Chilenos vão bem; Hondurenhos péssimos

 O Chile tem sido uma das sensações desta Copa do Mundo. Futebol bonito, jogadores habilidosos, jogadas elásticas, enfim, um pouco do famigerado “Joga bonito” que tanta gente defende e quer para a Seleção Brasileira. Só que, mesmo com tudo isso, foram duas vitórias magras por 1 a 0. E a classificação corre risco.

Na última rodada, os chilenos enfrentam a Espanha, que após a surpreendente derrota para a Suíça por 1 a 0, bateu Honduras por 2 a 0 na segunda rodada e chega mais vida do que nunca ao derradeiro jogo da primeira fase. Se a equipe do técnico Marcelo Bielsa for derrotada, precisa torcer contra os suíços. Por outro lado, um empate garante a primeira colocação do Grupo H.

Só que os comandados de Bielsa tem demonstrado algumas falhas. Valorizar o ataque é muito fácil, por isso é preciso ver com calma as falhas no setor defensivo e a péssima pontaria dos atacantes.

A defesa chilena não passa confiança. Os laterais Gary Medel e Mauricio Isla marcam muito mal, enquanto a dupla de zagueiros formada por Waldo Ponce e Gonzalo Jara é fraca por natureza. Como não há uma proteção adequada do meio campo, o setor defensivo fica muito exposto. A partida contra a Suíça, mesmo, só não terminou empatada por muita sorte do goleiro Claudio Bravo.

Além disso, o ataque, que cria, cria, cria e desperdiça todas as jogadas, precisa treinar finalizações urgentemente. Humberto Suazo, que poderia ser a solução, ainda está fora de forma, e contra os suíços saiu no intervalo, provavelmente sentindo novamente as lesões.

Agora, Honduras

Difícil analisar o fraco time hondurenho. Contra a Espanha, a equipe do técnico Reynaldo Rueda – que, por sinal, debutou na Copa do Mundo – demonstrou muito pouco. Os irmãos Palacios não conseguem render o esperado, enquanto David Suazo não chama o jogo para si e não é a estrela que se espera do time.

A equipe marca mal, dá muitos espaços no meio campo, comete falhas defensivas seguidas e deixa-se envolver pelo toque de bola adversário. Até agora foram dois jogos e duas derrotas, com saldo de -3. Mesmo assim, Honduras chega à última rodada do Grupo H com chances matemáticas de avançar. Tem, no entanto, que golear a Suíça, uma das melhores defesas do mundo, e ainda torcer para que o Chile derrote a Espanha.

Tarefa virtualmente possível e na prática impossível.