Classificação do River à final da Série D teve duas defesas e um pênalti convertido por goleiro herói

Naylson brilhou na disputa de pênaltis contra o Ypiranga e levou o Galo Carijó à decisão da quarta divisão

Os detalhes que determinam quem entra para a história ou não de um clube, de uma competição, do futebol em si, são fascinantes. Neste sábado, o goleiro Naylson, do River, poderia ter levado apenas um gol do Ypiranga, no jogo de volta da semifinal da Série D, e teria ido para a decisão da quarta divisão como alguém que apenas fez sua parte. Em vez disso, a derrota por 2 a 0 para os gaúchos levou o jogo para os pênaltis, e foi neles que o arqueiro virou herói.

VEJA TAMBÉM: Histórico: River dá acesso inédito ao Piauí e está na Série C de 2016

No último dia 19, o atual grupo do River, comandado por Flávio Araújo, o “Rei do Acesso”, já entrara para a história do clube piauiense com a classificação à semifinal da Série D e, consequentemente, a promoção à Série C. Era a primeira vez que um time do Piauí subia de divisão nacional, um feito histórico, portanto, também para o estado. O passo seguinte na busca pela coroação completa de uma temporada marcante veio na semana passada, quando o time venceu o Ypiranga em casa por 2 a 0.

O Galo foi então para o jogo de volta, no Colosso da Lagoa, em Erechim, neste sábado, podendo perder por um gol de diferença. Precisando do resultado, o Ypiranga foi para cima e, aos 11 minutos, aproveitando-se de erro da arbitragem, conseguiu um pênalti. João Paulo desceu em diagonal, tropeçou, e o árbitro pensou que o jogador do River havia o derrubado. Na cobrança, o próprio João Paulo foi para a bola e converteu para abrir o placar.

Já no segundo tempo, aos 12 minutos, João Paulo tomou a bola no meio de campo, puxou contra-ataque e, com a defesa do River mal posicionado, conseguiu encontrar livre na direita Mayson, que dominou e bateu cruzado para ampliar e, com o 2 a 0, levar o time à decisão por pênaltis.

Ambos os times começaram a disputa acertando suas cobranças. Na segunda batida do Ypiranga, no entanto, Naylson começou a brilhar no gol do River. Com a maior tranquilidade possível, saltou para o canto direito e, com uma mão, espalmou para fora o chute de Jonathan. Na sequência, entretanto, Fabinho errou para o Galo e recolocou os gaúchos na disputa. Todos então acertaram seus chutes, e a decisão foi para as cobranças alternadas. Logo na primeira do Ypiranga, Naylson fez sua segunda defesa. Grandiosa, sobretudo porque abria espaço para que ele próprio decidisse a classificação na sequência. Em sua cobrança, o goleiro converteu e garantiu a vitória do River nos pênaltis. A história estava feita, e o goleiro, heroicizado.

O “simples” acesso à Série C já era feito histórico o bastante para o River em 2015, ano em que também conquistou o Campeonato Piauiense. Agora, terá a chance de conquistar seu primeiro título nacional, em uma história de quase 70 anos, enfrentando Remo ou Botafogo de Ribeirão Preto na decisão. Protagonista da semifinal, Naylson havia dito que deixou o Amazonas para jogar no River por uma maior visibilidade. Com suas próprias mãos (e pés), se colocou em evidência. Mais do que isso, possivelmente se colocou na história do Galo Carijó.