Caro Mito,

Começo te confessando que sempre achei esse negócio de Mito uma babaquice. Quem precisa se declarar Mito é quem não é bem mito, e você é, queiram ou não. De qualquer maneira, acho que o dia de hoje merece, porque o que fizeram com você hoje faz com que a gente tenha que abandonar as reservas pra te homenagear.

Não vou aqui ficar avaliando teus erros e acertos. Primeiro, eu não tenho competência pra isso. Segundo, perdi uma parte da campanha porque estava em outros cantos. Terceiro, e mais importante, porque não interessam. Era óbvio que haveria erros, e quem não se preparou para isso, como a diretoria do São Paulo, não deveria dirigir um clube do tamanho do São Paulo.

ANÁLISE: Incompetência da diretoria do São Paulo não desculpa erros e arrogância de Ceni

Sabe, cara, eu sempre fui fã de Juvenal Juvêncio, a ponto de defendê-lo mesmo no momento em que ele começou a fazer bobagem – isso, Ganso. Em retrospecto, porém, a maior sabedoria do velho presidente provavelmente foi manter Leco distante do comando do São Paulo. Era evidente desde que foi diretor de futebol que não tem a menor ideia de como funciona um time de futebol. É pessoa educada, gentil, provavelmente preparada, mas acha que administra o clube Paulistano. Se preocupa mais com as facções internas, com os engomados conselheiros, do que com o futebol, do qual evidentemente não entende nada. Juvenal sabia.

Eu confesso também que devia ter escrito antes pra te dar um toque. Te apoiei, te apóio e te apoiaria, mas a real é que uma das coisas que exacerbou a reação a ti foi a tua própria reação. Ninguém poderia esperar que tudo começasse com sucesso retumbante: era a primeira vez, mas não só isso, o elenco não ajuda. Dos goleiros o melhorzinho é o que vem jogando, mas ainda não inspira confiança total. Os jogadores em si nem eram todos muito ruins, mas a verdade é que poucos eram muito bons, e pouquíssimos pareciam ter a tua vontade de ganhar. Isso faz diferença.

O problema é que você embarcou nessa. Ao invés de assumir que erraria, que o time jogou mal, que devia ter feito algo que não fez ou não ter feito algo que fez. Se escondia em estatísticas que, nesse caso, eram estéreis e nada diziam. Não é que você em algum momento tenha sido símbolo de humildade, mas uma coisa é você ter o rei na barriga sendo rei, a outra é ter o rei na barriga quando ainda é estagiário.

Isto dito, é evidente que quem apostou em ti largou a aposta no meio. Teve medo da torcida, a eleição, sabe-se lá. Provavelmente te usou pra limpar a barra do trabalho porco que vinha fazendo, e agora te lançou aos leões.

Amigo Rogério, a quem nem conheço: podias ter sido mais humilde, mas merecias a chance de terminar o teu trabalho. Para além disso: Leco não é nem nunca vai ser ninguém, enquanto você é o maior jogador da história de um clube que teve Gerson, Leônidas e Raí. Leco vai passar. Você, se tiver a humildade necessária, vai voltar um dia pra ser campeão no banco. Não vai apagar a injustiça cometida contra ti, mas vai trazer teu nome de volta ao topo.

Se não acontecer, lembre que você não precisa disso. Há poucos Zidanes e muitos Falcões.

Um abraço e conte comigo sempre, eu te devo muito, o São Paulo te deve muito.