Ao longo de 20 meses, Rogério Ceni teve tempo suficiente para se colocar entre os maiores técnicos da história do Fortaleza. O comandante conquistou os dois principais títulos do clube além dos limites do estado: a Série B de 2018 e o Nordestão de 2019, duas taças que ampliaram a projeção do Leão do Pici. E as marcas do treinador são ainda mais profundas, indo além do peso dos resultados. Criou laços e, por isso, era tão adorado. O veterano se despede dos tricolores de uma maneira que, se não é a desejável aos torcedores, não deixou lembranças ruins. Ceni aceitou a proposta do Cruzeiro e foi anunciado oficialmente pelo clube neste domingo.

Rogério Ceni chegou ao Fortaleza em um momento de transformação. A conquista do acesso na Série C marcou o fim do pesadelo mais penoso da história tricolor. Ainda assim, depois de tanto tempo na terceira divisão, o Leão do Pici precisava manter os pés no chão ao retornar para a segundona. Não impediu a diretoria de apostar em Ceni e garantir as bases para que ele colocasse em prática as suas novas ideias. Não era a melhor estrutura possível. De qualquer maneira, entre o que o comandante queria fazer e o que os cearenses ofereciam, de apoio ou liberdade, o crescimento foi mútuo.

O Fortaleza respaldou Rogério Ceni, mesmo sem conquistar o Campeonato Cearense em 2018. O saldo disso veio durante a Série B. De um time que, a princípio, chegava para evitar qualquer risco de ser rebaixado, o Tricolor fez uma campanha soberana desde o princípio. Existiram momentos de oscilação, claro. Mas, no todo, o Leão do Pici superou as expectativas e protagonizou uma das campanhas mais marcantes da segundona durante os últimos anos. Garantiu o título nacional inédito à agremiação e o principal já registrado por um clube cearense. Por isso, o técnico já se colocava na memória.

Contudo, a representatividade de Ceni foi além. Primeiro, ao futebol que seu time apresentava. Além de competitivo, o Fortaleza também apresentava qualidade em campo. Depois, pela confiança que injetou entre os torcedores tricolores. A massa abraçou a ideia e contribuiu à fase inspirada vivida pelo clube. Nunca deixou de demonstrar sua gratidão ao treinador. Além disso, os próprios métodos do veterano ajudaram o Leão do Pici neste desenvolvimento direto da Série C para a Série A, também orientando melhorias estruturais. E as conquistas seguiram respaldando.

O título no Campeonato Cearense veio em 2019. Por fim, o Nordestão guardou um feito aguardado pela torcida. O Fortaleza viveu uma excelente campanha, que seguiu exibindo o melhor do trabalho de Rogério Ceni. Mesmo com mudanças significativas no elenco, a equipe produziu bem durante a competição e se confirmou como principal expoente do futebol nordestino. Não à toa, Ceni passou a ser colocado por muitos como o maior treinador da história do Leão do Pici, após faturar a Lampions League. Se há outros comandantes mais longevos e também com títulos importantes à realidade do passado, o peso dos feitos do ex-goleiro é óbvio.

Ao longo desse período, Rogério Ceni indicou sua identificação com o Fortaleza. Em retribuição, recebeu diversas mostras de carinho da torcida, com direito até a mosaico no Castelão durante o confronto com o São Paulo. Embora ainda lutasse contra o rebaixamento no Brasileirão e tivesse perdido outros jogadores importantes, o time seguia com uma campanha digna neste primeiro turno, abrindo a rodada no 14° lugar. Mas Ceni opta por aceitar a oferta do Cruzeiro. O último treino aconteceu neste domingo. Na segunda, o técnico do sub-20 Marconne Montenegro comandará o Leão do Pici na visita ao CSA.

O Fortaleza comunicou a saída de Rogério Ceni deixando expresso seu respeito ao técnico. “O clube, através de seu corpo diretivo, jogadores, funcionários e principalmente o torcedor, agradece todo o trabalho desenvolvido, é muito grato pelas conquistas e a certeza de que o legado de Rogério Ceni permanecerá”, escreveram os tricolores, em suas redes sociais. O clube será ressarcido pelo rompimento do contrato através do pagamento de uma multa.

Obviamente, parte da torcida do Fortaleza se ressentiu com a decisão. Rogério Ceni havia prometido cumprir o seu contrato e poderia encerrar a campanha no Brasileirão à frente da equipe, sem que as mudanças colocassem sob riscos a permanência na elite. Sem o treinador e com um elenco que perdeu forças, é natural que o temor sobre o rebaixamento cresça. Entretanto, o passar do tempo deve ser a resposta àquilo que o veterano ajudou a realizar em conjunto com os tricolores. O saldo é muito positivo, apesar da incerteza que resta agora.

Para o próprio Ceni, a opção pelo Cruzeiro também possui os seus entraves. O treinador chega a um clube de maior projeção, sem dúvidas. Mas também poderia ter feito isso antes, caso escolhesse o Atlético Mineiro, que realizou séria proposta anteriormente. Diante das denúncias de irregularidades e das dívidas, a Raposa vive um período político conturbado e, em um elenco de jogadores renomados, o comandante terá bem mais egos para lidar. Vem como um escudo ao momento dos celestes. Terá que administrar problemas, enquanto estabelece suas ideias. Para tanto, receberá um significativo aumento salarial, assim como um contrato até o final do próximo ano.

Ao menos, as chances de se livrar do rebaixamento são razoáveis, apesar da draga recente na Toca da Raposa. E, com continuidade, Rogério Ceni parece uma boa opção para renovar o Cruzeiro neste momento. Traz ideias completamente diferentes àquilo que era pregado por Mano Menezes e se casa bem mais com a história cruzeirense. O clube ganha nesta escolha, apesar da pouca experiência do novo contratado. Por mais que o cenário não seja bom, Ceni tentará o resgate. Preferiu arriscar outro salto na carreira, mesmo abandonando o grande legado que ergueu no Fortaleza.