O Tottenham voltou a jogar em casa depois de dois jogos consecutivos na casa do Manchester City, com duas derrotas – sendo que uma delas significou a classificação na Champions League e a outra pela Premier League. Diante do Brighton, os Spurs sofreram. A boa defesa dos visitantes parecia difícil de ser superada. Foi um exercício de insistência, mais do que uma grande atuação, que permitiu à equipe arrancar a vitória na marra, por 1 a 0, graça as um gol nos minutos finais do jogo.

O primeiro tempo teve pouca criatividade e um Tottenham que parecia não saber bem como atacar. Tentou algumas jogadas que eram insistentemente seguradas pelos adversários. O brasileiro Bernardo, na lateral esquerda do Brighton, foi um dos que fez uma boa partida.

Sem conseguir furar a defesa do Brighton, o lateral esquerdo Danny Rose puxou da esquerda para dentro e, mesmo com o pé direito, que não é o preferido, ele chutou forte. O goleiro Ryan fez uma boa defesa para impedir o gol. bA pressão seguia. Com o zagueiro Alderweireld no ataque, o time do Tottenham ficou perto de mais um gol. Desta vez, ele girou e chutou de pé esquerdo, na entrada da área, e a bola acertou a trave, aos 27 minutos.

Vendo o Brighton bater seguidamente a porta na sua cara, o Tottenham tinha que tentar algo diferente. O técnico Mauricio Pochettino buscou uma solução que não tentava há muito tempo: Vincent Janssen, que sequer tinha feito algum jogo nesta temporada, se recuperando de lesão. O jogador só tinha atuado duas vezes, ambas pelo time sub-23, na Premier League da categoria. Jogou nos dias 1 e 13 de janeiro, quando se recuperou da lesão que o assolava.

Rodando a bola em volta da área do Brighton, o Tottenham forçava as jogadas, mas encontrava dificuldade para achar um espaço que fosse. A área, sempre preenchida com os jogadores do time visitante, parecia intransponível. O time da casa também não parecia viver um dos seus melhores dias. Os jogadores de Pochettino pareciam diante de um cofre muito bem guardado.

Christian Eriksen, então, quebrou o cadeado usando um dos seus muitos recursos. E foi com um chute de fora da área, de pé esquerdo. Foi o seu sétimo chute na partida. A bola acertou o canto do goleiro Ryan, indefensável. Aos 43 minutos do segundo tempo, o cadeado foi quebrado e o Tottenham arrancou, na marra, um gol.

No total, o Tottenham chutou 29 chutes a gol. Destes, cinco chutes foram certos, ou seja, acertaram o alvo. Erikssen chutou sete vezes a gol, sendo o que mais tentou. O segundo que mais arriscou chutes foi Jan Vertonghen, com quatro chutes, zagueiro, o que mostra que o jogo foi realmente pouco usual. Son Heung-min também chutou quatro vezes a gol, assim como Dele Alli.

Os números da posse de bola também impressionam. Em dados da opta, o Tottenham ficou com 78,6% e o Brighton com 21,4%. Diante de um time tão fechado, foi preciso de muita insistência, e alguma dose de sorte, para chegar ao gol já no final do jogo.

A vitória é importantíssima para o Tottenham, que vai a 70 pontos, em terceiro na tabela da Premier League. Fica três pontos à frente do quarto, Chelsea, e a quatro do Arsenal, quinto. O Manchester United, sexto, tem 64, com um jogo a menos – que será disputado nesta quarta contra o Manchester City.