Cavenaghi: “Gallardo fez o River voltar a ser aquela potência sul-americana”

Ex-atacante do River Plate ressalta a importância do treinador, que enfileirou títulos internacionais com os Millonarios

Fernando Cavenaghi foi um jogador importante na história do River Plate. Mais do que títulos, ele tem uma identificação que o tornou muito querido dos torcedores. Esteve no começo do trabalho do atual técnico, Marcelo Gallardo, de quem inclusive foi companheiro como jogador, em 2003 e 2004. Para ele, o técnico e amigo mudou a história do clube e recolocou o time como uma potência do continente.

LEIA TAMBÉM: Com brasileiros e argentinos concentrados de um lado, assim ficaram os mata-matas da Libertadores

Depois d o rebaixamento do River Plate, em 2011, o atacante voltou por uma temporada. Fez 19 gols em 37 jogos na segunda divisão, ajudando a devolver o clube ao nível mais alto do futebol argentino. Em 2012, foi para o Villarreal, que também tinha caído para a segunda divisão. Ele jogou apenas alguns meses no Submarino Amarelo, com 19 jogos e quatro gols, e se transferiu ao Pachuca, do México, em 2013. No começo de 2014, ele voltou ao River Plate. Tornou-se campeão argentino em 2014, da Sul-Americana, em 2014 e 2015, e da Libertadores, em 2015.

“Marcelo me encorajou e me ajudou muito quando estava para jogar a toalha”, comentou Cavenaghi. Já veterano, o jogador tinha voltado ao clube no momento mais difícil da história, a disputa da segunda divisão, em 2014. Teve uma lesão gravíssima, que ameaçou terminar a sua carreira. Foi Gallardo, já técnico do clube, que o incentivou a continuar. Os odis, juntos, conquistariam o título da Libertadores, em 2015. Foi o último jogo do jogador pelo clube, que ainda jogaria pelo Apoel Nicósia antes de pendurar as chuteiras, em 2016.

“Isso me ajudou a não ficar deitado na cama e depois me deu a possibilidade de viver momentos gloriosos, como jogar a semifinal da Sul-Americana contra o Boca e ser titular na final da Libertadores (vitória por 3 a 0 diante do Tigres, no estádio Monumental de Núñez), que era o meu sonho máximo. Além disso, essa era a minha última partida”.

Para o antigo camisa 9, Gallardo mudou o patamar do River Plate, que estava adormecido em nível continental, que não conquistou de 1996 até 2015, já sob o comando do lendário treinador e ex-camisa 10.

“A nível internacional, Marcelo mudou completamente a história do clube: o River voltou a ser aquela força e essa potência a nível sul-americano, que mete medo em qualquer rival, é muito grande tudo isso que conseguiu nos últimos tempos”, disse Cavenaghi. “Ele é muito detalhista, raramente erra um plano de jogo e é muito exigente nos treinamentos. Essas coisas acabam fazendo a diferença”.

Cavenaghi surgiu no River Plate em 2001 e foi para o exterior em 2004 para defender o Spartak Moscou. Jogaaria ainda por Bordeaux, Mallorca, veio para o Brasil defender o Internacional, onde ficou seis meses. Voltaria ao clube francês antes de voltar ao River, no ano seguinte. Sua história com Marcelo Gallardo é enorme, em campo e fora dele. É claro que elogia o companheiro. Contudo, é preciso ressaltar que, de fato, Gallardo transformou o River em um vencedor serial na América do Sul.