Pela filosofia de jogo de Guardiola, a evolução natural do seu Bayern de Munique seria jogar sem centroavante, mas talvez ele não tenha essa opção. Ou nem queira. Neste sábado, foi o croata Mario Mandzukic, camisa 9 de ofício, que garantiu a segunda vitória do atual campeão europeu no Campeonato Alemão. Derrotou o Eintracht Frankfurt por 1 a 0.

Guardiola testou Mario Gotze como “falso 9”, o meia-atacante que entra na área constantemente para finalizar, no amistoso contra o Gyori, na semana passada, e ficou satisfeito. A contratação de 37 milhões de euros marcou dois gols na goleada por 4 a 1, mas Gotze sequer entrou contra o Frankfurt.

Talvez porque Guardiola saiba que não pode mudar o estilo de jogo do Bayern de Munique de uma hora para a outra. Não apenas pelo tempo de treinamento necessário, mas também para não criar problemas nos vestiários. Na pré-temporada, algumas “invenções” motivaram questionamentos de líderes do elenco.

A mudança tem que ser gradativa, se ela de fato ocorrer, porque não foram todos os times de Guardiola que atuaram sem um jogador mais fixo na área. Em 2009, cedeu Eto’o e mais uma quantia enorme de dinheiro para ter Ibrahimovic. A diferença é que o sueco tem mais mobilidade e técnica com a bola no pé que Mandzukic.

O croata também foi decisivo em partidas da pré-temporada. Na Copa Audi, abriu o placar contra o São Paulo e fez o gol da vitória sobre o Manchester City, na final. Marcou também na estreia da Bundesliga contra o Borussia Monchengladbach.

Contra o Frankfurt, o Bayern de Munique começou bem, com jogadas pelas pontas, muita movimentação, e não demorou para abrir o placar. Aos 13 minutos, Philipp Lahm apareceu pelo meio, posição em que chegou a jogar algumas vezes na pré-temporada, e abriu o corredor para Thomas Muller. O camisa 25 recebeu o passe do capitão bávaro na ponta e cruzou para Mandzukic, que acertou um lindo semi-voleio para abrir o placar. Com vantagem, o ritmo diminuiu, e a pontaria não esteve muito boa.

A segunda etapa foi bem mais perigosa para os visitantes. A torcida inflamou o time de casa, que pressionou em busca do empate, mas nunca esteve realmente próximo. Nos 45 minutos finais, o Frankfurt não deu nenhum chute de dentro da área. Apenas “abafou”. Uma chance, que Schweinsteiger desperdiçou ao chutar em cima de Kevin Trapp nos últimos minutos, poderia ter dado mais tranquilidade ao Bayern. E Alexender Meier poderia ter empatado se não tivesse preferido tentar cavar um pênalti quando entrou na área no final da partida.

O Frankfurt, se não é uma potência, também não é uma equipe desprezível. Foi sexto colocado na última Bundesliga e contou com um massivo apoio da torcida no jogo deste sábado. O desafio era difícil e foi superado com o gol de Mandzukic. E se o croata não estivesse em campo? Por enquanto, Guardiola não quer saber a resposta dessa pergunta.