O técnico Chris Coleman defendeu o seu compatriota, Gareth Bale, sempre acusado de indolência no Real Madrid. Coleman foi treinador da seleção de Gales de 2012 a 2017, com uma campanha decepcionante na busca de vaga na Copa do Mundo de 2014, mas seguida por uma campanha histórica até a semifinal da Eurocopa, quando caiu diante de Portugal. E como alguém que conhece Bale, o seu futebol e a sua convivência, defendeu o atacante.

Contratado em 2013 pelo Real Madrid por € 101 milhões, Bale se tornou um jogador importante do clube que conquistou quatro títulos de Champions League em cinco anos. Só que na última temporada, já ficou muito abaixo do desempenho esperado. Por isso, era especulado para deixar o clube. Só que não saiu e, com as lesões, voltou ao time. E neste início de temporada, são três jogos pelo Campeonato Espanhol e dois gols, além de uma assistência.

Em 2016, ele foi o grande protagonista do time de Gales que foi à semifinal da Eurocopa. Como treinador que é, Coleman ressaltou que toda a parte tática e de planejamento de jogo é importante, mas o que resolve os jogos são os jogadores. “Você pode vir com a melhor formação tática, mas são os homens que ganham o jogo”, afirma Coleman em entrevista ao Athletic. “Você tem que confiar nas pessoas. Os homens juntos em campo. A vibração certa”, continua. “Sim, há um plano de jogo, mas esporte é 90% mental, 10% físico. É o que a sua mente está te dizendo. Você pode ser forte e rápido como você quiser, mas se o seu cérebro não está no humor certo, você está acabado”.

O técnico conhece muito bem Gareth Bale, principal estrela de Gales. O jogador do Real Madrid ganhou o apelido de “O Golfista”, por seu gosto declarado pelo esporte, e por não se integrar muito ao resto do elenco, sequer aprendendo a falar espanhol. A visão de muitos em Madri é que o galês é indolente e sequer se importa se não jogar – embora esteja reconquistando o seu espaço neste início de temporada. Coleman não vê Bale da forma como se fala em Madri.

“Eu vi John Toshack dizendo que Gareth não se dedicou o suficiente ao público em Madri. Bom, ele nunca fez isso. Não é sua personalidade. Quando ele volta para casa, ele joga golf, fica com a sua família, em seu pequeno círculo”, conta Coleman. “Eu acho que é injusto quando as pessoas ficaram pegando no pé dele. Ele deveria fazer isso, fazer aquele. Não, ser ele mesmo. Se ele não está feliz na sua cabeça, ele não estará bem em campo”.

“Eu estive com Gareth em Madri, em um restaurante, e ele está falando um espanhol perfeito, pedindo comida, cumprimentando as pessoas. Ele foi muito educado, mas no seu próprio espaço. Ele fala tudo que precisa no campo. Ele é o jogador no exterior com mais títulos do Reino Unido”, afirmou o treinador galês.

“No Vale [centro de treinamento da seleção galesa] nós introduzimos uma sala enorme para os jogadores. Bilhar, tênis de mesa, dardos, PlayStations, golf na tela. A atmosfera era brilhante e Gareth estava no meio disso com os rapazes. Ele não estava desconfiado, ninguém estava tirando fotos dele. Ele é uma pessoa muito tímida, o Gareth. A única forma que ele não é tímido é em campo”, conta ainda o técnico.

O Real Madrid de Bale vai a campo nesta quarta, 18, diante do PSG, em Paris, pela Champions League. No domingo, dia 22, joga contra o Sevilla, atual líder de La Liga. Veja mais na Programação de TV.