Quase tudo aconteceu conforme se esperava. Nos seis confrontos da  primeira fase da Libertadores, apenas um dos favoritos não obteve êxito. O Deportivo Quito bem que tentou devolver os 2 a 0 sofridos na Argentina, mas nem mesmo a inspirada jornada de Michael Jackson Quiñónez foi capaz de vencer o pragmatismo do Independiente e a excelente atuação do goleiro Hilario Navarro no jogo de volta. O Liverpool começou a partida contra o Grêmio voando em pleno Olímpico e fazendo seu torcedor acreditar que era possível vencer. No entanto, os uruguaios logo sucumbiram à força dos gremistas. A diferença de forças só não foi maior do que a de Jaguares e Alianza Lima. Depois de perderem em casa por 2 a 0, os peruanos tiveram outro revés, dessa vez no México, pelo mesmo placar.

A Unión Española, por sua vez, fez o dever de casa. Depois do 1 a 0 na altitude de La Paz, tratou de segurar a equipe adversária e se classificou com um a 0 a 0 em território chileno. Já o Cerro Porteño tomou um susto do Deportivo Petare na Venezuela, mas superou o péssimo estado do gramado e, com o gol fora de casa, também avançou. Faltou apenas o Corinthians… Sobrou o Deportes Tolima. E como sobrou o time colombiano…

Desde o anúncio da  primeira fase da Libertadores o confronto tinha ares de protocolar para quase toda a desinformada mídia brasileira. Falavam em “poderoso Deportes Tolima” com ares de galhofa. Faziam a tal comparação com os campeonatos do Brasil e diziam que os colombianos seriam rebaixados com certeza. Esses e outros gracejos de quem de fato nunca procurou saber sobre a equipe colombiana.

É claro que o Corinthians era favorito. Mas de jeito nenhum o Tolima podia ser considerado carta fora do baralho e muito menos paraquedista ou franco atirador nesta Libertadores. A chegada dos Pijaos ao torneio continental, aliás, foi muito semelhante à do alvinegro paulista, tanto na pressão, quanto na decepção. No Campeonato Colombiano de 2010, o Tolima foi o time que mais somou pontos. Mesmo assim, perdeu a final do torneio Finalización para o Once Caldas, terminando o ano sem nenhum título e ainda como representante 3 da Colômbia, tal qual o Corinthians.

A diferença é que a tradição do time brasileiro é muito maior que a dos colombianos, de forma que uma eliminação nesta fase não seria trágica para o Tolima, mas sim bastante frustrante, já que mais uma chance de título ficaria pelo caminho. Indiferente a essa condição, os colombianos fizeram duas partidas exemplares. Jogando no Pacaembu trataram de se defender com todos seus jogadores, que correram uma barbaridade atrás do nada inspirado time corintiano. Já no estádio Manuel Murillo Toro, onde não perdem um jogo desde setembro de 2010, os Pijaos deram uma aula de futebol. Não se jogaram ao ataque como alguns corintianos mais otimistas esperavam e nem deixaram o Corinthians ficar com a bola.

No primeiro tempo, o Deportes Tolima terminou com mais posse de bola. Posse inteligente, de toques no meio de campo e enfiadas em profundidade no meio da zaga corintiana, que adotou uma estranha linha de impedimento para este jogo – alta e nada sincronizada. No início do segundo tempo valeu o bom desempenho do goleiro Anthony Silva e daí pra frente a criatividade de Elkin Murillo e a precisão de Santoya e Medina para liquidar a equipe brasileira.

Zebra sim. Sorte ou azar não. Em jogos de ida e volta, com tempo de preparação, estudo e outros fatores, não há como colocar na conta do imponderável uma derrota ou uma vitória. Grêmio, Jaguares, Cerro, Unión Española, Independiente e Tolima foram competentes. O Corinthians perdeu o jogo por suas deficiências. Sua apatia, sua falta de coesão tática e mau desempenho técnico. Mas o Tolima também ganhou o jogo. Com vontade, com estratégia e com eficiência.

Mais da Libertadores 2011

Confira os resultados de ida e volta dos confrontos da pré-Libertadores :

Ida

Corinthians 0x0 Deportes Tolima
Alianza Lima 0x2 Jaguares-MEX
Cerro Porteño 1×0 Deportivo Petare
Bolívar 0x1 Unión Española
Independiente 2×0 Deportivo Quito
Liverpool 2×2 Grêmio

Volta

Deportes Tolima 2×0 Corinthians
Jaguares-MEX 2×0 Alianza Lima
Deportivo Petare 1×1 Cerro Porteño
Unión Española 0x0 Bolívar
Deportivo Quito 1×0 Independiente
Grêmio 3×1 Liverpool

Confira o guia da Libertadores 2011 aqui.