Os dias de penúria de Florian Thauvin no Olympique de Marselha parecem longe do fim. Como se já não bastassem todos os problemas nos quais o meia-atacante se envolveu desde sua chegada ao clube, agora seu nome está no meio de outra celeuma. De acordo com o jornal L’Équipe, ele teria chamado o treinador Marcelo Bielsa de “grande porco” durante um treinamento do OM.

VEJA TAMBÉM: Thauvin, símbolo da derrocada do Olympique de Marseille

O jogador logo se apressou e, pelo Twitter, publicou três posts. Resumidamente, disse que o episódio é mais uma “grave mentira” e o caso “visa desestabilizar o Olympique”. Além disso, reforçou seu relacionamento de “confiança e respeito” com o treinador. Mesmo que seja tudo verdade e o jornal tenha inventado esta história toda, não dá para achar que Thauvin paga de santinho.

A relação entre o jogador e Bielsa azedou há algum tempo. Thauvin, considerado como um jovem promissor, não decolou como o esperado e tem acumulado atuações decepcionantes com a camisa do OM. Alguns atletas do Olympique até o tratavam de forma jocosa como “queridinho de Bielsa”, pois o treinador não o sacava do time mesmo com tantas apresentações fracas.

Quando Bielsa, que tem seu comando altamente questionado, resolveu tomar uma decisão e afastou Thauvin, tudo piorou. A suposta ofensa a “El Loco” teria acontecido logo após o técnico chamar sua atenção no treino. Algo como “larga do meu pé porque eu sei o que estou fazendo”. Não seria a primeira vez na qual Thauvin demonstraria um nível de intolerância tão alto.

VEJA TAMBÉM: Uma das defesas mais espetaculares da temporada não foi feita por um goleiro

Vale lembrar que ele já bateu boca com Dimitri Payet e, além disso, tem péssima imagem dentro do grupo. Thauvin já declarou que não há nada de errado, sente-se bem dentro do elenco e isso era perceptível nos treinos. Bom, ser indisciplinado (para não dizer mal-educado) está bem longe de uma atitude condizente com alguém que se julga tão querido assim.

Não existe mais qualquer clima para Thauvin continuar no Olympique de Marselha. E não apenas por sua conduta, mas também pelo fraco futebol para quem chegou como promessa. a solução mais indicada para todas as partes envolvidas está na cara: o meia-atacante precisa respirar novos ares, até para se dar conta de que não se vai longe se faltar profissionalismo. O OM poderia recuperar parte do investimento e cada um seguiria sua vida. Mesmo sendo inocente no caso, que Thauvin reflita muito bem sobre seus gestos para não se perder de vez e estragar por completo uma carreira que mal começou.

Clima tenso – parte 2

A situação também anda bastante quente pelos lados do Nice. Descontentes com a fraca campanha da equipe, que luta para evitar o rebaixamento para a Ligue 2, torcedores do OGC foram ao centro de treinamento do time durante a semana e fizeram várias ameaças aos jogadores e ao treinador Claude Puel. O que era para ser um protesto pacífico por pouco não se transformou em cenas de terror.

VEJA  TAMBÉM: O Bordeaux preparou um grande adeus no último jogo em seu velho estádio

O treino foi interrompido quando algumas bombas foram lançadas pelos cerca de 60 torcedores que foram até o CT para cobrar os atletas e Puel. Protegidos por seguranças, os jogadores e o treinador conseguiram escapar sem qualquer dano – pelo menos físico. Psicologicamente, é claro que todos sentem a pressão cada vez maior para evitar a queda para a segunda divisão.

Curiosamente, o Nice teve forças para ganhar fora de casa do Lyon por 2 a 1 na 30ª rodada, mas de lá para cá pouco fez de importante no campeonato. Nos seus seis jogos seguintes, o OGC conquistou apenas uma vitória, com dois empates e três derrotas – a última delas, uma impiedosa goleada por 5 a 0 imposta pelo Saint-Étienne. Por sorte, os Aiglons têm pela frente o já rebaixado Lens (uma vitória basta para confirmar a permanência) e, no seu desafio final, um duelo direto contra o Toulouse como visitante.

São 42 pontos contra 37 do Évian, primeiro time da zona do rebaixamento – que, além do Lens, já tem o Metz condenado à degola. Não é uma situação das mais desesperadoras, mas a torcida não engole mais tantos jogos ruins. Esta é a segunda vez nesta temporada na qual são registrados protestos e cobranças por um melhor futebol, mas o Nice vive de pequenos espasmos.

Puel, um dos principais alvos dos torcedores mais irritados, tenta juntar os cacos para o time ter condições psicológicas mínimas para enfrentar o Lens. A frustração da torcida não deveria ser confundida com uma manifestação tão descabida e em momento tão inoportuno, exatamente quando a equipe mais precisa de apoio para se salvar. Nunca o OGC entrou na Ligue 1 como favorito, e seu papel seria mesmo o de escapar do facão. Infelizmente, eis mais um exemplo de como a ignorância de poucos pode atrapalhar a paixão de muitos.Os dias de penúria de Florian Thauvin no Olympique de Marselha parecem longe do fim. Como se já não bastassem todos os problemas nos quais o meia-atacante se envolveu desde sua chegada ao clube, agora seu nome está no meio de outra celeuma. De acordo com o jornal L’Équipe, ele teria chamado o treinador Marcelo Bielsa de “grande porco” durante um treinamento do OM.

VEJA TAMBÉM: Thauvin, símbolo da derrocada do Olympique de Marseille

O jogador logo se apressou e, pelo Twitter, publicou três posts. Resumidamente, disse que o episódio é mais uma “grave mentira” e o caso “visa desestabilizar o Olympique”. Além disso, reforçou seu relacionamento de “confiança e respeito” com o treinador. Mesmo que seja tudo verdade e o jornal tenha inventado esta história toda, não dá para achar que Thauvin paga de santinho.

A relação entre o jogador e Bielsa azedou há algum tempo. Thauvin, considerado como um jovem promissor, não decolou como o esperado e tem acumulado atuações decepcionantes com a camisa do OM. Alguns atletas do Olympique até o tratavam de forma jocosa como “queridinho de Bielsa”, pois o treinador não o sacava do time mesmo com tantas apresentações fracas.

Quando Bielsa, que tem seu comando altamente questionado, resolveu tomar uma decisão e afastou Thauvin, tudo piorou. A suposta ofensa a “El Loco” teria acontecido logo após o técnico chamar sua atenção no treino. Algo como “larga do meu pé porque eu sei o que estou fazendo”. Não seria a primeira vez na qual Thauvin demonstraria um nível de intolerância tão alto.

VEJA TAMBÉM: Uma das defesas mais espetaculares da temporada não foi feita por um goleiro

Vale lembrar que ele já bateu boca com Dimitri Payet e, além disso, tem péssima imagem dentro do grupo. Thauvin já declarou que não há nada de errado, sente-se bem dentro do elenco e isso era perceptível nos treinos. Bom, ser indisciplinado (para não dizer mal-educado) está bem longe de uma atitude condizente com alguém que se julga tão querido assim.

Não existe mais qualquer clima para Thauvin continuar no Olympique de Marselha. E não apenas por sua conduta, mas também pelo fraco futebol para quem chegou como promessa. a solução mais indicada para todas as partes envolvidas está na cara: o meia-atacante precisa respirar novos ares, até para se dar conta de que não se vai longe se faltar profissionalismo. O OM poderia recuperar parte do investimento e cada um seguiria sua vida. Mesmo sendo inocente no caso, que Thauvin reflita muito bem sobre seus gestos para não se perder de vez e estragar por completo uma carreira que mal começou.

Clima tenso – parte 2

A situação também anda bastante quente pelos lados do Nice. Descontentes com a fraca campanha da equipe, que luta para evitar o rebaixamento para a Ligue 2, torcedores do OGC foram ao centro de treinamento do time durante a semana e fizeram várias ameaças aos jogadores e ao treinador Claude Puel. O que era para ser um protesto pacífico por pouco não se transformou em cenas de terror.

VEJA  TAMBÉM: O Bordeaux preparou um grande adeus no último jogo em seu velho estádio

O treino foi interrompido quando algumas bombas foram lançadas pelos cerca de 60 torcedores que foram até o CT para cobrar os atletas e Puel. Protegidos por seguranças, os jogadores e o treinador conseguiram escapar sem qualquer dano – pelo menos físico. Psicologicamente, é claro que todos sentem a pressão cada vez maior para evitar a queda para a segunda divisão.

Curiosamente, o Nice teve forças para ganhar fora de casa do Lyon por 2 a 1 na 30ª rodada, mas de lá para cá pouco fez de importante no campeonato. Nos seus seis jogos seguintes, o OGC conquistou apenas uma vitória, com dois empates e três derrotas – a última delas, uma impiedosa goleada por 5 a 0 imposta pelo Saint-Étienne. Por sorte, os Aiglons têm pela frente o já rebaixado Lens (uma vitória basta para confirmar a permanência) e, no seu desafio final, um duelo direto contra o Toulouse como visitante.

São 42 pontos contra 37 do Évian, primeiro time da zona do rebaixamento – que, além do Lens, já tem o Metz condenado à degola. Não é uma situação das mais desesperadoras, mas a torcida não engole mais tantos jogos ruins. Esta é a segunda vez nesta temporada na qual são registrados protestos e cobranças por um melhor futebol, mas o Nice vive de pequenos espasmos.

Puel, um dos principais alvos dos torcedores mais irritados, tenta juntar os cacos para o time ter condições psicológicas mínimas para enfrentar o Lens. A frustração da torcida não deveria ser confundida com uma manifestação tão descabida e em momento tão inoportuno, exatamente quando a equipe mais precisa de apoio para se salvar. Nunca o OGC entrou na Ligue 1 como favorito, e seu papel seria mesmo o de escapar do facão. Infelizmente, eis mais um exemplo de como a ignorância de poucos pode atrapalhar a paixão de muitos.