Na última semana, a Eredivisie entrou em um acalorado debate sobre a continuidade de sua temporada. Já nesta segunda, amainando um pouco os ânimos, uma boa iniciativa foi anunciada pela KNVB – a federação dos Países Baixos. Ao lado dos jogadores das seleções masculina e feminina, bem como do principal patrocinador da Oranje, a entidade disponibilizará uma doação de €11 milhões para auxiliar os clubes durante a crise. Metade deste montante será direcionado aos amadores, enquanto outra metade ficará com os profissionais.

“Além do enorme impacto na saúde pública, a atual crise do coronavírus também leva a problemas financeiros quase todos os setores. Isso também se aplica aos clubes de futebol. Os jogadores da Oranje, a patrocinadora ING e a KNVB estão cientes disso e, conjuntamente, apresentam um pacote de apoio financeiro aos clubes. As doações dos futebolistas e da ING focam no futebol amador, enquanto a KNVB oferece seu apoio aos clubes profissionais e às associações amadoras”, explicou a federação, em seu comunicado.

Conforme a KNVB, o dinheiro aos clubes amadores estará disponível para cobrir os custos fixos. A federação adicionará dinheiro de seus próprios recursos ao pacote. A intenção é reforçar a posição financeira desses times, enquanto a maior parte de suas receitas desapareceram com a suspensão das competições. Há em atividade no país mais de 3 mil associações e 1,2 milhão de jogadores, que dependerão dessa doação.

A ING, especificamente, já apoia 500 equipes amadoras. Além de manter tal suporte, a seguradora também espera que a doação ajude a sustentar os demais times – especialmente os que dependem de pequenos patrocinadores, igualmente em crise. Anteriormente, a companhia já havia apresentado um programa de incentivo ao futebol feminino nos Países Baixos, abarcando desde as categorias de base.

Já aos clubes profissionais, a KNVB pretende acelerar a cessão de fundos e suspender o pagamento de algumas dívidas que as agremiações possuem com a própria federação. A entidade ainda declarou esperar a solidariedade dos times ao redor do país, dos menores ao maiores, para fortalecer as competições profissionais ao longo da crise e manter a atratividade do futebol local.

“Jogamos futebol em todo o mundo, nos estádios mais bonitos. As maiores partidas e as melhores competições. Mas você nunca se esquece de onde começou, nossos velhos clubes amadores. Há memórias maravilhosas. Agora, o futebol amador precisa de uma mão amiga. Estamos felizes por poder retribuir neste momento difícil, para que os jogadores de hoje também tenham um futuro brilhante”, declarou Virgil van Dijk, capitão da seleção masculina.

Visão complementada por Sari van Veenendaal, capitã e goleira da seleção feminina: “Nosso grito antes de um jogo internacional é: ‘Leoas Laranjas fortes e unidas’. Agora, essa mensagem é importante fora de campo. Estou feliz que possamos também fazer nossa parte e trabalharmos literalmente juntos”. A importância do ato é evidente, sobretudo pela preocupação com a base do futebol local.