Há mais dúvidas que certezas sobre a retomada do futebol europeu neste momento. A Bundesliga foi a primeira das grandes ligas a voltar, enquanto outras competições estipulam datas ao seu retorno – como o Campeonato Português, o Turco e outros espalhados principalmente no leste do continente. Em compensação, há aqueles que optaram pela precaução e já deram a temporada por encerrada, enquanto outros países importantes lidam com seus entraves – Inglaterra, Espanha e Itália, sobretudo. Ainda assim, o presidente da Uefa diz que a Champions League e a Liga Europa conhecerão seus campeões de 2019/20.

A conclusão dos torneios da Uefa deverá acontecer com uma série de restrições, sobretudo em relação à presença de público. O trânsito entre diferentes países também pode representar um problema. Apesar disso, Aleksander Ceferin deu uma entrevista com ares de confiança, dizendo que até o final de agosto os vencedores de ambas as competições deverão ser conhecidos. Enquanto a Liga Europa realizou parcialmente os jogos de ida pelas oitavas de final, a Champions precisa definir parte das voltas nas oitavas.

“Temos uma ideia sobre a conclusão das copas europeias, mas precisamos esperar que o Comitê Executivo confirme as datas. Se tudo estiver caminhando como agora, posso dizer que a temporada europeia terminará em agosto. É um plano concreto. Diante do atual cenário, estou certo de que poderemos encerrar os torneios”, declarou Ceferin, em entrevista ao BeIN Sports.

O presidente da Uefa também informou que as ligas paralisadas ainda precisam pensar na próxima temporada, já que o ciclo de competições europeias possivelmente recomeçará em setembro: “A maioria das ligas encerrará suas competições, espero que pelo menos 80%. As que não o fizerem, é por sua decisão. Mas ainda terão que jogar as fases qualificatórias se quiserem disputar as copas europeias na próxima temporada”.

Entre os países que já encerraram suas ligas estão França, Holanda e Bélgica. No caso dos franceses, há uma proibição de que eventos esportivos sejam realizados no país antes de setembro. Todavia, Paris Saint-Germain e Lyon ainda estão no páreo da Champions League, com os parisienses classificados às quartas de final. Ceferin não descarta que ambos atuem em campo neutro, embora aguarde um acordo com as autoridades locais.

“Paris Saint-Germain e Lyon terão que organizar partidas na França. Se isso não for possível, precisarão fazer em campo neutro. Se você não puder jogar em seu país, então precisará disputar essas partidas em outro local. Não vejo razão pelas quais as autoridades francesas não permitiriam essas partidas sem torcida, mas veremos como será. Está fora dos meus poderes”, declarou o dirigente.

Já sobre a Eurocopa, a ser realizada em 2021, também existe a possibilidade de reduzirem o número de sedes: “Tivemos conversas com nove cidades e está tudo acertado. Com três cidades, temos alguns problemas. Então, discutiremos mais. Em princípio, faremos o torneio em 12 cidades. Senão, poderemos fazê-lo em dez, nove ou oito”. Inicialmente, seriam 12 sedes no torneio espalhado pela Europa – o que parece torná-lo ainda mais delicado, diante das restrições na locomoção geradas pela pandemia.