A China irá começar a concretizar o seu objetivo de sediar uma Copa do Mundo nos próximos anos. Há muito tempo o país tem ambições de ter o futebol como um instrumento de promoção social, econômica e, claro, política. Segundo o jornal South China Morning Post, os chineses farão uma candidatura teste em 2030, com olhos em vencer a disputa em 2034.

LEIA TAMBÉM: Bulgária, Grécia, Romênia e Sérvia estudam uma “candidatura balcânica” à Copa de 2030

Como o país tem planos ambiciosos esportivamente, já sediou a Olimpíada de 2008, em Pequim, e tornou desde então a sua liga nacional muito mais forte, investindo primeiro em grandes estrelas e, depois, gastando pesado na formação, incluindo aí melhorar as infraestruturas do país. Assim, o país quer dar potencializar ainda mais isso e planeja sediar as Olimpíadas de 2032 com Xangai e ter, dois anos depois, a Copa do Mundo.

Xangai é a cidade em voga atualmente no futebol da China. É lá que há um dos estádios especificamente construídos para futebol, o Hongkou Stadium, casa do Shanghai Shenhua. O recém-coroado campeão chinês Shanghai SIPG, dos brasileiros Oscar, Elkesson e Hulk, irá se mudar para um estádio específico de futebol em breve. É parte da reestruturação da cidade para reforçar ainda mais o futebol da região.

O Brasil teve planos ambiciosos similares ao conquistar as sedes da Copa do Mundo de 2014 e depois da Olímpiada de 2016, realizada no Rio de Janeiro. O governo chinês sonha com a Copa do Mundo há muito tempo. Em 2011, o presidente Xi Jinping anunciou o objetivo de receber a principal competição de futebol no mundo. Em 2007, o país recebeu a Copa do Mundo feminina, mas sonha em receber o torneio masculino e pretende tirar o projeto do papel.

Em 2017, o presidente chinês se encontrou com o presidente da Fifa, Gianni Infantino, e reiterou o desejo expresso em 2011. “O presidente chinês expressou seu desejo e o sonho de muitos chineses que o país tenha a oportunidade de sediar uma Copa do Mundo masculina em algum ponto no futuro”, dizia um comunicado divulgado pela China depois do encontro.

Em novembro de 2017, Marcelo Lippi, técnico da China, disse ao Chengdu Business Daily que o país será candidato a sediar a Copa. “O que eu também gostaria de dizer a você é que a Federação Chinesa irá concorrer para sediar a Copa de 2030”, afirmou o treinador italiano.

A China não conseguiu se classificar para a Copa 2018, mas empresas chinesas, como o Grupo Wanda (sim, a mesma que dá nome ao estádio do Atlético de Madrid), estão muito ativas no futebol. O Grupo Wanda é, inclusive, patrocinador da Fifa em contrato válido até 2030. Em 2022, com a Copa do Mundo sendo realizada no Catar, a China terá nova chance de tentar chegar ao torneio. A única vez que a China jogou uma Copa foi em 2002, quando a competição foi jogada no Japão e Coreia do Sul – dois países que garantiram vaga sem precisar de Eliminatórias e, assim, abriram vaga para outros, como a China.

A candidatura para a Copa 2030 deve ser usada como teste, sabendo que a ideia da Fifa para o Centenário é ter uma candidatura muito mais significativa. Neste momento, quem pinta como candidata é a candidatura conjunta de Argentina e Uruguai, que incluiria também o Paraguai. Há também uma ideia sendo estudada por Bulgária, Grécia, Romênia e Sérvia para uma candidatura balcânica também para 2030. Em 2026, a Copa será realizada pela primeira vez em três países, Estados Unidos, México e Canadá.