Madrid).

Meio-campistas

Houssem Aouar (Lyon), Eduardo Camavinga (Rennes), N’Golo Kanté (Chelsea), Steven Nzonzi (Rennes), Adrien Rabiot (Juventus) e Moussa Sissoko (Tottenham).

Atacantes

Wissam Ben-Yedder (Monaco), Olivier Giroud (Chelsea), Antoine Griezmann (Barcelona), Jonathan Ikoné (Lille), Anthony Martial (Manchester United) e Kylian Mbappé (Paris Saint-Germain).