Com 4 anos de atraso, a ESPN acertou previsão sobre Rossi

Cortado da Copa de 2010 e depois de enfrentar sérias lesões no joelho, Giuseppe Rossi ressurge como ótima opção à Itália rumo ao Brasil em 2014

Às vésperas da Copa do Mundo de 2010, a Revista ESPN americana resolveu apresentar a ‘melhor esperança dos Estados Unidos no Mundial’. Uma brincadeira com o fato de Giuseppe Rossi ter nascido em Nova Jersey, mas que esteve longe de se concretizar. O atacante sequer viajou à África do Sul, cortado por Marcello Lippi na convocação final da seleção italiana. Pior, o US Team foi mais longe na Copa do que a Azzurra. E, a partir de então, Rossi passou a viver um inferno em sua carreira, parado por duas temporadas inteiras após graves lesões no joelho.

Nada como outro Mundial para que o atacante renovasse suas esperanças. Rossi voltou a atuar com frequência a menos de um ano da competição da Fifa. E parece pronto a concretizar a previsão feita pela revista anos atrás. Uma boa mostra disso veio nesta segunda-feira. A Itália não passou de um empate por 2 a 2 no amistoso contra a Nigéria. Mas, se o resultado não tão bom, jogador da Fiorentina aproveitou para mostrar como pode ser útil a Cesare Prandelli.

Rossi foi o destaque em uma seleção cheia de jogadores testados. Anotou o primeiro tento dos italianos, aproveitando passe açucarado de Balotelli, e também participou da construção do segundo gol, marcado por Emanuele Giaccherini. Em um sistema com dois atacantes, como o utilizado por Prandelli contra os africanos, o americano é bastante funcional. Além disso, também pode ser uma referência de maior mobilidade nas partidas em que o treinador optar por três homens de frente, como também tem feito nos últimos tempos.

Por combinar movimentação e poder de finalização, Rossi se encaixa muito bem com Mario Balotelli. Não é a melhor opção em jogos que necessitem de presença física, mas é perfeito ao estilo proposto pela Azzurra, dando ênfase às transições em velocidade. E a ótima fase na Fiorentina, com 11 gols em 12 jogos pela Serie A, impulsiona ainda mais sua presença.

Se houve um setor da seleção onde Prandelli teve dores de cabeça nos últimos tempos, foi no ataque. Não por Balotelli, absoluto como referência ofensiva, mas pela dificuldade em achar seu parceiro ideal. Nos últimos tempos, vários nomes ganharam chances, sem convencer muito: Osvaldo, El Shaarawy, Giovinco. Não à toa, os veteraníssimos Francesco Totti e Antonio Di Natale voltaram a ser cogitados. Rossi é uma solução que cai no colo da Azzurra, não apenas por voltar a atuar, mas por ir logo arrebentando. E tem tudo para ser uma peça importante no elenco que virá ao Brasil em 2014.

Giuseppe Rossi comemora seu gol contra a Nigéria (AP Photo/Sang Tan)
Giuseppe Rossi comemora seu gol contra a Nigéria (AP Photo/Sang Tan)