Vencer times pequenos que jogam fechados em casa era uma dificuldade do Chelsea na temporada passada. No seu primeiro jogo em casa na temporada 2014/15, a dificuldade voltou a aparecer contra o Leicester, recém-promovido à primeira divisão. O goleiro Thibaut Courtois teve que fazer algumas defesas para impedir uma derrota e, do outro lado, o goleiro Kasper Schmeichel parecia naqueles dias que não sofreria gol nem com reza brava. Só que tinha Diego Costa do lado azul e isso fez diferença, com um daqueles gols de bate rebate, de sufoco, de pressão total que o time que tem um centroavante bom de serviço pode contar que ele vai mandar para dentro, seja como for. E foi assim. Foi dele o gol do 1 a 0, e Hazard fez 2 a 0 já na parte final do jogo.

PREMIER LEAGUE: O guia corneteiro da Premier League 2014/15

Vale destacar a jogadaça de Branislav Ivanovic no primeiro gol do time azul de Londres. Foi o lateral sérvio que entrou na área como um trator, driblando os adversários e jogando a bola no bololô da marca do pênalti, onde Diego Costa se impôs e chutou do jeito que deu para balançar as redes. A diferença do Chelsea da temporada passada para esta passa por isso. Tem um meio-campo mais dinâmico e criativo com Cesc Fàbregas no centro e um ataque muito mais forte fisicamente e capaz de gols em praticamente qualquer situação com Diego Costa.

Fàbregas não fez uma boa partida no seu primeiro jogo de Premier League no Stamford Bridge. Mesmo assim, conseguiu dar um passe para gol, o de Hazard, ainda que o mérito tenha sido praticamente todo do belga no gol. Vindo da esquerda, ele chutou cruzado, contou com desvio e marcou.

O Chelsea ainda está longe do seu melhor, mas continua dando sinais que será um time melhor e mais forte que na temporada passada. A começar pelo gol. Não que Petr Cech não seja excelente goleiro, mas incrivelmente o belga Coutois conseguiu melhorar ainda mais o nível. Fez duas defesas difíceis que impediram que o Leicester saísse na frente.

SEM DIEGO COSTA: Atleti conquista a Supercopa para ressaltar que futebol é conjunto

Fàbregas dá ao meio-campo mais dinâmica, mais movimentação, que Oscar ajuda muito a manter, muitas vezes trocando de posição. É um jogador muito trabalhador em campo, chutou uma bola na trave e quase fez seu primeiro gol vestindo a camisa 8, que era de Lampard. Schürrle começou muito bem a temporada e vem sendo o titular no lado direito do ataque não por acaso. É rápido, se movimenta bem, aparece dentro da área para finalizar e sabe recompor. É o tipo de jogador que todo técnico gosta.

Os gols do Chelsea terem sido de Diego Costa e Hazard é bastante simbólico. O belga nem fez um grande jogo nesta segunda rodada da Premier League, mas o novo dono da camisa 10 é um dos jogadores de Mourinho que podem decidir os jogos em um lance. Assim como Diego Costa, que dominou a bola de pescoço no lance que abriu o placar. Fez um gol que lembra aqueles gols de Copa Kaiser [nota do editor: tradicional campeonato de várzea em São Paulo], que só centroavantes realmente artilheiros sabem fazer. O Chelsea vem forte. E é bom ficar de olho. Porque se antes um time fechadinho atrapalhava a equipe de Mourinho em casa, nesta temporada o time parece ter mais armas contra isso.