Chegou o atacante que Mourinho tanto queria: Carlos Vinícius foi anunciado pelo Tottenham

Faz tempo que José Mourinho perdeu o pudor de cobrar contratações em público – se é que um dia realmente o teve. Esforçou-se para que todos soubessem que precisava de um novo atacante, após perder Harry Kane e Son em sequência no começo do ano. Nesta sexta-feira, o Tottenham cumpriu o seu desejo com o anúncio do brasileiro Carlos Vinícius, um dos artilheiros do último Campeonato Português pelo Benfica.

O negócio parece interessante. Primeiro, pelas condições financeiras. Vinícius chega por empréstimo, ao custo de € 3 milhões, e com uma cláusula de compra de € 45 milhões. Não é, porém, obrigatória. O Tottenham a pagará apenas se achar que o brasileiro correspondeu como reserva de Kane ou eventualmente atuando junto ao capitão – o que, pelas características de ambos, pode acontecer.

Vinícius era zagueiro nas categorias de base do Palmeiras. Não teve muitas chances e tentou a sorte na Caldense, pela qual atuou de volante, e também no Grêmio Anápolis. Em Goiás, foi observado pelo Real Sport Clube e começou a sua aventura europeia com 19 gols em 37 jogos na segunda divisão portuguesa. O Napoli achou que era o suficiente para apostar € 4 milhões em seu futebol.

Foi imediatamente emprestado para ganhar rodagem. Marcou oito vezes em 14 partidas pelo Rio Ave, agora na elite do Campeonato Português, e depois passou outros seis meses no Monaco, na segunda parte de uma temporada conturbada. Começou com Leonardo Jardim, demitido e substituído por Thierry Henry antes de retornar para salvar a equipe – por pouco – do rebaixamento. Vinícius contribuiu com dois tentos em 16 jogos, raramente como titular.

O Benfica dobrou a aposta. Quadruplicou-a, na verdade. O Napoli aceitou o lucro quase imediato e o vendeu por € 17 milhões. E Carlos Vinícius, que havia mostrado duas vezes que tinha futebol para se dar bem em Portugal, explodiu, com 18 gols – artilheiro do torneio ao lado do colega Pizzi e de Mehdi Taremi, do Rio Ave – e seis assistências. Marcou mais cinco vezes e deu quatro passes diretos na Taça de Portugal, além de deixar sua marca no empate por 2 a 2 contra o RB Leipzig, pela Champions League.

Com passado como defensor, tem um físico avantajado de 1,90 metros e uma perna esquerda letal. Não é um atacante totalmente fixo, mas limita sua movimentação aos arredores da grande área. Encaixa-se bem em contra-ataques e ligações diretas, o que o torna perfeito para Mourinho, e costuma tomar decisões rápidas. O treinador Daniel Ramos, que o comandou no Rio Ave, falou um pouco mais sobre suas características à Rádio Renascença.

“É um finalizador puro, muito frio com o seu pé esquerdo. É rápido, pede a bola em profundidade e é bom nas tabelas. Segura bem a bola e tem uma grande capacidade de explosão. Bate muito bem na bola e, por isso, faz gols com imensa facilidade. Não é muito fixo, não tem um grande jogo aéreo, é isso que tem que melhorar. Ataca bem o espaço e precisa de outro jogador ao seu lado, que lhe dê essa mobilidade e que aproveite os espaços que ele abre”, disse, em julho do ano passado, quando Vinícius chegava ao Benfica.

Especialmente aquela última parte abre uma possibilidade interessante para que ele atue ao lado de Kane em algumas situações. O atacante inglês sempre teve facilidade para recuar e atuar como um armador, tanto que deu quatro assistências na goleada sobre o Southampton. Duas vezes artilheiro da Premier League, sabe alguma coisa sobre entrar na área e fazer gols também.

É um encaixe que pode ser importante porque havia uma crença que a dificuldade do Tottenham em contratar um outro atacante existia porque nenhum jogador de alto nível queria arriscar ser apenas reserva de Kane. “Não sou eu que tenho que convencer o atacante, é o atacante que tem que me convencer”, havia dito Mourinho. “E se o atacante está com medo de vir ao Tottenham, se o atacante tem medo da competição, eu não quero esse atacante”.

“Se ele disser que não quer vir porque não quer estar em um time que tem Kane, Son, Lamela, Lucas, então adeus. O jogador decide quem joga, não eu. Se um atacante vier para cá… eu sei que temos o melhor atacante do país, nenhuma dúvida quanto a isso, mas o atacante que vier tem que chegar com suas próprias ambições. Se ele não tiver ambições, não pertence aqui”, acrescentou.

Carlos Vinícius parece a cereja no bolo de um bom mercado do Tottenham. Reforçou as duas laterais com Matt Doherty e Reguilón, o meio-campo com Höjbjerg e o atacante com o brasileiro e, claro, Gareth Bale, gastando um total de aproximadamente € 65 milhões. Para levar o 10, faltaria apenas mais um zagueiro, mas seguir a temporada com nota 9,5 já seria suficiente – ou deveria ser – para deixar Mourinho satisfeito.

PS: O Tottenham anunciou Carlos Vinícius com este vídeo que, sinceramente, não fez muito sentido para mim, mas parece brincar com os constantes pedidos de Mourinho por um atacante, a única posição que faltava no dicionário do Tottenham no Word.

.

.