A rivalidade motiva. Não só entre torcedores, mas na parte administrativa e dentro dos gramados. Não há nenhuma explicação lógica para um time se esmerar mais quando seu maior adversário está bem, mas a história nos mostra que de vez em quando é assim mesmo. Em 2013 no Brasil vimos o Atlético Mineiro ser campeão da Libertadores e o Cruzeiro responder com o título do campeonato nacional. No Paraguai algo semelhante ocorre entre Cerro Porteño e Olimpia.

Depois de ver o Decano chegar à final da Copa Libertadores e ficar a poucos minutos de seu quarto título continental, o Ciclón empreendeu uma arrancada incrível no Campeonato Paraguaio. Foram 19 jogos, com 13 vitórias, seis empates e nenhuma derrota. Os números permitem que a equipe do Barrio Obrero seja campeã com uma vitória contra o Libertad ou com um tropeço do Deportivo Capiatá, que joga fora de casa contra o Guaraní.

O triunfo vem das mãos de um velho conhecido da hinchada cerrista e também do torcedor brasileiro: Francisco Arce. Depois da mal fadada passagem pela seleção paraguaia e de um auspicioso retorno ao Rubio Ñu, El Chiqui faz o melhor trabalho de sua carreira no Torneo Clausura. Sem muitos reforços, Arce recorreu às canteras do Cerro Porteño e se deu bem.

Na defesa o zagueiro Ortiz e o lateral-esquerdo Alonso tem menos de 22 anos e estavam na base. Ao lado deles estão o experiente Bonet, na direita, e o zagueiro Cardoso, de 25 anos. No meio, Mathias Corujo dá qualidade pela direita, enquanto Fidencio Oviedo e Julio dos Santos garantem consistência e trabalho alternado de marcação e apoio. Já na esquerda está outro garoto: Oscar Romero, 21 anos e também da base. Na frente o badalado espanhol Guiza nem chegou a jogar direito. O motivo? A ótima fase de Guillermo Beltrán, que fez a saída de Roberto Nanni sequer ser notada. Ele é o artilheiro da temporada com 10 gols e sempre conta com o auxílio de um parceiro rápido de entrega, ora Ortigoza (aquele ex-Cruzeiro e Palmeiras e que chegou nesta temporada), ora Angel Romero, irmão gêmeo do meia esquerda.

Com esse time e pouquíssimas mudanças ao longo do campeonato, o Cerro Porteño abriu a vantagem que lhe permite ser campeão com duas rodadas de antecedência e fechou a boca dos olimpistas, que até os 40 minutos do segundo tempo no estádio Mineirão comemoravam mais um título continental. É claro que um Campeonato Paraguaio não é a mesma coisa que uma Libertadores ( e aqui o Decano pode esnobar, já que tem três contra nenhuma do Ciclón), mas o fato de responder com um título é suficiente para trazer o equilíbrio de volta a Assunción.

O Olimpia, aliás, é apenas o nono entre 12 times. Será que o Cerro pode servir de inspiração?

Chilenas

Faltando três rodadas para o fim do Apertura, a Universidad Católica lidera o campeonato com 33 pontos. O O’Higgins é o segundo com 30, o Palestino é o terceiro, com 24, mesma pontuação do Deportes Iquique. Já a Universidad de Chile é a quinta e completa a zona de classificação para o playoff da Libertadores.

Uruguaias

No Uruguai o fim de semana é de clássico entre Nacional e Peñarol. O Bolso está em melhor situação, já que é o segundo colocado com 24 pontos, contra 26 do líder Danubio. O Peñarol é apenas o décimo primeiro, com 12 pontos em 11 jogos.

Colombianas

No Finalización 2013 é hora dos quadrangulares finais. No grupo A o Atlético Nacional venceu o Itagüí por 3 a 2 e soma três pontos. O líder é o Junior, que venceu Itagüí e Santa Fe. No grupo B a liderança é do Deportivo Cali, que derrotou Deportivo Pasto e Millonarios para chegar aos seis pontos. O Pasto tem três pontos. Once Caldas e Millonarios tem um jogo e nenhum ponto.

Peruanas

No Descentralizado resta a definição do segundo finalista, uma vez que o Universitario de Deportes – capitaneado pelo baixinho Ruidiaz (ex-Coritiba) – já está na decisão. Na Liguilla A a briga é entre o Sporting Cristal, que tem 72 pontos, e o Real Garcilaso que tem 71. Faltam duas rodadas para o fim desta fase.

Equatorianas

– Faltando quatro rodadas para o fim do Segunda Etapa, o Emelec lidera com 37 pontos. A Universidad Católica, sensação do campeonato, tem 32. Se o panorama se mantiver, o Emelec será campeão nacional sem a necessidade de uma decisão.

– A semana foi marcada pelo anúncio da saída do técnico Edgardo Bauza da LDU. O argentino foi o responsável pelo título da Libertadores de 2008 e de mais dois campeonatos nacionais e um vice da Sul-Americana.

Venezuelanas

Faltando três rodadas para o fim do campeonato, Caracas e Mineros dividem a ponta com 29 pontos ganhos.

Bolivianas

Na Bolívia, o Bolívar lidera com 31 pontos, seguido pelo San José, que tem 30. O The Strongest é o terceiro, com 27 pontos em 16 jogos.