Entre tantos capítulos inesquecíveis do clássico entre Barcelona e Real Madrid, os dois ocorridos em janeiro de 1994 e janeiro de 1995 possuem um lugar especial nas prateleiras da memória. Em intervalo de exatos 363 dias, os rivais igualaram a maior goleada do clássico desde a década de 1950 – e que permanecem assim, embora igualadas em 2010. Os blaugranas viviam dias inesquecíveis com o Dream Team de Johan Cruyff. Encaminharam o inédito tetracampeonato espanhol com direito ao impecável massacre por 5 a 0 no Camp Nou. Menos de um ano depois, porém, o império ruiria. E os merengues derrubaram o rei devolvendo na mesma moeda: 5 a 0 no Santiago Bernabéu, em triunfo simbólico na reconquista da taça.

O jogo de janeiro de 1994 tem Romário como grande protagonista. Iniciando o melhor ano de sua carreira, o Baixinho simplesmente humilhou os blancos na última rodada do primeiro turno de La Liga. Anotou três gols, para delírio dos culés presentes nas arquibancadas do Camp Nou. O primeiro veio no etapa inicial, com um drible sensacional antes de bater na saída do goleiro Paco Buyo. Já no segundo tempo, artilheiro faria mais dois e daria o passe para Iván Iglesias fechar a conta, enquanto Ronald Koeman havia anotando uma pintura cobrando falta. Manita que serviria para representar o ápice do chamado Dream Team.

Meses depois, contudo, o esquadrão se desmanchava. Andoni Zubizarreta saíra para o Valencia e Romário não vivia mais a lua de mel na Catalunha, começando no banco. Pior foi o caso de Michael Laudrup, que não teve o seu contrato renovado por Johan Cruyff, diante do limite de estrangeiros, e rumou justamente ao Real Madrid. Coube ao dinamarquês orquestrar os 5 a 0 também no final do primeiro turno de La Liga, desta vez com Iván Zamorano destroçando os rivais. Naquele que também era o primeiro clássico de Raúl entre os titulares, o chileno anotou três gols em apenas 39 minutos de bola rolando no Bernabéu. Aos 44, Hristo Stoichkov complicou mais a situação ao ser expulso. Já no segundo tempo, Luis Enrique e José Amavisca fecharam a conta. Ao final da temporada, os merengues colocariam um ponto final na sequência de títulos dos rivais.

Hora de relembrar: