Apenas cinco clubes belgas disputaram uma decisão de competição europeia. O Royal Antuérpia seria o último deles, ao alcançar a final da extinta Recopa Europeia em 1992/93. A equipe eliminou Steaua Bucareste e Spartak Moscou, mas sucumbiu ao ascendente Parma na decisão. Desde então, não apenas o futebol belga se manteve distante das finais continentais. O próprio Royal Antuérpia não conquistou mais títulos, com o último feito na Copa da Bélgica de 1991/92. A equipe enfrentou diversos problemas e passou 13 anos na segunda divisão. Por isso mesmo, a reconquista da Copa da Bélgica neste final de semana representa tanto, encerrando um jejum de 28 anos dos alvirrubros.

Clube mais antigo da Bélgica, o Royal Antuérpia possui sua tradição e seus feitos. São 98 temporadas na primeira divisão, em história que começou ainda no Século XIX. Os alvirrubros conquistaram quatro títulos da liga, mas não repetiram mais a glória depois de 1957. Até por isso, a Copa da Bélgica de 1991/92 significava certa reconstrução. O clube havia enfrentado seus problemas, que pareciam ficar para trás com a taça nacional e o sucesso surpreendente na Recopa Europeia. O time de Stevan Stojanovic, Rudi Smits e Alexandre Czeniatynski, porém, não repetiria os bons desempenhos.

A crise do Royal Antuérpia começou na virada do século, com escândalos envolvendo patrocinadores e o rebaixamento à segundona após três décadas. Os alvirrubros até retornaram à elite em 2000, mas faziam campanhas fracas e enfrentaram nova turbulência a partir da queda em 2004. Seriam 13 anos para recolocar a agremiação outra vez na primeira prateleira, com direito a campanha na metade inferior da tabela na segunda divisão e poucas perspectivas de melhora. O jogo só começou a mudar a partir do renascimento em 2017, com o tão aguardado acesso.

O crescimento do Royal Antuérpia é gradativo desde então. Os alvirrubros colocaram a casa em ordem: ganharam um novo investidor, reduziram os débitos, trouxeram nomes experientes à gestão esportiva, apostaram em jogadores tarimbados. A equipe conseguiu uma boa oitava colocação na temporada de retorno. Depois, o quarto lugar em 2018/19 valia a volta às competições europeias após 25 anos, caindo nas preliminares da Liga Europa. Já na atual temporada, além de repetir a posição na liga, encerrou o jejum na copa.

A decisão aconteceu neste sábado, após o Campeonato Belga ter sido encerrado em março por conta da pandemia – e uma semana antes do início da nova edição da liga. O Club Brugge era o favorito à dobradinha nacional, mas o Royal Antuérpia buscou a vitória por 1 a 0 no Estádio Rei Balduíno. O gol foi anotado por Lior Refaelov, um dos nomes mais rodados do elenco e ex-jogador do próprio Club Brugge, aos 25 do primeiro tempo.

Este foi o terceiro título do Royal Antuérpia na Copa da Bélgica, que também garante uma presença na fase de grupos da Liga Europa – algo inédito à agremiação. A diretoria buscou reforços recentemente, como o goleiro Alireza Beiranvand, e deve apostar ainda mais na ascensão dos alvirrubros. Os tempos de vacas magras, definitivamente, ficaram no passado. E se parece impossível repetir uma final europeia como a de 1992/93, a torcida se dá por satisfeita ao ver o time se colocando de novo entre os principais do país.