A conquista da Recopa Sul-Americana pelo Santos nesta quarta-feira foi uma bem vinda brisa em meio à secura de boas atuações da equipe da Vila Belmiro. Até por esse momento não tão bom, o técnico Muricy Ramalho fez questão de dizer: “Para mim só se mede competência por resultados”. O argumento fraco e facilmente desmontado é ainda por cima incoerente com o discurso de que os dirigentes são injustos e de que esta é a cultura do futebol brasileiro. Mas tudo bem… Mais importante é que a fala de Muricy dá a ideia de que só a vitória importa e que os fins justificam os meios sempre. Coincidentemente a frase do técnico santista foi dita um dia depois do presidente do Millonarios da Colômbia fazer uma afirmação totalmente oposta a esta filosofia.

Na última terça-feira o mandatário Felipe Gaitán disse que a diretoria do clube de Bogotá estuda abrir mão dos títulos nacionais conquistados em 1987 e 1988, quando a equipe era financiada pelo narcotraficante Gonzalo Rodriguez Gacha. Isso mesmo: o Millonarios estuda a perda de dois títulos nacionais. A intenção é apagar da história um triste capítulo que tomou conta não só do Millos, mas de todo o futebol colombiano do final da década de 70 até o início dos anos 90. A proposta seria exclusivamente para os Embajadores, não havendo qualquer compromisso ou menção às conquistas dos demais clubes, como o Atlético Nacional e o América de Cali, que também tiveram dinheiro do tráfico de drogas.

Como não poderia deixar de ser, a “sugestão” do maior campeão colombiano – ao lado do América de Cali – causou reações fortes e distintas em todo o país. Parte dos torcedores, representantes do governo e jornalistas aplaudiram a iniciativa. Afinal de contas, o nobre gesto dos Azules seria uma forma radical e ética de apagar os vínculos com um poder paralelo que por muito tempo dominou o país e que ainda hoje é motivo de grande temor e propaganda negativa não só do futebol, como de toda a Colômbia.

Por outro lado, dirigentes de outros clubes e, principalmente, jogadores e ex-jogadores demonstraram repúdio à ideia. O argumento dos atletas é simples e compreensível: os títulos, apesar dos pesares, foram conquistados dentro de campo, com bola rolando. Cassar essas conquistas significaria fingir que tudo o que aqueles jogadores e comissões técnicas fizeram não valeu nada. Há também, é claro, a rivalidade inerente, já que nem América de Cali, nem Atlético Nacional fizeram menções de adotar procedimento semelhante, o que significaria que, do ponto de vista pragmático e das vitórias, como Muricy falou, o Millonarios estaria apenas perdendo méritos.

A discussão é longa, boa e necessária. Se por um lado há que se valorizar a iniciativa do presidente dos Embajadores, por outro deve-se ter em mente que a simples renúncia aos títulos não apaga e nem reescreve a história. Com 13, com 11 ou sem nenhum título, o Millonarios carregará para sempre a cicatriz de já ter sido financiado por um mecenas ligado ao narcotráfico.

O que pode ficar é a mensagem. A mensagem de que nenhuma vitória é mais importante do que os princípios e de que conquistar e derrotar não são as palavras que melhor combinam com esporte. Mais do que tentar mudar o que passou, no entanto, o clube deve lutar para que nenhum ato ou ingerência deste tipo volte a acontecer. Devolver os títulos pode ser um caminho, mas por si só não significa nada.

Copa Sul-Americana 2012

Foram realizados nesta semana os jogos de ida de cinco dos oito confrontos das oitavas de final. Confira os resultados:

Barcelona 0x1 Grêmio
Deportivo Quito 2×0 Tigre
LDU Loja 1×1 São Paulo
Independiente 2×1 Liverpool
Colón 1×2 Cerro Porteño

Na semana que vem jogam:

Palmeiras x Millonarios
Universidad de Chile x Emelec
Universidad Católica x Atlético Goianiense

Mais colombianas

– Pelo campeonato colombiano o o Millonarios perdeu do Boyacá Chicó por 1 a 0, mas manteve a liderança, com 20 pontos em dez jogos. Vale dizer que os Azules atuaram com os reservas, uma vez que os titulares estavam em Madrid tomando 8 a 0 do Real em um amistoso.

– O Junior de Barranquilla tinha a chance de assumir a ponta, mas ficou no 1 a 1 com o Santa Fe e agora também tem 20 pontos em 10 jogos.

– Itagüí, Independiente Medellín, Boyacá Chicó, Quindio, Cúcuta e La Equidad completam os oito que hoje estariam classificados para os playoffs

– O Atletico Nacional ocupa a 11ª posição. O Once Caldas é o 12º e o Santa Fe o 13º.

Equatorianas

– No Segunda Etapa o Macará foi derrotado pela LDU por 2 a 0, mas ainda é líder, com 21 pontos em 12 rodadas. O Emelec é o segundo, após vitória por 3 a 0 contra o Deportivo Quito. Os Eléctricos têm 20 pontos, mas em dez jogos. A LDU ocupa a terceira posição, também com 20 pontos, mas com 12 partidas disputadas

– O Barcelona perdeu do El Nacional por 2 a 1 e agora é o quinto, com 18 pontos em dez jogos.

– O Deportivo Quito, que perdeu do Emelec, terá uma difícil luta contra o rebaixamento. Na tabela acumulada a equipe tem 35 pontos e está apenas uma posição acima do descenso. Técnico Universitário, com 34, e Olmedo, com 33, seriam hoje os rebaixados.

Paraguaias

– No Paraguai o Guaraní segue em ótima fase. Os Aborígenes fizeram 3 a 2 no Sol de América e chegaram a 22 pontos em nove jogos, seis a mais do que o Sportivo Luqueño, que ficou no 0 a 0 com o Cerro Porteño e que é o segundo.

– O Nacional é o terceiro, com 16 pontos, após vitória por 2 a 0 contra o Rubio Ñu, enquanto o Libertad é o quarto depois de ter vencido o Independiente por 3 a 0, chegando a 14 pontos.

– O Olimpia ficou no 2 a 2 com o Cerro Presidente Franco, mas o incidente que roubou a semana foi a demissão do técnico Gregorio Perez. O motivo, segundo ele, foi a escalação do goleiro Martin Silva. Explica-se: Silva, apesar de titular, desagradou o presidente do Olimpia, Marcelo Recanate. O atleta teria violado um esquema que cortava o sinal dos celulares dos jogadores durante a concentração. Silva alega que precisava falar com a mulher, que tem uma gravidez de risco, mas Recanate não se importou e baixou um “decreto”: o goleiro não deveria atuar. Gregorio Perez o escalou e no dia seguinte foi mandado embora. Pois é…

Chilenas

– No Clausura chileno o Deportes Iquique venceu o La Serena por 3 a 2 e assumiu a liderança, com 22 pontos em 11 jogos. A ponta da tabela, no entanto, é dividida com a Universidad de Chile, que ficou no 2 a 2 com o Santiago Wanderers, e com o Rangers, que empatou também por 2 a 2 com a Unión La Calera.

– Além das três equipes, hoje se classificariam para os playoffs: Palestino, Colo Colo, Universidad Católica, Deportes Antofagasta e O’Higgins.

– Vale notar o grande momento do Colo Colo. A equipe emendou quatro vitórias seguidas, sendo três delas por 3 a 0.

Bolivianas

– O The Strongest venceu o Real Potosí por 1 a 0 e aproveitou os tropeços do Jorge Wilstermann – 1 a 1 com Oriente Petrolero e derrota por 3 a 2 contra o próprio Potosí – para assumir a liderança. Os Tigres têm agora 19 pontos em dez jogos, ante 18 pontos em 11 partidas do Wilstermann.

– O Petrolero é o terceiro, com 17 pontos em dez jogos após a derrota por 1 a 0 para o La Paz. O Bolívar é o quarto, com 16 pontos em nove jogos após vencer o Nacional Potosí e o La  Paz.

Venezuelanas

No Apertura da Venezuela o Deportivo Anzoátegui manteve a “racha ganadora” e fez 3 a 1 no Zulia, chegando a 17 pontos em sete jogos. O Caracas é o segundo, com 16 pontos após vencer o Deportivo Lara por 2 a 1.     O Trujillanos, que derrotou o Táchira por 3 a 1, é o terceiro, com 15 pontos.

Uruguaias

– No Apertura uruguaio o Defensor Sporting lidera, com dez pontos em quatro jogos após vencer o Progreso por 4 a 1. O Nacional tem o mesmo número de pontos depois de vencer o Fénix por 2 a 1. Também com dez pontos, mas na terceira posição, está o El Tanque Sisley, que fez 1 a 0 no River Plate.

– O Peñarol ganhou do Cerro por 2 a 1 e chegou à quarta posição, agora com sete pontos em quatro jogos.

Peruanas

– O Sporting Cristal atuou duas vezes na semana e conseguiu quatro pontos. Primeiro venceu o José Gálvez por 2 a 0 e depois empatou por 1 a 1 com o Universitario. Desta maneira o Sporting tem 72 pontos em 36 jogos e lidera a Liguilla A. O José Gálvez é o segundo, com 55 pontos, mas em 35 jogos. O Inti Gas, que ficou no 0 a 0 com o Cienciano, é o terceiro, com 48 pontos em 34 rodadas.

– Na Liguilla B a Universidad César Vallejo ficou no 2 a 2 com o Alianza Lima, mas chegou à liderança, agora com 63 pontos em 35 jogos. O Real Garcilaso, que perdeu do Sport Boys por 3 a 1 tem a mesma pontuação e jogos, mas perde no saldo. O Juan Aurich, que ficou no 0 a 0 com o León de Huánuco é o terceiro, com 57 pontos.