O Ceará abriu uma boa vantagem no primeiro jogo da final da Copa do Nordeste neste sábado, em Salvador. No estádio Pituaçu, o Vozão saiu perdendo, mas conseguiu a virada no segundo tempo e venceu o Bahia por 3 a 1. Com isso, poderá até perder o segundo jogo, desde que por um gol de diferença, para ficar com o seu segundo título na história da Lampions League. Diante de um Bahia que não conseguiu fazer o seu jogo, o Ceará foi melhor, soube colocar o adversário em dificuldades e vê perto a chance de levantar a taça.

A partida começou com o Ceará mais posicionado defensivamente e colocando dificuldades para o Bahia jogar. Sem conseguir trabalhar a bola, o tricolor não conseguia chegar com perigo ao gol de Fernando Prass. O Ceará apostou na velocidade sempre que retomava a bola. Aos poucos, o tempo foi passando e o Ceará passou a jogar mais.

O time alvinegro bobeou na saída de bola, Flávio tomou a bola na intermediária ofensiva, tocou para Fernandão e o centroavante finalizou de pé esquerdo, no canto, e marcou: 1 a 0 para o tricolor baiano, aos 26 minutos do primeiro tempo. Foi um dos poucos momentos do jogo que o Bahia foi realmente incisivo no ataque, perigoso e que conseguiu levar perigo de fato.

Só que o Bahia não teve muito tempo para comemorar. Logo em seguida, em uma bobeira incrível da defesa do Bahia permitiu o empate. O lateral Juninho Capixaba tentou recuar, mas faltou combinar com o goleiro Anderson, que já tinha saído do gol. O lateral e o goleiro se chocaram e a bola sobrou limpa para Fernando Sobral só empurrar para as redes, sem oposição: 1 a 1, aos 28 minutos.

No começo do segundo tempo, uma bela triangulação no lado esquerdo com o lateral Bruno Pacheco e um lance perigoso, que ele finalizou com perigo e o goleiro Anderson defendeu. Só que um pouco depois, aos 12 minutos, Samuel Xavier fez o cruzamento para a área com precisão e o centroavante Cléber tocou de cabeça com liberdade e colocou no fundo da rede: 2 a 1. Virada do Vozão em Pituaçu.

Roger Machado mudou o time aos 18 minutos. Tirou Clayson, que fazia uma má partida, e colocou Rossi. Tirou também o volante Gregore e colocou o meia Danilezinho. Tentou tornar o time mais ofensivo. Rodriguinho recuou para buscar o jogo, mas assim como o resto do time, não conseguia ter espaço para trabalhar a bola com passes curtos. Por vezes o camisa 10 do Bahia tentou passes de primeira para acelerar o jogo, mas não conseguia dar continuidade às jogadas.

O Ceará ainda ampliaria o placar aos 29 minutos. Fernando Prass deu um lançamento longo para Mateus Gonçalves, que dominou na ponta esquerda, fintou para o meio e finalizou no contrapé do goleiro Anderson: 3 a 1 para os cearenses. Havia uma dúvida se o jogador estava impedido no lançamento do goleiro, mas depois de revisão no VAR, o gol foi confirmado.

Precisando desesperadamente de um gol, o Bahia partiu para cima. Como não conseguia trabalhar as jogadas com calma, nem trocar muitos passes, foi na base do abafa, com cruzamentos e jogadas pelos lados do campo para buscar abrir a defesa do Ceará. O Vozão, porém, estava bem posicionado e dificultou a vida do ataque baiano.

No fim, o Ceará conseguiu manter a vantagem de 3 a 1 e tentará levar a atuação para a terça-feira. O Bahia precisará jogar muito mais se quiser reverter o resultado, porque a vantagem é grande. Assim como em outros jogos, o Bahia sofreu demais na criação das jogadas, pareceu travado facilmente em jogadas pelo meio e não contou com boas alternativas nos lados do campo.

Depois de ver o Fortaleza levantar a taça em 2019, o Ceará tem a chance de conseguir o título diante de um adversário que é dos mais fortes do Nordeste. A partida de terça-feira promete um bom duelo.