Você encontra no De Kuip uma das melhores atmosferas do futebol europeu, cortesia da torcida do Feyenoord. Também encontra episódios importantes da história do esporte no continente, uma vez que o Stadion Feijenoord, o nome que consta no seu RG, é o mais tradicional da Holanda e foi palco de nove grandes finais europeias: duas de Copa dos Campeões, duas de Copa da Uefa, seis de Recopa Europeia e uma de Eurocopa.

LEIA MAIS: Um ano sem Cruyff: Como a juventude turbulenta moldou sua personalidade revolucionária

O De Kuip foi construído na década de trinta, ambição do então presidente do Feyenoord, Van Zandvliet, e abriu suas portas pela primeira vez na vitória dos donos da casa por 5 a 2 sobre o time belga Beerschot, em 27 de março de 1937. Ou seja, exatamente 80 anos atrás. Para comemorar a data, selecionamos cinco importantes noites europeias que aquele amontoado de concreto presenciou.

26/11/1969 – Feyenoord 2 x 0 Milan                  

Cruyff, Rinus Michels e o Ajax colocaram o futebol holandês no mapa da Europa com o tricampeonato da Copa dos Campeões, entre 1971 e 1973. No entanto, antes disso, um clube da Holanda já havia conquistado a principal competição de clubes do continente. Foi o Feyenoord, logo antes da sequência do Ajax. E uma vitória dessa campanha foi especial.

O adversário era o Milan, atual campeão e dono de dois títulos da Copa dos Campeões. Enquanto isso, o futebol holandês tinha apenas duas campanhas de destaque: uma semifinal com o Feyennord, em 1962/63, da qual o Benfica saiu vencedor; e a decisão de 1968/69, vencida pelos rossoneri contra o Ajax.

Os italianos venceram, em casa, o jogo de ida segunda rodada de 1969/70, gol de Néstor Combin. A volta, em Roterdã, começou bem para os donos da casa, que empataram com Wim Jansen, logo aos 6 minutos, meio que por acaso. A partida, no entanto, arrastou-se na igualdade até os 37 da etapa final, quando Willem van Hanegen marcou o gol da classificação do Feyenoord.

O som do estádio explodindo de alegria é incrível.

31/05/1972 – Ajax 2 x 0 Internazionale

Um show de Johan Cruyff. Foi o segundo título consecutivo do Ajax, terceiro de clubes holandeses, momento premiado com uma decisão marcada para o De Kuip. Os holandeses não deram chances para a Internazionale e venceram por 2 a 0, todos os gols marcados por Cruyff.  No primeiro, a bola praticamente caiu do céu, depois de uma saída em falso do goleiro italiano Ivano Bordon. O segundo saiu de cabeça.

15/05/1991 – Manchester United 2 x 1 Barcelona

Foi o primeiro título europeu e o segundo no geral – havia conquistado a Copa da Inglaterra da temporada anterior – de Alex Ferguson pelo Manchester United. E Cruyff mais uma vez faz parte da história. Treinava o Barcelona, que se tornaria tetracampeão europeu e levaria o apelido de Dream Team. Mark Hughes marcou duas vezes, todas no segundo tempo, em duas saídas de gol estranhas de Carles Busquets, e Koeman descontou, na vitória por 2 a 1 dos ingleses, que valeu o troféu da Recopa Europeia.

02/07/2000 – França 2 x 1 Itália

A Eurocopa de 2000 foi sediada em conjunto por Bélgica e Holanda. A final foi marcada para o De Kuip e decidida pelo gol de ouro, na prorrogação. Enfrentavam-se a atual campeã do mundo França, de Zidane e Henry, contra a sempre perigosa Itália, com Totti, Maldini, Cannavaro e Nesta. Foi tudo muito tenso: Marco Delvecchio fez 1 a 0 para a Itália, no segundo tempo, e a vitória parecia encaminhada, até Wiltord empatar, aos 48 minutos da etapa final. Na prorrogação, Trezeguet marcou o gol do título europeu francês.

08/05/2002 – Feyenoord 3 x 2 Borussia Dortmund

Ser campeão europeu em casa é para poucos. E o Feyenoord conseguiu. Em 2002, com um jovem Robin Van Persie no meio-campo, ganhou do Borussia Dortmund, por 3 a 2, em seu próprio estádio. Os alemães eram recheados de brasileiros: Evanílson, Dedê, Ewerthon e Amoroso começaram aquela decisão entre os titulares. Amoroso, inclusive, marcou, de pênalti, depois de Van Hooijdonk ter feito 2 a 0 para os anfitriões. Logo em seguida, Tomasson ampliou para 3 a 1, no contra-ataque. Koller ainda descontou, mas o título já estava fadado a ser comemorado pelos donos das arquibancadas do De Kuip.