O clássico da primeira partida da semifinal da Copa do Rei não foi espetacular e terminou com o Real Madrid um pouco mais contente do que o Barcelona. O time de Santiago Solari começou melhor, e o empate por 1 a 1 permite que os merengues resolvam a vaga com certa vantagem à frente dos seus torcedores no Santiago Bernabéu. Os brasileiros foram uma nota à parte, para o bem e para o mal. 

LEIA MAIS: Como nasceu El Clásico: A semifinal da Copa do Rei que fez explodir a rivalidade entre Barça x Real

Malcom, pelo lado catalão, e Vinícius Júnior, pelos visitantes, foram destaques de um primeiro tempo movimentado. Por outro lado, Coutinho, titular, não conseguiu assumir as rédeas do Barcelona, em um raro jogo em que Lionel Messi foi reserva. Apareceu pouco para, não levou grande perigo de fora da área e saiu aos 18 minutos da etapa final para a entrada do argentino. 

O Real Madrid começou no comando. Teve mais posse de bola nos primeiros dez minutos, tocando-a com tranquilidade. O lado esquerdo era forte, com Marcelo, Vinícius Júnior e os deslocamentos de Kroos e Benzema. A primeira chance foi um chute do meia alemão de fora da área. Ter Stegen teve que trabalhar bem para espalmar. 

O gol, inclusive, surgiu pela esquerda. Vinícius virou o jogo para Benzema. Alba errou o corte de cabeça e, na sequência, permitiu que o francês cruzasse rasteiro. Lucas Vázquez antecipou-se e desviou para as redes. Os visitantes quase ampliaram no contra-ataque, com uma bola roubada no campo ofensivo. Vinícius carregou, com Benzema próximo e Kroos à esquerda. Três contra dois. Em vez de abrir com o alemão, livre, o brasileiro preferiu finalizar. Piqué bloqueou.

O brasileiro foi uma válvula de escape importante pela esquerda, mas também errou bastante na definição da jogada. Como nesse contra-ataque ou em outro, pouco depois, quando Coutinho errou o passe e Benzema recolheu. Deu o passe para Vinícius, que não dominou perfeitamente e bateu muito mal na bola. Ainda houve um desvio para escanteio. 

A partir dos 20 minutos, o Barcelona começou a melhorar. Teve a primeira grande chance em um passe precioso de Suárez para Malcom, nas costas da defesa. Sem muita confiança, o brasileiro finalizou muito mal, e Navas defendeu. A jogada foi parada por impedimento, mas Marcelo parecia dar condição legal. 

A bola parada serviu para ameaçar o goleiro do Real Madrid. Em duas cobranças pela direita, Piqué cabeceou por cima do travessão e Rakitic o acertou. Antes do intervalo, Malcom fez jogada individual pela direita, trombando mais do que driblando, e rolou para Suárez. Chute colocado, no canto direito de Navas, que se esticou todo para fazer a defesa. 

Acentuou-se o domínio territorial do Barcelona no segundo tempo, com o Real Madrid em busca do contra-ataque. Aos 12 minutos, Jordi Alba recebeu o lançamento, Vázquez furou e Navas saiu para abafar, fora da área. Suárez pegou de primeira, muito pela esquerda, e acertou a trave. Malcom pegou o rebote e mandou para as redes: 1 a 1. 

Messi entrou a 30 minutos do fim e deu alguns bons passes, mas também não estava no seu melhor dia. O Real Madrid quase voltou à frente, em um vacilo de Ter Stegen, que saiu da área para interceptar um lançamento e deixou o gol livre. Benzema mandou para Bale, pela esquerda, com o goleiro alemão tentando se recuperar desesperadamente. Mas o atacante galês demorou para chutar e, além disso, chutou mal. 

Ainda tentando se recuperar no Campeonato Espanhol, a partida foi uma boa notícia para o Real Madrid, capaz de controlar os primeiros minutos, ameaçar no contra-ataque e limitar o número de chances do Barcelona. Mesmo quando Messi esteve em campo. A volta, no Bernabéu, será em 27 de fevereiro.