A Serie A terá um estreante em 2020/21: o Spezia conquistou os playoffs de acesso da segunda divisão e participará pela primeira vez da liga nacional italiana. O clube da Ligúria integrou a elite nos anos 1920, antes da nacionalização do campeonato, e chegou até mesmo a levar um título extraoficial durante a Segunda Guerra Mundial. Ainda assim, nunca tinha participado exatamente da Serie A e quebra a barreira após os duelos com o Frosinone. Apesar da derrota por 1 a 0 nesta quinta-feira, os bianconeri haviam vencido a ida também por 1 a 0 e subiram graças à vantagem de terem feito a melhor campanha na fase de classificação.

Fundado em 1906, o Spezia teve momentos relevantes durante a década de 1920, quando participou de uma cisão na federação italiana e integrou uma liga formada pelos clubes mais fortes do norte da Itália. A experiência não duraria tanto tempo, com os times se reintegrando ao Campeonato Italiano e os Aquilotti figurando no equivalente à segunda divisão. E o bom desempenho na segundona em 1928/29 garantiria aos lígures um lugar na Serie B da temporada seguinte, quando a elite do futebol do país deixou de ser regionalizada e a Serie A foi criada. Seria um clube geralmente de meio de tabela, com rápidas passagens pela Serie C.

Já o grande orgulho do Spezia aconteceu em 1943/44. Naquele momento, com a Itália em plena Segunda Guerra Mundial e o país sendo dominado pelos Aliados, os clubes localizados na área ainda sob o regime fascista fizeram seu campeonato. A competição seria regionalizada, até a realização da fase final em Milão. E os bianconeri surpreenderam. As atividades do clube haviam sido suspensas em 1943, depois que seu presidente foi enviado a um campo de concentração na Alemanha, mas os Aquilotti entraram na competição depois de serem absorvidos pela equipe do corpo de bombeiros local. Entre bons resultados e desistência de adversários, o Spezia alcançou o triangular final. E assim faturou a taça, superando o poderoso Torino – na época incorporado pela Fiat, mas com craques de seu pentacampeonato nacional, incluindo Valentino Mazzola. Ainda tinham os reforços de Silvio Piola no ataque e do técnico Vittorio Pozzo.

Apesar da aclamação pública por aquele “Scudetto”, o Spezia não teve seu título reconhecido pela federação – o que só aconteceria em 2002, de maneira honorária. Além disso, o clube enfrentaria outras dificuldades, sobretudo depois que a entidade impediu a fusão permanente com o time do corpo de bombeiros. Os lígures chegaram a sofrer dois rebaixamentos consecutivos nos anos 1950 e precisaram se virar a partir da quarta divisão. O ressurgimento seria lento e, a partir da década de 1960, o Spezia se acostumou com a Serie C. Reapareceu na Serie B apenas em 2006, ano do centenário do clube, encerrando um hiato de 55 anos longe da segunda divisão. Porém, dois anos depois, a agremiação faliu e precisou recomeçar outra vez no quarto nível.

Foi a partir de então que o Spezia realmente cresceu de maneira sustentável. O clube ganhou o aporte financeiro de Gabriele Volpi, magnata do ramo petrolífero que já administrava a equipe mais bem sucedida de polo aquático da Itália. A promoção à terceira divisão ocorreria dois anos depois, enquanto a reaparição na Serie B se deu em 2012 – quando os Aquilotti também conquistaram a Coppa Italia Lega Pro. Nestes últimos sete anos, os lígures quase sempre fizeram campanhas de meio de tabela, sem ir longe nos playoffs. Até que a sorte mudasse na atual temporada, com o aguardado acesso.

O Spezia protagonizou uma campanha surpreendente na Serie B. Chegou a ocupar a zona de rebaixamento no meio do primeiro turno, antes de emendar uma boa sequência e aproveitar o equilíbrio na tabela para pintar na zona de acesso. De qualquer maneira, não teria fôlego para competir com Benevento e Crotone (os promovidos diretamente), e se estabeleceu na terceira colocação. Assim, os bianconeri partiram como favoritos aos playoffs e se provaram da melhor maneira possível.

Nas semifinais, o Spezia perdeu a ida contra o Chievo por 2 a 0, mas buscou os 3 a 1 na volta e avançou pela melhor campanha na fase principal da Serie B. O mesmo aconteceu na decisão diante do Frosinone, treinado por Alessandro Nesta. O 1 a 0 repetido para os dois lados beneficiaria o Spezia. Edwin Gyasi marcou o gol da vitória fora de casa na ida, que acabou se tornando o gol do acesso com a derrota nesta quinta, insuficiente para impedir a promoção.

Treinado por Vincenzo Italiano, o Spezia teve como uma de suas principais referências justamente Gyasi. O ponta anotou oito gols na campanha, importante especialmente na reviravolta durante a virada dos turnos. Também seriam essenciais os tentos de M’Bala Nzola e Andrej Galabinov nesta reta final. O meio-campista Giulio Maggiore, convocado à seleção sub-21, é uma das principais revelações recentes do clube. E vale citar ainda o capitão Claudio Terzi e o goleiro Simone Scuffet, duas figurinhas carimbadas da primeira divisão que terão nova chance na Serie A.

Mesmo com o Estádio Alberto Picco de portões fechados, dezenas de fanáticos pelos bianconeri se reuniram do lado de fora para comemorar o inédito feito. O Spezia é o 68° clube a alcançar a Serie A, desde a criação da liga em 1929. A pandemia não contribui para que os Aquilotti festejem da maneira devida um dos momentos mais importantes de sua história. De qualquer maneira, o sucesso abre as portas para que mais gente conheça seu passado rico e a tradição ao redor da agremiação.