A Itália demorou a reagir de maneira enérgica contra os primeiros casos de coronavírus e, neste momento, sente as consequências drásticas da pandemia. Até a tarde desta segunda-feira, o país superou os 27,9 mil diagnosticados, com o número alarmante de 2,1 mil mortos diretos pelo vírus – sem contar os que sofrem pelo sobrecarregado sistema de saúde. E, quando a prioridade no momento é proteger a população, os clubes italianos tomam medidas para que o futebol seja mantido em segundo plano durante as próximas semanas.

Nesta segunda-feira, dirigentes dos 20 clubes da Serie A realizaram uma reunião extraordinária por videoconferência. Eles determinaram que 9 de maio será o prazo máximo para retomar o campeonato, ampliando a data limite anteriormente estipulada em 3 de abril – até quando a paralisação determinada pelo Comitê Olímpico Italiano vigora. A mudança de projeção se dá por conta da escalada no número de pacientes do coronavírus no país.

Caso a Serie A possa ser retomada até 9 de maio, os clubes já admitem a possibilidade de atuar em julho. Para tanto, a Eurocopa deverá ser suspensa. A Uefa tem uma reunião marcada para esta terça-feira, quando discutirá o assunto. Através de seu presidente Gabriele Gavrina, a  federação italiana encabeça justamente o pedido para que a Euro 2020 seja adiada. Segundo o cartola, o futebol de clubes deve ser colocado em primeiro plano neste momento emergencial, à frente do futebol de seleções.

A federação italiana irá se reunir com os clubes da Serie A no próximo 23 de março. A entidade proporá diferentes medidas para a conclusão do campeonato. Existem três propostas principais: deixar o título da temporada vago, homologar a tabela como está ou realizar mata-matas. A criação de mata-matas, todavia, já teria sido rejeitada pelos times, conforme informação da Gazzetta dello Sport. A mudança da data limite para a retomada da Serie A também pode adiar a decisão a ser tomada em conjunto com a federação.

Outra questão central está no contrato dos jogadores. Durante a videoconferência desta segunda, os clubes concordaram que os atletas com vínculo até o final de junho receberão propostas de renovação mais curta até o fim do campeonato – inclusive aqueles cedidos por empréstimo. No entanto, a discussão será retomada pelos dirigentes com mais detalhes nos próximos dias, caso o campeonato realmente adentre em julho.

Até o momento, três clubes da Serie A anunciaram jogadores que testaram positivo para o coronavírus: Juventus, Fiorentina e Sampdoria. Enquanto a Juve permanece com Daniele Rugani como único confirmado, a Viola teve três casos – Dusan Vlahovic, Germán Pezzella e Patrick Cutrone. Já o cenário mais drástico é o da Samp, que preferiu não fornecer mais atualizações ante o número crescente no clube. São sete atletas que se manifestaram sobre o assunto, a começar pelo atacante Manolo Gabbiadini.