O Corinthians havia melhorado depois da Copa do Mundo. Em seis partidas, foram quatro vitórias, um empate e uma derrota, com desempenhos, no geral, satisfatórios. Nada disso apareceu em Santiago, na noite desta quarta-feira, para enfrentar o Colo-Colo, no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. Foi dominado, não conseguiu jogar e a derrota por apenas 1 a 0 tem que ser aceita como um resultado que ainda mantém os paulistas vivos na briga por vaga na próxima fase.

LEIA MAIS: Corinthians encontra boa alternativa com ataque móvel e boa fase de Romero

Porque poderia ter sido bem pior. Gabriel foi expulso pelo segundo cartão amarelo no começo do segundo tempo, e o controle do Colo-Colo aumentou, com Valdivia usufruindo de muita liberdade para armar o time no meio-campo, abrindo as jogadas pelas laterais com passes precisos, como é sua característica. Nos minutos finais, Damian Pérez perdeu uma chance incrível de fazer 2 a 0, e Cássio barrou a finalização certeira de Lucas Barrios.

O começo do jogo foi mais equilibrado, com o Corinthians no campo de ataque, dando a sensação de que incomodaria os mandantes. Mas o goleiro Agustín Orión precisou trabalhar apenas uma vez em toda a partida. Por volta dos 15 minutos, o Colo-Colo assumiu as rédeas e começou a criar oportunidades boas. Paredes arriscou de fora da área, para boa defesa de Cássio. Na cobrança do escanteio, Zaldivia (sim, tem um com vê e um com zê) chutou à queima-roupa, para outra intervenção do goleiro corintiano.

Ironicamente, o gol surgiu em uma jogada de contra-ataque. Valdivia deu o lançamento em profunidade pela direita, e Opazo cruzou. Barrios chutou de primeira, e Cássio espalmou. Da entrada da área, Carmona completou para abrir o placar. Pouco depois, Carmona e Gabriel levaram cartão amarelo por um entrevero e, logo depois do intervalo, o volante brasileiro recebeu o segundo, um pouco rígido demais, por falta no jogador chileno do Colo-Colo. Sobrou para a placa de publicidade, que levou uma bicuda de Gabriel na saída do gramado.

O Colo-Colo continuou se impondo no campo de ataque e buscando os espaços, sem criar grandes chances até o relógio marcar 40 minutos. Valdés soltou o pé de fora da área, e Cássio defendeu como conseguiu, mas espalmou curto, um pouco à direita. Pérez, livre, apareceu para emendar de esquerda e isolou. Logo em seguida, se redimiu com uma boa jogada que encontrou Barrios na pequena área. O atacante pegou de primeira, e Cássio fez um milagre. No rebote, o paraguaio não conseguiu completar.

Emerson Sheik havia entrado para tentar usar a experiência para talvez cavar uma falta ou fazer uma jogada individual, mas o Corinthians terminou o jogo praticamente inoperante. Graças às defesas de Cássio, e o erro crasso de Pérez naquele rebote, volta do Chile com uma derrota mínima e ainda tem plenas condições de se classificar às quartas de final. Mas obviamente precisa jogar mais.