Carlos Vela muitas vezes transmite a sensação de potencial desperdiçado. Talento não falta ao atacante e, por muito tempo, ele foi visto como um real candidato a craque do futebol mexicano. Entre entraves extracampo e certa falta de empenho, o prodígio se transformou em promessa frustrada, apesar dos bons momentos que viveu na Real Sociedad. No entanto, quando quer mostrar o seu melhor, ele é capaz de destruir defesas – algo que tem feito com frequência na Major League Soccer. A quarta-feira guardou um lampejo deste Vela mais fantástico, enfileirando marcadores para anotar um gol antológico à liga americana.

O Los Angeles FC goleou o San Jose Earthquakes por 4 a 0 e Vela anotou dois gols na partida. Depois de assinalar seu primeiro em cobrança de pênalti, o artilheiro simplesmente arrebentou no segundo. O mexicano já ofereceu um quê de plasticidade ao fazer o corta-luz para Diego Rossi e avançar à tabela. E aprontou ainda mais depois, quando recebeu a bola. Escapou do carrinho do primeiro defensor, deu um corte seco no segundo, também deixou o goleiro falando sozinho e, com o gol só para si, levou o pobre adversário em cima da linha a fazer um espacate para tentar salvar o inevitável. Em vão. O toque nojento de Vela definiu o golaço.

É normal questionar a qualidade dos adversários na MLS. E, de fato, em um nível mais baixo, Vela tende a sobrar. Não é isso que diminui seu momento fabuloso no Los Angeles FC, autor de impressionantes 26 gols em 25 partidas pela liga americana. Apenas uma temporada depois de Josef Martínez estabelecer o recorde de 31 gols na competição, o mexicano tem todas as condições de quebrar a marca, restando ainda oito rodadas. Além do mais, o LAFC soma 61 pontos, 16 a mais do que qualquer outra equipe da competição a esta altura. O golaço abrilhanta uma temporada que deve render o MVP ao atacante e apresenta ótimas condições para que a taça volte à Califórnia.