Dono de uma das maiores torcidas do país. Clube dos mais tradicionais do continente. Favorito a uma vaga nas oitavas da Libertadores. Empolgado com a possibilidade de repetir um título continental… Protagonista de um vexame. De um não! De dois vexames. Se o nome desta seção não fosse América do Sul o leitor bem poderia achar que falo do Flamengo… A situação é parecida, mas trato aqui do Olimpia, eliminado da Libertadores pelo Emelec no Defensores del Chaco em um jogo incrível e histórico.

A virada épica dos Eléctricos, porém, não pode disfarçar o papelão que o clube paraguaio fez na Libertadores 2012. Desde 2004 o Decano não participava do torneio de clubes mais importante do continente, conquistado pelo próprio em três oportunidades. Por isso e pela ótima forma no primeiro e, principalmente, no segundo semestre de 2011, o Olimpia chegava à Libertadores com grandes expectativas e aparente alta ambição.

A derrota por 1 a 0 para o Emelec em Guayaquil foi tratada como uma fatalidade. Sobretudo após a vitória por 2 a 1 contra o Lanús em Asunción. O que dizer então do empate em 3 a 3 com o Flamengo nos 15 minutos finais, após ter levado um 3 a 0 do rubro-negro? A reação incrível levou muitos torcedores a cogitarem o quarto título da América e o que era para ser uma péssima atuação do time fora de seus domínios se tornou motivo para acreditar em uma grande conquista. A euforia seguiu com bons resultados no campeonato paraguaio e o triunfo por 3 a 2 em casa contra o mesmo Flamengo.

Nem o mais pessimista dos torcedores, porém, poderia imaginar o que aconteceu em logo em seguida. Seis dias depois da vitória contra os brasileiros, o Olimpia foi à Argentina e tomou seis a zero do Lanús, em uma noite horrível dos olimpistas. O setor defensivo foi uma piada. O meio de campo não marcou, enquanto o ataque pouco fez. Os olhares do goleiro Martín Silva para os companheiros de time após cada um dos gols eram sintomáticos. Parecia dizer: “Que p**** é essa?!”.

O resultado vexaminoso, no entanto, não significava muito em termos de classificação. Afinal de contas o Olimpia somava naquele momento oito pontos em cinco jogos, ocupava a segunda posição do grupo e estava dois pontos à frente do Flamengo, que ainda jogaria sua quinta partida, mas que precisava vencer o Emelec para assumir a segunda posição e ainda mantê-la na rodada final. Mesmo com chances razoáveis de classificação, o presidente olimpista, o falastrão Marcelo Recanate, fez questão de vir a público declarar que, se o Flamengo vencesse o Emelec no dia seguinte, era melhor o Olimpia esquecer a Libertadores e se concentrar no campeonato paraguaio.

Jogo de cena ou não, o fato é que o Flamengo não só ficou sem a vitória contra o, em tese fraco, Emelec, como ainda perdeu o jogo por 3 a 2, deixando o Olimpia com a faca e o queijo na mão. Os paraguaios precisariam apenas de uma vitória em casa para se classificar, ou então torcer para o Flamengo não vencer o Lanús. De casa cheia, com todo o apoio de mais de 30 mil torcedores no Defensores del Chaco, e com um time bem melhor tecnicamente, o Olimpia não foi páreo para o Emelec, superior na maior parte do jogo e com um espírito condizente com a disputa de uma Libertadores.

Se por um lado a entrega dos olimpistas também deva ser valorizada – afinal de contas por pouco o time não ficou com a vaga – por outro a falta de inteligência que reinou nos últimos dois jogos do torneio continental precisa ser amplamente frisada. Nos seis a zero contra o Lanús os paraguaios tomaram quatro gols pelo lado esquerdo da defesa, sendo que em todos houve falha de cobertura e posicionamento. Diante do Emelec a zaga levou um gol de cabeça em cruzamento da intermediária, jogada que havia sido repetida pelos Eléctricos à exaustão contra o Flamengo. Para piorar, Mondaini ainda se abaixou para balançar as redes. O segundo gol também aconteceu em falha de cobertura defensiva, enquanto no terceiro Quiñonez subiu sozinho para marcar. Ou seja, incompetência plena dos jogadores e do técnico Gerardo Pelusso, que deixaram o Olimpia com a pior defesa entre os 32 times da Libertadores, com 16 gols sofridos em seis jogos.

Poucos minutos depois da eliminação, Marcelo Recanate voltou a falar e novamente expôs parte do seu sentimento e, quem sabe, dos que jogam e dirigem o clube. O mandatário disse que estava muito triste, mas que no domingo o time ia se recompor. Explica-se: no domingo o Olimpia joga com o Cerro Porteño pelo campeonato paraguaio. O posicionamento foi acompanhado por alguns jogadores, que declararam que esta não é a forma de se jogar a Libertadores, mas que o clássico estava logo ali. Claro que se lamentar e olhar para trás não é a solução neste momento, mas uma eliminação vexatória destas, ou mesmo a derrota por seis a zero, deveria causar algum outro sentimento em jogadores, dirigentes e técnico…

Não causa. “Foi o azar”, “não aproveitamos as chances”, “estamos tristes”, “foram os deuses do futebol”…  Em ótima análise o colega trivelista Menon disse que para o Flamengo, atualmente, o Rio de Janeiro basta. Para o Olimpia parece ter ficado claro também: o Paraguai é suficiente.

Tuitadas da Libertadores

Grupo 1: Não houve jogos nesta semana

 

Grupo 2: Além do fracasso do Olimpia, vale muito dar os méritos ao Emelec. Os equatorianos aceitaram as próprias limitações para conseguir um resultado histórico e a classificação. No outro jogo o Flamengo deu um banho no Lanús, mas já não adiantava mais.

Grupo 3: O Bolívar fez um ótimo jogo, mas não foi o suficiente para vencer a Unión Española no Chile. Resultado classificou os hispanicos e deixa a decisão da segunda vaga pro confronto direto entre bolivianos e a Universidad Católica.

Grupo 4: O Boca Juniors mostrou que muitos analistas brasileiros estavam afobados demais nas avaliações. Briga boa pela liderança. No outro jogo o Zamora fez o que pôde – o que é pouco – e perdeu para o Arsenal.

Grupo 5: O Libertad venceu o Alianza Lima por 2 a 1 fora de casa e conseguiu a classificação em primeiro lugar. O Vasco poderia ter tentado mais um gol contra os reservas do Nacional, mas não passou do 1 a 0. Por fim: que show da torcida do Bolso.

Grupo 6: O Corinthians fez o que dele se esperava. Sem sustos, o Timão venceu o Nacional “fora de casa” e se encaminha para uma boa colocação entre os primeiros lugares.

Grupo 7: O Deportivo Quito dominou o jogo contra o Defensor Sporting e sacou uma importante vitória para suas ambições na Libertadores. A decisão da vaga será na altitude de Quito contra o já eliminado Chivas. Na outra partida o Vélez fez o suficiente para vencer os mexicanos por 2 a 0.

Grupo 8: Com pressão desde o início do jogo o Atlético Nacional espantou a crise que rondava o clube e venceu o Peñarol com autoridade por 3 a 0. Confronto decisivo com a Universidad de Chile valerá a primeira posição da chave.

Mais paraguaias

– No Apertura do Paraguai o Olimpia continua vencendo e liderando. O Decano bateu o Sportivo Luqueño por 2 a 1 e chegou aos 26 pontos em dez jogos. O segundo colocado é o Cerro Porteño, que não passou de um 2 a 2 com o Sol de América e que tem agora 22 pontos.

– O Nacional perdeu por 2 a 0 para o Rubio Ñu em casa, mas ainda é o terceiro, com 18 pontos. O Guaraní venceu o Sportivo Carapeguá por 2 a 1 e é o quarto, com 16 pontos. Na quinta posição, também com 16 pontos em dez jogos, está o Libertad, após empate em 1 a 1 com o Independiente

Bolivianas

– Faltando sete rodadas para o fim do campeonato, o Blooming mantém a liderança do Clausura. A equipe chegou aos 30 pontos em 15 jogos após vencer o Bolívar por 2 a 0 e empatar com o Guabirá em 0 a 0. O Aurora venceu o mesmo Guabirá e também bateu o San José e ocupa agora a segunda posição, com 24 pontos. O Oriente Petrolero é o terceiro e o Nacional de Potosí o quarto, ambos também com 24 pontos.

-Na segunda divisão o tradicional Jorge Wilstermann conseguiu uma classificação na bacia das almas e vai enfrentar o décimo colocado da elite boliviana para ver quem permanece na primeira no ano que vem. O jogo deve acontecer no final de maio.

Equatorianas

– Surpresa no Primera Etapa equatoriano. O Independiente José Terán venceu o Emelec por 2 a 1 e agora é o líder do torneio, com 18 pontos em dez jogos. O próprio Emelec é o segundo, com 17 pontos, mas em nove jogos. A terceira posição é do Deportivo Cuenca, que venceu o El Nacional fora de casa por 2 a 1 e chegou também a 17 pontos, porém com dez jogos feitos.

– A derrota do El Nacional motivou a saída do técnico uruguaio Mario Saralegui. Ele já vinha sendo alvo de pressão de dirigentes e acabou deixando o clube quando colocou seu cargo à disposição. Para seu lugar o time de Quito acertou com Sixto Vizuete, que teve destaque com a seleção sub-20 do Equador e que parte agora para seu primeiro desafio no comando de uma equipe profissional. O Bi-Tri está na oitava posição.

– Mudança também no Barcelona. A equipe vinha muito bem no campeonato equatoriano sob as ordens de Luis Zubeldía, mas o professor teve divergências com dirigentes do clube e pediu o boné. Para seu lugar foi contratado o também argentino Gustavo Costas, que estava sem clube depois de deixar o Al Nassr, da Arábia Saudita. Costas tem no currículo dois títulos pelo Alianza Lima – 2003 e 2004 – e um pelo Cerro Porteño- 2005. O Barcelona ocupa a quarta posição do torneio deste ano, com 16 pontos em nove jogos.

– A LDU ficou no 1 a 1 com o próprio Barcelona e ocupa agora a quinta posição, com 16 pontos, mas dez jogos.

Chilenas

– No campeonato chileno segue a disputa entre Universidad de Chile e O'Higgins. La U bateu o Santiago Wanderers por 3 a 0, retomou o caminho das boas atuações também no cenário local e manteve a liderança, agora com 28 pontos em 11 jogos. Já o O'Higgins venceu o Unión San Felipe por 2 a 1 e chegou a 25 pontos, também em 11 jogos. Mesmo com a derrota para a Universidad de Chile, o Santiago Wanderers é o terceiro, com 19 pontos. Deportes Iquique, Universidad Católica, Huachipato, Unión Española e Colo-Colo completam os oito que estariam classificados para os playoffs.

– O Colo-Colo busca novo técnico. O clube passou por eleições nesta semana e a primeira atitude do novo presidente do Cacique, Carlos Tapia, foi demitir o treinador Ivo Basay nesta quarta-feira. A decisão foi tomada depois de o Colo-Colo perder por 4 a 2 no final de semana para a Unión Española, dando sequência à péssima fase do clube, que pretende voltar ao caminho das conquistas nesta temporada. Alguns nomes já são cogitados, entre eles Juan Manuel Pizzi, de boa campanha com a Universidad Católica em 2010, e Juan Ramón Carrasco, hoje no Atlético Paranaense.

– Há pouco mais de um mês esta coluna falou da situação complicada do Cacique e do próprio Basay neste link: http://bit.ly/y7k54q

Colombianas

– No Apertura colombiano o líder Tolima empatou em 2 a 2 com o Boyaca Chicó e deu a chance de o Atlético Huila pular na frente… Não fosse a derrota dos “desafiantes” por 4 a 0 para o Santa Fé. O tropeço dos dois abriu espaço para La Equidad, que fez 2 a 0 no Patriotas fora de casa e está nos calcanhares dos ponteiros.

– A tabela do campeonato tem agora o Tolima com 22 pontos em 11 jogos, seguido pelo Huila, com 21, e por La Equidad, também com 21. O Santa Fe é o quarto com 18, mesma pontuação do quinto colocado Itagüí. Completam os oito que estariam hoje classificados às quartas de final Deportivo Pasto, Deportivo Cali e Patriotas.

– O Atlético Nacional ficou no 0 a 0 com o Envigado e ocupa a 14ª posição. O Junior de Barranquilla perdeu por 3 a 1 para o Millonarios e é o 11º, enquanto o Once Caldas, que deve estrear no fim de semana seu novo treinador, Eduardo Cruz, foi derrotado por 4 a 1 pelo Deportivo Pasto.

Uruguaias

– No Clausura uruguaio o Liverpool se recuperou da derrota por 4 a 2 sofrida ante o Defensor Sporting e bateu o Cerro por 2 a 1 em casa. O resultado mantém os negriazules na liderança do torneio, agora com 18 pontos em sete jogos. Na segunda posição aparece o próprio Defensor Sporting que, por causa da Libertadores, não jogou e mantém 14 pontos em seis jogos. O terceiro é o Peñarol, que também não atuou em função do torneio continental e que soma 13 pontos, também em seis jogos.

– O Cerro Largo é o quarto, com 13 pontos em sete jogos após vitória por 3 a 0 fora de casa contra o Rampla Juniors. O quinto é o Nacional que fez 3 a 1 no Bella Vista, com direito a hat-trick do atacante Richard Porta.

– A derrota do Defensor Sporting para o Deportivo Quito pela Libertadores aumentou ainda mais as chances de nenhum uruguaio chegar às oitavas do torneio. Algumas razões para esse “fenômeno” foram tratadas neste espaço há algumas semanas e podem ser encontradas neste link:  http://bit.ly/wCZGoD

Venezuelanas

– Não houve rodada neste fim de semana. O Lara lidera com 27 pontos em 12 jogos, seguido pelo Mineros, com 24 e pelo Caracas, com 23, mas um jogo a menos.

– Houve, porém, mudança de técnico no Zamora. Oscar Gil foi demitido após a derrota por 1 a 0 para o Arsenal em casa. Foi o sétimo revés seguido da equipe de Barinas. O escolhido para o lugar do treinador foi Julio Quintero, que era assistente de Gil. Pairam então as seguintes dúvidas no ar: por que demitir o técnico após derrota para o Arsenal? Acaso o Zamora achou que tinha time para vencer?  E se é caso de demitir… Vale alguma coisa colocar um auxiliar do professor “fracassado” no comando?  Enfim… O Zamora é o nono colocado no torneio nacional.

– Polêmica também no Deportivo Lara. Nesta terça-feira agentes de segurança do governo venezuelano ocuparam a sede da empresa Tracto América, dona do clube. O motivo oficial seria uma checagem de documentos, mas muitos veículos de imprensa falam que este seria o primeiro passo para a expropriação da companhia, ou seja, o governo passaria a ser dono dela. No ano passado houve uma tentativa de compra do Estado, mas a Tracto rejeitou a proposta. Vale lembrar que diversas outras companhias venezuelanas já foram expropriadas pelo governo Chávez. A Tracto importa e distribui máquinas agrícolas e é responsável pela maior parte de investimentos no Lara, atual campeão venezuelano. A conferir os próximos episódios…

Peruanas

– No campeonato peruano o confronto entre os líderes Sporting Cristal e Universidad César Vallejo terminou empatado em 2 a 2. O resultado teve gosto amargo para a Universidad, já que o empate do Sporting ocorreu aos 48 da segunda etapa. Mesmo assim o time de Trujillo segue na ponta, com 16 pontos em sete jogos. O Sporting Cristal vem em segundo com 14 pontos. A terceira posição é do Real Garcilaso, que ficou no 0 a 0 com o Juan Aurich fora de casa e que chegou também aos 14 pontos.

– O Universitario empatou em 1 a 1 com o Sport Boys e é o 13º, com seis pontos. O Alianza Lima é o 14º após vitória por 3 a 1 contra o Sport Huancayo. Já a Universidad San Martín empatou em 1 a 1 com o José Gálvez e chegou a quatro pontos em cinco jogos.