Muita gente acha que Louis van Gaal é uma prima-dona, alguém que adora os holofotes. E é mesmo. A questão é que ele sabe o momento de aproveitá-los. O atual certamente não é um deles: afinal, assume a seleção da Holanda num período de baixa na carreira. Sendo assim, pouco se viu/ouviu/leu do cidadão que completa 61 anos daqui a cinco dias falar a respeito de seu novo desafio. As únicas ocasiões públicas em que ele apareceu foram dois programas de televisão: o “London Late Show”, da emissora NOS, mesa-redonda sobre os Jogos Olímpicos, direto de onde ocorrem, e outro, na emissora RTV Rijnmond.

No primeiro deles, Van Gaal repetiu o que já dissera quando foi contratado: “É um desafio maravilhoso. Fiz de tudo para que isso fosse possível, e mostrarei isso em minha apresentação. Deu errado na primeira vez, mas sempre tive o desejo de voltar a participar de uma Copa ou Eurocopa. Esta é a chance que tenho para poder fazê-lo.” No segundo, já antecipou a linha da sua convocação: “Não haverá grandes surpresas. Na minha opinião, o técnico da seleção precisa escolher os melhores jogadores holandeses. E Bert van Marwijk fez isso. Acho que ele teve uma visão muito boa do futebol holandês. Talvez, haja uma ou duas revelações, mas haverá conhecidos.”

E, de fato, a pré-lista anunciada de 32 jogadores para o amistoso contra a Bélgica, em 15 de agosto, mostra poucas novidades. Dos 23 jogadores que estiveram na Eurocopa, apenas Mark van Bommel e Wilfred Bouma não estão presentes – pouco surpreendente, já que os colegas de PSV têm idade avançada (Bouma, 34; Van Bommel, 35) e não devem mais vestir a camisa laranja. Até mesmo Mathijsen, Boulahrouz e Kuyt, que não são mais garotos, também foram chamados, e devem ficar na relação final dos 23 que podem entrar em campo no dia 15, em Bruxelas.

Ainda assim, é errado dizer que a lista de Van Gaal contém mais do mesmo. Porque Louis anunciou alguns nomes que ainda não passam de promessas entre os 32. Dos melhores jogadores do Feyenoord na última temporada, o meio-campista Jordy Clasie foi chamado merecidamente. Ainda sofrendo com certa inconstância no Ajax, Ricardo van Rhijn também foi selecionado, quem sabe para a reserva do colega Van der Wiel. Destinado a ser o principal zagueiro do Feyenoord após a saída de Ron Vlaar (também convocado, por sinal), Stefan de Vrij é outra promessa que o treinador decidiu observar mais proximamente.

Ainda assim, todos esses citados sequer jogaram partidas pela seleção profissional – Clasie e Van Rhijn, aliás, sequer atuaram em equipes nacionais de base. São atletas que provavelmente serão cortados no anúncio da lista final, em 10 de agosto. Mas vários novatos que também foram chamados deverão ter a chance de, quem sabe, atuar no amistoso. O principal deles é Bas Dost. Vindo da melhor temporada de sua carreira no Heerenveen, o atacante de 21 anos deu o salto necessário, ao transferir-se para uma liga mais respeitável, e espera-se pelo que ele poderá fazer no Wolfsburg.

A convocação para a Oranje pode servir de motivação maior ainda para Dost. Contra si, atuam dois fatos: ele disputa posição com Huntelaar e Van Persie, que ainda têm crédito, a despeito das péssimas atuações na Euro. Além disso, Dost, definitivamente, tem técnica limitada, sendo o típico “grosso que faz gol”. Mas, caso seja convocado em definitivo, entre no amistoso e faça algo útil (e, claro, justifique chamadas posteriores pelo desempenho no Wolfsburg), Dost será nome certo nas primeiras rodadas das eliminatórias para a Copa de 2014.

Outro nome novo que aparecerá mais vezes nas convocações de Van Gaal será Siem de Jong. Se o irmão Luuk já conseguiu a transferência para o Borussia Mönchengladbach, o meia-atacante do Ajax não faz por menos. Além de ter estilo de jogo semelhante – técnico, pode tanto armar como finalizar, sem prejuízo do rendimento -, Siem tem uma característica de muito valor: cresce em jogos decisivos, chama a responsabilidade neles. Vem de duas temporadas ótimas no Ajax, e começou muito bem nos amistosos de preparação para esta Caso mantenha o protagonismo no bicampeão holandês, Siem não só será convocado. Mas certamente estará em um grande centro do futebol europeu. E poderá até ser mais testado no meio-campo da Oranje.

Há ainda Nick Viergever, zagueiro que forma boa dupla com Niklas Moisander, no AZ, e que até fez parte da pré-convocação para a Euro. Assim como Vurnon Anita e Adam Maher, que também são destaques em seus times e deverão ser mais observados. E mesmo Jetro Willems, que saiu chamuscado da eliminação da primeira fase, deve ser criticado com parcimônia, pois tem 18 anos, algum potencial e uma carreira inteira pela frente.

Ainda haverá os treinos, lógico. E é só um amistoso, muitas convocações virão por parte de Van Gaal. Mas, por ser o único antes do início da campanha holandesa nas eliminatórias para 2014 (7 de setembro, contra a Turquia), cabe ver nele quem começará a ser escolhido para introjetar na Oranje o sangue novo de que ela anda precisando, após o fiasco em Ucrânia/Polônia.

Dramas que se solucionam

O Anderlecht começou a temporada 2012/13 do Campeonato Belga como campeão. Mas isso não foi suficiente para que a vitória viesse contra o Kortrijk. Aliás, o KvK é que esteve mais próximo da vitória no estádio Guldensporen: só aos 37 minutos do segundo tempo é que o capitão Olivier Deschacht conseguiu o duro empate por 1 a 1 – que até poderia ser vitória, não fosse Mbokani ter perdido um pênalti, defendido pelo sul-africano Darren Keet, em seu primeiro lance no jogo, substituindo o expulso Kristof van Hout.

Mas tudo se resolveu. Para o Anderlecht, que destroçou o Ekranas-LIT no jogo de ida da terceira fase preliminar da Liga dos Campeões (5 a 0, no Parc Astrid), deixando a vaga nos play-offs muito bem encaminhada. Para Van Hout, que acertou sua transferência para o Racing Genk. E até para este, que também ganhou, do Aktobe-CAZ (2 a 1), na ida da terceira fase preliminar da Liga Europa.

Vitória necessária, porque a moral de alguns jogadores do Genk estava abalada, após o empate por 3 a 3 contra o Cercle Brugge, na estreia. Principalmente a do goleiro Köteles, que falhou nos três gols. No primeiro, até houve azar (o zagueiro Anele Ngcongca chutou para afastar a bola da área, ela bateu em Lukas van Eenoo e foi para as redes), mas, nos dois seguintes, o arqueiro húngaro falhou.

Talvez, aliás, o único time belga a ter somente motivos para sorrir neste início mais forte de temporada foi o Club Brugge. Além de vencer o Waasland-Beveren (3 a 1) na primeira rodada da Pro League, o Brugge arrancou um empate sem gols, fora de casa, contra o Kobenhavn, pela terceira fase preliminar da LC. Nada está garantido (os Leões têm certo hábito de chegarem à fase de grupos da LC, nos últimos anos), mas o time de Georges Leekens, começou suficientemente bem para dar esperanças de que terá, finalmente, um ano de protagonismo na Bélgica.

Mudança

Melhor anunciar rápido: com as mudanças na Trivela, a partir da próxima coluna, trataremos somente do futebol holandês. Aceitam-se reclamações.