O zagueiro Giorgio Chiellini é certamente um exemplar raro de profissional dentro do futebol. O jogador não só conseguiu se formar em Economia e Comércio, em 2017, como ainda fez um mestrado, concluído em 2017. Experiente e atualmente capitão da Juventus, o jogador falou sobre os estudos em uma live no Instagram com a apresentadora italiana Martina Colombari. Comentou sobre seu plano de jogador a Eurocopa, falou sobre aposentadoria e lembrou também do passado como torcedor milanista, além de citar técnicos de futebol, entre os que trabalhou e aquele que só admira.

Chiellini sofreu uma terrível lesão ao romper o ligamento cruzado anterior no começo da atual temporada, no final de agosto. O jogador só voltou a jogar no meio de fevereiro, pouco antes da pandemia do coronavírus paralisar o futebol. Com 35 anos, havia quem temesse que a lesão poderia encerrar precocemente a carreira do jogador. “Eu acho que se tivesse acontecido 10 anos atrás, eu não teria a tranquilidade para aceitar”, afirmou o jogador.

“Aos 35 anos, com a experiência que eu tenho, eu posso entender que é uma fase e você coloca energia para se recuperar. Eu melhorei de maneira geral a minha mentalidade, porque quando eu era mais jovem, eu usava muita energia em ficar nervoso. Eu tenho uma vida feliz, então lembrar disso em momentos ruins ajuda a dar foco àquela raiva”, disse o zagueiro.

Guardiola, Conte e Allegri: técnicos especiais

“Eu assisti àquele documentário sobre o Manchester City e você pode ver que o carisma que Guardiola tem é realmente especial, mesmo com fraquezas”, analisou Chiellini, comentando sobre o técnico catalão. “Para alguém que é apaixonado por futebol, você pode imediatamente perceber a grandeza. Eu não tive a sorte de conhecer Guardiola, eu só o vi de longe”.

Apesar de não ter trabalhado com Guardiola, Chiellini teve outros grandes técnicos. Antonio Conte, Massimiliano Allegri e, agora, trabalha com Maurizio Sarri. Todos eles muito badalados na Itália. “Até Conte chegar, um defensor era apenas um defensor. Focaria nas coisas simples, e não criaria algo de trás, mas ele insistiu desde o começo que nós deveríamos criar também. Antonio me cobrou muito e me devolveu muito”, contou Chiellini.

“Allegri e Conte eram genuinamente técnicos especiais para mim e me ajudaram a amadurecer taticamente. Marcelo Lippi era capaz de ler situações mais do que táticas, ele tinha uma análise clara e honesta com todo mundo. Eu era muito jovem quando eu trabalhei com ele para realmente aproveitar isso”, disse ainda o defensor.

Torcedor do Milan e ódio pela Inter

Chiellini causou alguma polêmica com o lançamento da sua autobiografia, que entre outras coisas, ele falou sobre Balotelli e Felipe Melo e também sobre ser torcedor do Milan quando criança e que odiava a Internazionale “esportivamente”. Com Balotelli ele se entendeu em um programa de TV, quando pediu desculpas ao atacante. Felipe Melo, por sua vez, respondeu com agressividade. O zagueiro comentou na live sobre a questão de ser torcedor do Milan.

“Eu era torcida do Milan quando estava crescendo e eu ainda era quando comecei a jogar na Serie A. Meu irmão e meu pai torciam para a Juventus, enquanto minha mãe e eu torcíamos para o Milan. Quando eu fui contratado pela Juventus em 2004, não caiu bem…”, contou o zagueiro.

Ele ainda falou sobre uma mudança que tem acontecido nos clubes italianos: de terem donos estrangeiros. Entre os maiores, só a Juventus segue pertencendo a uma família italiana, os Agnelli, donos da Fiat, entre outras empresas. A Inter é de uma empresa chinesa, o Milan passou por chineses e está em um fundo americano, a Roma tem um dono americano. A Lazio é outra a ter dono italiano, o empresário Claudio Lotito.

“Havia uma sensação mais familiar dos clubes na Itália, como Massimo Moratti na Inter ou Silvio Berlusconi no Milan. O mundo está mudando e nós temos que nos adaptar também, mas há alguma nostalgia e respeito por aquela era”, opinou o jogador.

Confrontos com Ibrahimovic

“Ele é um adversário que tirava o melhor de mim. Ele tinha 24 anos e era muito forte fisicamente, apenas o fato que eu conseguia acompanhá-lo e não demonstrar medo me rendeu o seu respeito. Eu tinha que dar o meu melhor

“Cristiano Ronaldo fez muitos gols contra nós”

“Infelizmente, Cristiano Ronaldo marcou muitos, muitos gols contra nós antes de ele vir para a Juventus, então ainda bem que hoje ele é meu companheiro! Ele está em outro nível, dá para dizer isso e é apenas o correto admitir. Quando você tem um campeão como esse, você tem que tirar o máximo dele”, afirmou Chiellini.

Mestre em Administração

Chiellini conseguiu algo raro entre jogadores: estudou e se formou mestre em Administração de Empresas em 2017. “Eu já estava jogando na Serie B aos 19 anos, então eu não consegui estudar. Quando eu tive algum tempo livre, eu pensei: por que ficar só no Playstation? Eu queria fazer algo diferente e consegui concluir o curso de três anos em quatro anos, graças a um plano de estudo”, contou Chiellini.

“Há aqueles que tem 17 anos e têm tanta pressão sobre eles, tantas expectativas que arruínam suas carreiras. Eu sou grato que eu tive experiências na Juventus, Inter e Milan, mas o Livorno insistiu em me manter, porque isso significou que eu tive uma adolescência normal”, continuou o jogador.

“Na minha visão, há duas coisas realmente difíceis em ser um jogador de futebol profissional. A primeira é manter os pés no chão, a segunda é lidar com a solidão. Você precisa que a força mental dentro de você surja daqueles momentos sombrios. A família também ajuda, já que o negócio te torna mais egocêntrico, então em casa você é trazido de volta à Terra”, explicou ainda o jogador da Juventus.

Ao menos mais um ano antes da aposentadoria

Chellini ainda não sabe quando irá parar de jogar, mas sabe que não será ao final da atual temporada. “Eu jogarei por outro ano, então eu verei como eu me sinto e como minhas pernas aguentam. Eu posso me aposentar no próximo verão ou ter mais uma temporada depois disso. Eu gostaria de continuar no mundo do futebol, provavelmente em um cargo mais diretivo do que de técnico, mas você nunca sabe na vida”, declarou.

Embora a conversa tenha ido para o pós-carreira, o jogador ainda tem um grande objetivo enquanto está em campo: jogar a Eurocopa, que agora será em 2021. “Eu espero poder jogar a Eurocopa adiada, então eu posso agir como uma espécie de babá para esses jogadores jovens e talentosos no elenco. É como fechar um ciclo”, disse o jogador.

O contrato de Chiellini vai até o fim desta temporada, mas não deve haver problemas para que o jogador renove por mais uma temporada. Chiellini fará 36 anos em agosto, idade que ele terá quando chegar o momento da Eurocopa, se ela for mesmo disputada no próximo ano.