O Los Angeles Galaxy anunciou a contratação do atacante Javier Hernández, conhecido como Chicharito. Aos 31 anos, ele chega para ser o jogador mais bem pago da MLS, como jogador designado no clube que tinha Zlatan Ibrahimovic na temporada passada. Depois de 10 anos jogando na Europa e muitos flertes com a MLS, finalmente o jogador irá atuar na liga dos Estados Unidos. Para ter o ex-jogador do Manchester United, o Galaxy pagou € 8,5 milhões (US$ 9,4 milhões) ao Sevilla, último clube do jogador, segundo a Sports Illustrated.

O salário do mexicano será um dos maiores da liga: algo em torno de US$ 6 milhões anuais. Com as cláusulas de bônus, ele pode ser o jogador mais bem pago da MLS. Carlos Vela, do Los Angeles FC, e Jozy Altidore, do Toronto FC, recebem US$ 6,3 milhões por ano. A contratação é uma grande conquista para o Galaxy e para a MLS.

Não é do tamanho de Beckham, mas é uma contratação de um jogador ainda em uma idade de alto nível e, melhor ainda, que tem algo que o mercado de Los Angeles fica muito atraído: um mexicano. E não é qualquer um, é o maior artilheiro da Tri, com 52 jogos em 109 jogos. No Galaxy, jogará com o compatriota Jonathan dos Santos.

Para o Galaxy, repõe a saída de Ibrahimovic com um outro atacante de alto nível. Mais do que isso, ainda chama muito a atenção para o importante mercado mexicano, em uma cidade onde isso tem um peso grande, Los Angeles. Mais ainda: cria um clássico da cidade que se torna ainda mais atrativo, já que o Los Angeles FC tem como principal estrela o também mexicano Carlos Vela, um dos grandes destaques da temporada 2019 na MLS. A rivalidade entre os dois times será ainda mais interessante, com o clássico “El Tráfico” sendo muito atrativo também para os mexicanos.

Chicharito precisará marcar gols para substituir o sueco, que fez 53 gols em 58 jogos pelo time californiano. O jogador deixou o clube ao final de 2019, quando acabou o seu contrato, e acertou para voltar ao Milan. O mercado do Galaxy já tinha incluído Emiliano Insua, Sacha Kljestan e Aleksandar Katai. Chicharito é a cereja do bolo. Terá ao seu lado Cristian Pavón, ex-Boca Juniors, que fez boa parceria com Zlatan Ibrahimovic.

“Era a hora certa, a oportunidade certa”, afirmou Hernández em entrevista ao Los Angeles Times. “Jonathan me disse que a liga é muito subestimada”, continuou o atacante. “Eu estarei jogando. É isso que quero na minha vida. As pessoas vão dizer que é porque eu não fui bem [na Europa], mas às vezes no futebol há coisas que não estão nas suas mãos”, continuou o jogador.

“Nos últimos dois anos, os técnicos decidiram em dar confiança a outros jogadores que não a mim. E agora, o LA Galaxy, o técnico do clube e a liga estão me dizendo: ‘Olhe, Javier, nós queremos te dar toda confiança, toda confiança que nos ajudou’, e é por isso que estou aproveitando esta oportunidade”, declarou o jogador.

“Eu realmente acredito que não venho aqui para me aposentar”. Tanto é que o jogador tem planos mirando em 2022: quer jogar a Copa do Mundo no Catar. “Neste momento, minha mente está completamente no Los Angeles Galaxy”, continuou o mexicano.

Formado pelo Chivas, brilhou pelo clube mexicano de 2006 a 2010, quando foi vendido ao Manchester United. Ficou quatro anos nos Reed Devils, onde teve as melhores fases da sua carreira. Por lá, fez 157 jogos e 59 gols. Foi emprestado por uma temporada ao Real Madrid, na temporada 2014/15, mas não permaneceu.

Acabou vendido ao Bayer Leverkusen em 2015, da Alemanha. Depois, saiu de lá para o West Ham, em 2017, e em 2019 se transferiu para o Sevilla. Pelo clube espanhol, jogou 17 vezes, fez quatro gols, mais vindo do banco do que jogando. Acabou liberado para acertar com o clube dos Estados Unidos.

“Eu poderei jogar em frente a torcedores mexicanos, do Galaxy, americanos”, disse Hernández. “É isso que é ótimo no futebol. Ele te dá muitas oportunidades”. Em clubes, Chicharito fez 424 jogos e marcou 156 gols. Ele terá uma missão dura ao substituir Ibrahimovic, mas tem tudo para ser uma atração enorme na cidade dos anjos. A ansiedade pelo clássico da capital será imensa, dentro e fora do país, de olho especialmente no México.

Por tudo isso, a contratação de Chicharito é uma tacada de mestre do Galaxy. Repõe tecnicamente o seu ataque com um jogador de alto nível – manter o nível de Ibra será difícil, mas o mexicano tem capacidade de fazer muitos gols -, e ainda ganha uma grande atração fora de campo para um público que quer atingir.